PUBLICIDADE
Topo

Carros


Carros

Audi A3 Sport lidera em maio chegada da nova geração ao Brasil

Bem equipado, modelo deve ter dificuldades em se manter na faixa atual, que vai de R$ 110 mil a R$ 120 mil - Sauer Stefan/Divulgação
Bem equipado, modelo deve ter dificuldades em se manter na faixa atual, que vai de R$ 110 mil a R$ 120 mil Imagem: Sauer Stefan/Divulgação

Eugênio Augusto Brito

Do UOL, em Ingolstadt (Alemanha)

14/03/2013 10h18

A Audi afirmou que precisa de um carro de volume real -- algo que o chique e econômico A1 não chega a ser -- para crescer a contento no Brasil e que sua aposta é na volta da "dobradinha" A3/Golf sendo produzida em São José dos Pinhais (PR). Antes, bem antes, porém, a nova geração do hatch médio premium precisa estrear no país, ainda por importação.

Acontece que a ida do novo A3 aí para o Brasil está atrasada, de novo. A previsão inicial (vendas a partir de março) foi revista há algum tempo (seria para abril) e modificada novamente agora: o Audi A3 Sport 2013, de duas portas, chega em maio; depois, é a vez do A3 Sportback 2013 (quatro portas), em junho. Ambos serão movidos pelo motor 1.8 TFSI (turbo com injeção direta de gasolina), de 180 cavalos e 28,5 kgfm de torque (a mesma força do A3 2.0 atual), gerenciado pelo câmbio S-Tronic, automatizado de sete marchas e dupla embreagem.

Mais tarde, em meados do segundo semestre, será a vez do A3 de quatro portas com motor 1.4 de 122 cavalos do A1 -- a Audi ainda trabalha na homologação do 1.4 de 140 cavalos, 25,5 kgfm de torque e desligamento de cilindros (pode funcionar com apenas dois dos quatro cilindros quando a necessidade de potência for menor que a de economizar combustível). A inédita configuração sedã, que ainda será apresentada oficialmente e vai estrear na Europa no segundo semestre deste ano, iria ao Brasil apenas em algum momento de 2014.

Segue o mistério do preço. A Audi diz ainda estudar a adequação do novo carro entre o atual patamar de valores e a nova demanda do mercado. O fato é que a marca precisa realmente pensar em quanto vai cobrar pelo novo carro para mantê-lo atrativo: a BMW oferece uma das versões do Série 1, principal rival do A3, a R$ 89.950. Ainda que extremamente bem equipado, o novo A3 pode ter dificuldades em se manter na faixa atual, que vai de R$ 110.000 a R$ 120.000.

PERNA DE ATLETA, CARA DE NERD
UOL Carros já havia experimentado a nova geração do hatch A3 em novembro, durante o lançamento mundial da configuração Sportback (quatro portas) no principado de Mônaco. Agora, foi a vez de andar no A3 Sport, variante de duas portas que desembarca primeiro no Brasil.

Mais curto que o A3 de quatro portas, o A3 Sport também é mais "apertado": são 4,23 metros de comprimento com 2,60 m de entre-eixos -- o Sportback mede 4,31 m por 2,63 m. Apesar das medidas menores e do acesso mais complicado ao banco traseiro, dois adultos de até 1,80 m só têm complicação se viajarem atrás de alguém com mais de 1,90 m, já que até este limite todos contam com bom espaço para pernas, ombros e cabeça, apesar de uma certa sensação de falta de ar por conta das janelas fixas. A grande perda do A3 Sport está mesmo no porta-malas, que cai de 380 para 365 litros.

Pouco muda no desempenho, porém, uma vez que o carro é apenas 30 quilos mais leve que sua configuração com mais portas -- e aqui percebe-se como a Audi se esmerou no trabalho de fazer o A3 maior perder peso. Assim, ficamos com a mesma sensação percebida durante o teste do Sportback.

O novo A3 é um carro equilibrado, que pode andar forte sempre que o motorista quiser, mas que no geral vai se comportar como se estivesse sobre trilhos, com trabalho suave (mas eficiente) de suspensão, que em nada lembra a rigidez mais esportiva do rival BMW Série 1. Colabora para isso a faixa branda de rotações do motor, sempre na faixa do 1.500 giros e que cai a zero a cada parada no semáforo, graças ao recurso start/stop.

Quem escolher o novo A3, porém, o fará mais pela enorme lista de recursos embarcados do que pela verve de atleta. E são muitos auxílios ao motorista, desde os sensores de estacionamento com câmera, de luz (os faróis só utilizam LEDs) e de chuva, internet 3G com conexão às redes sociais e aos mapas do Google e compartilhamento com celulares, tela escamoteável de sete polegadas, piloto automático adaptativo completo (frenagem e aceleração automáticos programáveis) ao bloqueio eletrônico cruzado do diferencial.

Assim, fica fácil perceber que se o A3 Sport oferece menos espaço e no geral é mais hi-tech que atleta, fica fácil chegar à conta pretendida globalmente pela Audi, que fala sempre em um mix de 80% das vendas para o A3 de quatro portas e apenas 20% para o de duas portas.

A Audi fala ainda em velocidade máxima de 232 km/h, com aceleração de 0 a 100 km/h feita em 7,2 segundos e consumo combinado de 18 km/l. De toda forma, no teste de 200 quilômetros feitos por UOL Carros, com velocidade limitada a 240 km/h (alcançáveis em alguns pontos das rodovias alemãs) e clima externo em torno dos 4ºC (forçando o uso forte de aquecimento na cabine), a média obtida ficou em torno dos 11,5 km/l.

Viagem a convite da Audi

Carros