Topo

Coluna

Campo Livre


Oitavas da Copa do Brasil: seis favoritos e duas incógnitas

Palmeiras enfrentará o Sampaio Corrêa nas oitavas de final da Copa do Brasil - Carlos Ezequiel Vannoni/PixelPress
Palmeiras enfrentará o Sampaio Corrêa nas oitavas de final da Copa do Brasil Imagem: Carlos Ezequiel Vannoni/PixelPress
Claudio Zaidan

Claudio Zaidan é radialista há 44 anos. Em São Paulo, trabalhou nas rádios Jovem Pan e Trianon. Entrou na Rádio Bandeirantes em 1994, onde ficou por cinco anos. Voltou para Bandeirantes em 2001, onde atualmente é comentarista.

11/05/2019 10h32

Palmeiras, Grêmio e Inter não devem ter grandes dificuldades nas oitavas de final da Copa do Brasil. É fato que costumamos nos esquecer que jogos de futebol não são vencidos na véspera. Então, semana após semana, competição após competição, o futebol trata de nos lembrar que jogos nunca são plenamente previsíveis.

Mas também no futebol há certa lógica e algum espaço para a razão; logo, é normal indicar que um time tem mais chances de ganhar. Nas oitavas da Copa do Brasil, o Palmeiras enfrentará o Sampaio Corrêa, que sofreu apenas quatro gols no Campeonato Maranhense deste ano, mas não conseguiu chegar à final, na qual o Imperatriz venceu o Moto Club.

O Palmeiras pode jogar mais bola, e Scolari sabe disso; o time, no entanto, mostrou na fase de grupos da Libertadores que é capaz de ter força no ataque e, ao mesmo tempo, manter sua eficiência defensiva: em seis jogos, marcou 13 gols e tomou apenas um; não por acaso, fez a melhor campanha dessa etapa. Enfim, mesmo ainda sem ter alcançado seu nível possível, o Palmeiras é notório favorito nos embates contra o Sampaio Corrêa.

O Inter, que terá o Paysandu pela frente, também entra nas oitavas com clara vantagem técnica. Neste ano, o time paraense foi o quarto colocado no estadual, cuja taça ficou com o Remo. O Inter conta com uma boa defesa; aliás, a marcação funciona muito bem desde o meio-campo. Odair Hellmann montou um bom time em 2018, mas carecia de um ataque com mais qualidade. Guerrero resolve grande parte do problema.

O único confronto estadual nas oitavas da Copa do Brasil será entre Grêmio e Juventude. No Campeonato Gaúcho encerrado há pouco, o Grêmio passou com folga pelo Juventude. Não há motivo para se esperar algo muito diferente na disputa por vaga nas quartas. O Juventude deixou Botafogo e Vila Nova pelo caminho, mas terá uma parada muito mais difícil diante do Grêmio, apesar de o time de Renato oscilar além da conta.

Prevalecendo a normalidade, Grêmio, Inter e Palmeiras seguirão em frente, sem sustos. Também Athletico, São Paulo e Cruzeiro são favoritos, mas terão, provavelmente, obstáculos maiores. O Athletico enfrentará o Fortaleza. Os dois times aproveitam bem as partidas em que são mandantes, mas perdem pontos demais quando visitam. Nada que Nunes e Ceni não possam resolver durante o Brasileiro.

No mata-mata da Copa do Brasil, porém, não dá para contar com o tempo; é melhorar logo ou cair fora. Time por time, o Athletico é melhor e, portanto, tem mais chances de se classificar. O São Paulo vai encarar o Bahia, que está bem organizado pelo Roger Machado. Sempre ligado, Cuca sabe que não terá moleza, até porque seu time ainda precisa finalizar mais e melhor. O São Paulo é favorito simplesmente porque tem mais qualidade técnica.

O fato de o confronto entre Cruzeiro e Fluminense ser um clássico nacional não esconde a constatação de que a equipe de Mano Menezes é melhor. Fernando Diniz tem obtido o máximo possível de seu time, enquanto convive com os problemas do clube, o que inclui, de tempos em tempos, perder jogadores importantes. Cabe, agora, a Diniz fazer o ajuste tático necessário para aproveitar as características e o talento de Pedro, que não pode ficar no banco.

O Cruzeiro tem melhores jogadores; fazendo o que pode, avançará. Finalmente, os dois embates que são, a priori, os mais equilibrados das oitavas de final. Ambos, aliás, começarão a ser disputados na próxima quarta-feira: em Belo Horizonte, Atlético Mineiro e Santos, e, na Arena Corinthians, Corinthians e Flamengo.

O Atlético melhorou desde que Rodrigo Santana passou a dirigir o time: conquistou os nove pontos que disputou no Brasileiro e, mesmo sem apagar a péssima campanha na fase de grupos da Libertadores, pelo menos ficou em terceiro e vai disputar a Sul-Americana. O principal desafio para o Atlético, agora, é resolver o problema crônico de sua marcação, muito vulnerável.

O Santos, por sua vez, tem feito, na média, bons jogos. O esquema de Sampaoli cobra um desgaste físico maior, o que explica as mudanças na escalação. O certo é que, na maioria das vezes, é bom ver o Santos jogar. Sampaoli tem feito ótimo trabalho e poderá entregar resultados ainda melhores, se chegar à Vila pelo menos mais um bom atacante; até porque Rodrygo vai para o Real Madrid.

O Corinthians ganhou o Paulista; o Flamengo, o estadual do Rio. O Corinthians avançou na Sul-Americana; o Flamengo, na Libertadores. A defesa do Corinthians é melhor que a do Flamengo, que tem um ataque melhor que o do Corinthians. A parada em junho será importante para que os os dois times resolvam seus problemas, mas, então, só um deles estará na disputa pelo título da Copa do Brasil.

Campo Livre