PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Milo Araújo


Reabertura com notas de agorafobia

Agorafobia é um transtorno de ansiedade relacionado a multidões e ambientes desconhecidos - peeterv/Istock
Agorafobia é um transtorno de ansiedade relacionado a multidões e ambientes desconhecidos Imagem: peeterv/Istock
Milo Araújo

Milo Araújo é designer e diretora de arte, pedaleira, caminhadeira e agora escrevedeira. Aprendeu a andar de bike sem as mãos recentemente.

21/07/2020 16h39

2020 foi um ano muito revelador para mim. Ele me fez olhar para aspectos da minha personalidade para os quais eu não estava dando muita atenção, como por exemplo, a forma como eu me relaciono com o mundo, com as pessoas, com as aglomerações e com todos os desafios de sociabilidade que vêm junto dessas coisas. E adicionando um fator mais coletivo para essa reflexão, acredito que as formas de nos relacionarmos com as pessoas vão ser muito afetadas pelos meses de estranhamentos internos e externos que passamos.

Vou trazer agora um relato muito pessoal agora. As pessoas que me conhecem pessoalmente costumam me descrever como uma pessoa divertida e extrovertida. Eu mesma identifico essas características em mim desde criancinha. Porém o início da vida adulta pode apagar algumas luzinhas dentro da gente. Acho que poucas pessoas passam ilesas pelo aniquilamento de brilho nos olhos que é o início da vida adulta.

Hoje, me encontro com 27 anos, mas vou arredondar aqui essa etapa da vida levando em consideração dos 20 aos 30 anos. Lá pelos 24, 25, me percebi em vários momentos com muito receio de ser constrangida publicamente. Me expor com pessoas novas começou a ficar cada vez mais difícil. Eu trabalho com publicidade, como diretora de arte, e, em vários momentos, sinto que existe uma necessidade de nutrir relacionamentos falsos e construir autoimagens fortes e inquebráveis, que não necessariamente refletem o que se é ou os valores que se cultiva. Adicionamos também como fator de ansiedade o fato de que, em muitos rolês pretos (que são ambientes superimportantes onde nós, pretas e pretos, procuramos nos olhar e construir muita coisa) sinto uma avaliação generalizada dos tons de pele, prática essa que causa muita dor e sofrimento. Todos esses fatores combinados despertaram em mim uma ansiedade que, com os anos, só cresceu e que, de quebra, me deixou bem inibida de frequentar eventos sociais.

Desde o final de 2019 eu já tinha me percebido mais caseira. E olha que eu já fui muito saideira nessa vida. Quando, no final de fevereiro de 2020, o Brasil à revelia da Presidência da República decidiu se quarentenar na medida do possível, eu já estava quietinha dentro de casa, de certa forma, com esses sintomas de fobia social.

Hoje, observando agosto chegar numa loucura só, precisei sair para fazer uns corres relacionados à documentação. Dentro dessas movimentações recentes pela cidade, me vi sentindo ao mesmo tempo um alívio de liberdade e também um desespero por estar do lado de fora. Vários foram os momentos que quis sair correndo para a minha casa para me proteger. A vida retorna temperada com notas de agorafobia.

Agorafobia é um transtorno de ansiedade relacionado a multidões e ambientes desconhecidos, em linhas gerais. Acredito que muitas e muitos de nós vão ter que lidar de pertinho com ela nessa reabertura gradual brasileira. Eu mesma, noite sim, noite não, tenho pesadelos relacionados a grandes aglomerações.

Para mim, esse é o "novo normal". Atualmente, tenho medo da rua. O mundo está superdifícil e durante esses 120 dias de reclusão, as cobras criaram asas. Mas, sigo na fé que, aos poucos, vamos nos readaptar às nossas ruas, becos, avenidas e vielas. Não vejo a hora de estar devidamente vacinada e rasgando as ruas por aí, espalhando as palavras dos valores que eu acredito e lutando pela reapropriação do espaço público.

Milo Araújo