PUBLICIDADE
Topo

Clodoaldo Silva

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Sem passar na frente: acordo garante vacinas aos atletas que vão a Tóquio

SUS receberá doses de vacina em contrapartida - JURANIR BADARó/ESTADÃO CONTEÚDO
SUS receberá doses de vacina em contrapartida Imagem: JURANIR BADARó/ESTADÃO CONTEÚDO
Clodoaldo Silva

Clodoaldo Silva é o primeiro ídolo do esporte paralímpico brasileiro. Um dos maiores nadadores do mundo, é dono de 14 medalhas (6 ouros, 6 pratas e 2 bronze) paralímpicas. Também é palestrante, empresário, atuante na área de inclusão das pessoas com deficiência e comentarista do esporte paralímpico.

13/05/2021 13h51

Priorizar ou não a vacina dos atletas que irão defender o país nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos? Vi muitas opiniões contrárias e favoráveis sobre o tema nas redes sociais após o governo anunciar que os atletas serão imunizados. Alguns acreditam ser necessário, e outros pensam que não é hora de dar destaque ao esporte, mas para a vida.

A discussão é complexa. Acredito que a questão não é imunizar ou não os atletas, o problema vem de antes de muito antes. Uma política totalmente errada de vacinação e de atenção ao tema tomou conta do país. O assunto, que deveria ser tratado com muita seriedade e estratégia, foi deixado de lado pelo Estado. Hoje vivenciamos uma CPI que revela o que não foi feito e ficamos cada vez mais tristes com o cenário.

No meio de tudo isso, muitas pessoas perderam suas vidas e ainda estão perdendo por falta de uma política realmente eficaz e direcionada para salvar vidas. O que nós brasileiros temos enfrentado é no mínimo um desrespeito. Uma afronta ao povo e à saúde. Uma tristeza profunda. Um luto diário. Um descaso. E, por fim, mortes e mortes que não deveriam estar ocorrendo caso o assunto tivesse sido tratado de forma prioritária e com precaução.

Em um país com pouquíssimas pessoas vacinadas, não é de se admirar que a população seja contrária à imunização dos atletas. Qualquer vacina no momento pode salvar pessoas. No entanto, os Jogos Olímpicos e Paralímpicos irão ocorrer, e teremos atletas brasileiros nos representando. A pergunta que não quer calar: como não vacinar as delegações brasileiras que irão para os Jogos?

No Japão a imunização também não ocorreu como imaginávamos. Somente 2,6% da população foram vacinados. Deixaremos nossos representantes irem nos defender e contrair a doença?

Na última terça-feira, 11 de maio, o Ministério da Saúde anunciou que vacinará contra a covid-19 atletas e outros credenciados para os Jogos de Tóquio. Segundo o órgão, ao todo, antes de embarcar 1.814 pessoas, entre atletas, membros da comissão técnica, árbitros, jornalistas, receberão doses doadas pelo COI (Comitê Olímpico Internacional).

Para que fique claro, a imunização dos atletas olímpicos e paralímpicos irá ocorrer com vacinas doadas pelo COI, por meio de parcerias com a Sinovac e a Pfizer/Biontech. Em contrapartida, ao menos 8 mil doses doadas pelo órgão serão acionadas ao estoque do SUS. Confira mais sobre o tema no Olhar Olímpico.

Se nossas delegações irão para o Japão defender o nosso país, que não corram o risco de contrair a doença e, até mesmo de morrer. Conforme indicações científicas, pessoas vacinadas podem até pegar a covid, mas a imunização ameniza os sintomas e a possibilidade de agravamento dos quadros. Acredito que vacinar nossos atletas é o melhor caminho no momento, já que além de vacinar e prevenir a doença, o acordo é bem claro: ainda teremos mais vacinas para os bancos do SUS.

Ficamos na torcida para que tudo dê certo. Afinal, os Jogos estão bem pertinho. Ficaremos de olho!

Excelente quinta-feira e abraços aquáticos para todos

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL