PUBLICIDADE
Topo

Mari Rodrigues

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

O que se passa na cabeça da aniversariante?

Getty Images/iStockphoto
Imagem: Getty Images/iStockphoto

Mari Rodrigues

03/07/2021 06h00

Hoje completo mais um ano de vida. E muitas ideias me vêm à cabeça para falar desse período tão interessante que é o aniversário. Hoje vou partir para um lado mais pessoal e tratar das minhas impressões de tudo que enfrentei neste ano.

Algumas pessoas devem saber que adoro comemorar aniversários. Isso é por um motivo simples: significa que mais um ano sobrevivi e mais um ano estou burlando as "estatísticas", tão temerárias. Saber que por mais um ano se está superando os desafios propostos (e impostos) é gratificante.

A vida foi cheia de altos e baixos: comemorar o segundo aniversário no meio de uma pandemia que já evitou que mais de 500 mil pessoas só aqui no Brasil comemorassem aniversários parece ser um privilégio, porque viver passou a ser um privilégio num mundo que quer nos ver morrer. Mas tudo bem, viveremos!

Em um ano, fiz novas amizades, esfriei com outras, e isso faz parte do ciclo da vida. Renovar esperanças de contato, esfriar esperanças de contato, eliminar esperanças de contato... Tudo isso me amadureceu e me tornou mais sensata.

Veio a empolgação, veio a cobrança, veio o reconhecimento, veio o cansaço. Veio também uma vontade imensa de refletir o quanto tentei abraçar o mundo e o quanto isso não aconteceu. Talvez frear um pouco os ímpetos seja de bom tom.

No mais, espero que as pessoas que, como eu, fazem aniversário hoje se sintam bem para refletir sobre o seu papel no mundo e sobre o que as faz brilhar. Eu já estou assim.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL