PUBLICIDADE
Topo

VW Voyage 'G2' chegou a existir, mas foi 'morto' por argentino e espanhol

Protótipo do Voyage G2 chegou a ser feito pela VW - Reprodução
Protótipo do Voyage G2 chegou a ser feito pela VW
Imagem: Reprodução

Vitor Matsubara

Do UOL, em São Paulo (SP)

21/06/2020 04h00

Resumo da notícia

  • Sedã teve sinal verde da matriz, mas foi cancelado por executivo espanhol
  • "Argentino" Polo Classic foi substituto do Voyage e não teve boas vendas
  • Protótipo do Voyage G2 existiria até hoje; VW não confirma informação

O Voyage tinha seu público cativo desde seu lançamento em 1981. Primeiro derivado do Gol, que havia sido lançado um ano antes, o sedã passou por duas reestilizações até 1996, quando deixou de ser produzido.

O sedã não teve uma segunda geração, e só voltaria a ser fabricado em 2008, quando a VW lançou o modelo derivado do Gol conhecido como "G5". Poucos sabem, porém, que o Voyage "bolinha" não existiu por conta de um argentino e principalmente de um espanhol.

O "argentino" em questão é o Polo Classic, modelo vendido por aqui de 1996 a 2002. Quem conhece um pouco da história da VW sabe que o sedã preencheu a lacuna que seria ocupada pelo Voyage, mas nunca obteve o sucesso de seu antecessor.

De quebra, a ausência do "Gol sedã" abriu caminho para o Fiat Siena ocupar a liderança do segmento que cresceria significativamente a partir dos anos 2000.

Procurada pela reportagem de UOL Carros, a assessoria de imprensa da Volkswagen do Brasil afirmou que, "na época a decisão foi por importar o Polo Classic da Argentina".

VW Polo Classic - Divulgação - Divulgação
Polo Classic era feito na Argentina e não repetiu o sucesso do Voyage no Brasil
Imagem: Divulgação

Mais importante do que isso, porém, é que a decisão de "matar" o Voyage" partiu de um espanhol. José Ignácio López era vice-presidente e chairman da Volkswagen do Brasil. Além de ser o homem forte no continente, ele comandava o departamento de Compras do Grupo Volkswagen e, assim, era o braço direito de Ferdinand Piëch, então presidente da empresa.

Dois projetos

Luiz Alberto Veiga, ex-designer da VW - Divulgação - Divulgação
Luiz Veiga foi chefe da VW e fez o Gol 'bolinha'
Imagem: Divulgação

Após ser convencido da importância de ter o Voyage no mercado brasileiro, López autorizou Wolfgang Winkler, então chefe de design da VW Brasil, a desenvolver uma proposta do modelo.

Tudo seria feito sem o consentimento do responsável pela área de design da montadora na época, Hartmut Warkuss, e tampouco da matriz.

Luiz Alberto Veiga, ex-chefe de design da Volkswagen do Brasil, estava na Alemanha para desenvolver a nova família Gol e lembra de ter visto o protótipo.

"Ele estava sendo feito por baixo dos panos e tinha a cara de um Mercedes-Benz com quatro faróis redondos", afirmou o designer em entrevista a UOL Carros em maio deste ano.

Em relato ao site "Autoentusiastas", Veiga lembra que o veículo seria apresentado em Wolfsburg, em uma reunião secreta realizada com membros do conselho administrativo. O encontro, porém, nunca aconteceu, já que Warkuss ordenou seu cancelamento tão logo soube de sua realização - e da insubordinação.

O chefão do design, então, pediu a Veiga que desenvolvesse outra proposta para o Voyage. Quase ao mesmo tempo, Warkuss marcou uma reunião com Winkler para falar sobre o tal protótipo. Ao final de um encontro tenso, o alemão ordenou a um irado Winkler que aguardasse.

Momentos de tensão

Coube, então, a Veiga explicar a López porque "seu" Voyage não seria aprovado pela matriz.

Descontente com o que ouviu, o espanhol deixou a sala revoltado, enquanto Warkuss chamou o brasileiro para finalizar sua proposta.

López prometeu que falaria com (Ferdinand) Piëch, algo que Warkuss já havia feito antes.

Uma nova reunião foi realizada com as presenças de Warkuss, López e o próprio Ferdinand Piëch. Após analisar brevemente, o chefão deu sinal verde para a nova proposta assinada por Warkuss e Veiga - que está na abertura desta reportagem.

O fim do Voyage 'bolinha' - ou não

VW Voyage G5 - Divulgação - Divulgação
Voyage só voltou ao mercado em 2008
Imagem: Divulgação

Só que o espanhol não se deu por vencido. Pouco tempo depois, López determinou o cancelamento do Voyage e elegeu um substituto.

"Foi uma briga do meu chefe (Warkuss) contra o López e a Alemanha prevaleceu. E isso fez ele (López) ficar muito bravo, então ele resolveu lançar o Polo Classic no Brasil", lembra Veiga.

Embora não pudesse interferir nas decisões do design, o espanhol tinha total autonomia para realizar as decisões na América Latina. E assim o Voyage "bolinha" nunca existiu.

Ou quase isso: conta-se que o protótipo do sedã nunca foi destruído, como havia sido ordenado. E mais: ele existiria até hoje.

É o que afirma o jornalista Thiago Moreno, que viu imagens do suposto veículo durante uma conversa informal com um funcionário da Volkswagen. O vídeo está no canal "Eu Falo de Carro".

De toda maneira, não há qualquer tipo de registro oficial deste carro.