PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Belfort x Holyfield: luta de "vovôs" tem Anitta e clima de comício de Trump

Vitor Belfort olha Evander Holyfield no chão durante luta de boxe entre os dois - Chandan Khanna/AFP
Vitor Belfort olha Evander Holyfield no chão durante luta de boxe entre os dois Imagem: Chandan Khanna/AFP

Adriano Wilkson

Do UOL, em São Paulo

12/09/2021 01h05

O ex-presidente americano Donald Trump escolheu o dia 11 de setembro para voltar aos holofotes oito meses após deixar a Casa Branca. Na manhã de ontem (11), participou de homenagens aos bombeiros e policiais que morreram nos atentados terroristas de 2001 em Nova York. À noite, cruzou o país e foi comentar lutas de boxe entre americanos e brasileiros na Flórida.

O político, que antes de virar presidente ganhou fama comentando luta livre encenada na TV, foi anunciado como comentarista convidado do evento "Triller Fight Club" e fez suas observações ao lado do filho, Donald Trump Jr, e do brasileiro Júnior Cigano. Para animar a noite, a carioca Anitta e suas dançarinas se apresentaram ao som de "Girl From Rio" e de "Bola Rebola".

Dentro do ringue, o "Triller Fight Club" proporcionou alguns momentos constrangedores para o boxe como esporte, como o nocaute-relâmpago de Vitor Belfort sobre Evander Holyfield, um senhor de 58 anos, 14 mais velho, que não lutava havia uma década e que foi chamado de última hora para o combate.

A comissão atlética da Califórnia não autorizou que Holyfield lutasse nessas condições, e a solução que os organizadores encontraram foi levar o evento para a Flórida, onde ele acabou chancelado.

Holyfield estava tão fora de forma que, ao tentar dar um cruzado no brasileiro, se desequilibrou e ficou perto de parar fora do ringue, em um movimento quase caricatural.

Antes da luta principal, Anderson Silva e Tito Ortiz, outros dois antigos campeões do UFC, também se aventuraram no boxe, e o brasileiro levou a melhor, também com um nocaute no primeiro round. Ortiz, visivelmente desconfortável na luta em pé, foi facilmente abatido pelo paranaense. Ao menos nesse caso, os adversários tinham a mesma idade, 46 anos.

Anderson - Douglas P. DeFelice/Getty Images/AFP - Douglas P. DeFelice/Getty Images/AFP
Anderson Silva sorri em entrevista após nocautear Tito Ortiz
Imagem: Douglas P. DeFelice/Getty Images/AFP

Além do ringue, o evento teve ares de comício eleitoral de Trump, que pensa em retornar à presidência. Quando seu nome foi anunciado, o público reagiu com euforia, e as câmeras mostraram uma faixa com a frase "Trump 2024", ano das próximas eleições. "We want Trump" (Nós queremos Trump) e "Fuck Joe Biden" (F* Joe Biden) foram cânticos repetidos pela torcida.

O canal "Combate", que transmitiu o evento com exclusividade no Brasil, evitou mostrar a imagem de Trump. Quando o ex-presidente apareceu falando ao microfone entre uma luta e outra, a transmissão brasileira tirou o som original e exibiu imagens de treinos e entrevistas antigas de atletas.

Durante o minuto de silêncio em homenagem às vítimas do 11 de setembro, uma mulher aparentemente alcoolizada gritou contra o uso de máscaras de proteção e foi rapidamente contida por seguranças.

Ao fim da noite, após comemorar a vitória com seus filhos e com a mulher Joana Prado, Vitor Belfort, que fez carreira no MMA, se animou para seguir no boxe. Desafiou o ator e youtuber americano Jake Paul para seu próximo combate, valendo 30 milhões de dólares.

Esporte