Topo

Carros


Carros

Hyundai pode começar 3º turno no Brasil no final do semestre

Marca inaugurou sua primeira fábrica no Brasil, na cidade de Piracicaba (SP), com capacidade inicial de 34 carros/hora - Leonardo Soares/UOL
Marca inaugurou sua primeira fábrica no Brasil, na cidade de Piracicaba (SP), com capacidade inicial de 34 carros/hora Imagem: Leonardo Soares/UOL

Alberto Alerigi Jr.

Em São Paulo (SP)

26/03/2013 13h07

A Hyundai começou nesta semana a discutir com sindicato de metalúrgicos de sua fábrica em Piracicaba (SP) o início de um terceiro turno de produção que pode ocorrer entre o final deste semestre e início do próximo.

A montadora sul-coreana, que começou a produzir o modelo compacto HB20 na unidade em setembro, informou nesta terça-feira que comunicou o Sindicato dos Metalúrgicos de Piracicaba na sexta-feira sobre a decisão de abertura de um terceiro turno, mas não confirmou quando a nova operação poderia iniciar.

Segundo o presidente da entidade sindical, José Luiz Ribeiro, a Hyundai teria informado sobre planos de contratação de 700 trabalhadores. Atualmente, a fábrica de Piracicaba emprega 1.900 funcionários.

"Eles disseram que precisam fazer treinamento do pessoal e que a ideia é contratar 700 trabalhadores. Isso abriria uma demanda de mais 1.000 funcionários nos fornecedores que estão instalados no complexo", disse Ribeiro.

O projeto inicial da fábrica envolvia produção em dois turnos, numa capacidade total de 150 mil veículos por ano. Mas um mês depois do início da produção, a montadora decidiu iniciar o segundo turno em meio à forte demanda pelo HB20.

Segundo dados da associação de concessionários de veículos, Fenabrave, o HB20 acumula vendas de 19.208 unidades no primeiro bimestre, com a posição no ranking de automóveis mais vendidos do país passando de oitava para sexta colocação entre janeiro e fevereiro.

Ribeiro informou que sindicato e montadora negociam agora as formas de início da operação do terceiro turno. Ele afirmou que a companhia estimou que o início da nova jornada pode levar de três a quatro meses por causa da necessidade de treinamento de pessoal para a produção.

"Mas a gente quer agilizar isso para que seja o mais breve possível", disse Ribeiro, afirmando que a jornada de trabalho da fábrica de Piracicaba está em 44 horas semanais e que o interesse da entidade é reduzir isso com a contratação de novos funcionários para o terceiro turno.

Mais Carros