PUBLICIDADE
Topo

Mora nos Clássicos

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Não foi só o do Itamar: VW fez mais três Fuscas conversíveis "secretos"

Conteúdo exclusivo para assinantes
Rodrigo Mora

O blog Mora nos Clássicos contará as grandes histórias sobre as pessoas e os carros do universo antigomobilista. Nesse percurso, visitará museus, eventos e encontros de automóveis antigos - com um pouco de sorte, dirigirá alguns deles também.

Colunista do UOL

31/07/2021 04h00

(SÃO PAULO) - Fora de linha desde o fim de 1986, o Fusca voltaria a ser fabricado em 1993. O renascimento, inédito no mundo, veio de um pedido do então Presidente da República, Itamar Franco, que via na retomada da produção um caminho para a geração de empregos e um estímulo econômico. Um programa de isenção tributária foi especialmente moldado à motorização refrigerada a ar de Fusca e Kombi.

Para celebrar o controverso retorno do automóvel mais popular do planeta, a Volkswagen encomendou à Sulam - que nos anos 1980, ao lado da Souza Ramos, foi uma das protagonistas na transformação de modelos originais - quatro Fuscas conversíveis.

"Itamar tinha uma estranha fixação em mimetizar Juscelino Kubitschek na sua inauguração da fábrica da Volkswagen, em 1959. Tanto que também pediu quatro conversíveis. O plano só foi atrapalhado por uma inusitada greve, dentro da fábrica, durante a inauguração da linha de montagem do Fusca 'Itamar', deixando espaço só para um Fusca cabriolet, o azulzinho, participar da festa. Um estranho capítulo que nem Freud explica", relembra Alexander Gromow.

Fusca conv Juscelino - Divulgação - Divulgação
Juscelino Kubistcheck, presidente do Brasil em 1959, acompanhado pelo governador de SP, Carvalho Pinto, e os presidentes da Volkswagen da Alemanha, Heinrich Nordhoff, e do Brasil, Friedrich Schultz-Wenk. Os quatro circularam dentro do Fusca conversível em São Bernardo do Campo (SP), na inauguração da fábrica-sede da VW
Imagem: Divulgação

De acordo com o ex-presidente do Fusca Clube do Brasil e autor dos livros Eu amo Fusca e Eu amo Fusca II, além do azul - que pouco depois fora comprado pelo ex-presidente e que hoje enfeita o acervo do Memorial da República Itamar Franco, na Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) - houve um preto, um branco e um vermelho (cujos destinos são desconhecidos).

Fusca Itamar - Acervo Memorial da República Presidente Itamar Franco - Acervo Memorial da República Presidente Itamar Franco
Imagem: Acervo Memorial da República Presidente Itamar Franco

Em 1996, três anos após a ressurreição, o Fusca deixaria novamente a linha de produção da fábrica da Volkswagen às margens da rodovia Anchieta, em São Bernardo do Campo.

Fusca Série Ouro - Divulgação - Divulgação
Fusca Série Ouro, de 1996
Imagem: Divulgação

Para a aposentadoria definitiva, a Volkswagen criou a Série Ouro: 1.368 exemplares diferenciados dos demais Fuscas "Itamar" por faróis auxiliares, lanternas escurecidas, logotipo nas laterais e a plaqueta "Fusca", na tampa do motor, em dourado. No interior, bancos com revestimento de Pointer GTI, volante de Gol, painel com fundo branco e vidros verdes.

Pois na sequencia da derradeira versão, que supostamente deveria encerrar a produção do Fusca, vieram mais cinco chassis: dois com carroceria original e três conversíveis. Se o Última Série teve seus mistérios, não seria o Sério Ouro a abrir mão dos seus.

Dono da TAM e ex da Volks

De acordo com o colecionador e pesquisador André Chun, eram todos brancos. Quanto aos conversíveis, aquele que doravante chamaremos de "Um" foi destinado a Rolim Amaro (1942 - 2001), então dono da TAM. "O Comandante Rolim era um entusiasta do modelo e acabou recebendo um desses pela boa relação comercial que sustentava com a Volkswagen, de onde encomendava muitos carros para a frota de sua empresa", explica Chun.

É uma pena que tenha tido seu motor original substituído por um 1.8 com injeção eletrônica, verdadeira heresia para os entusiastas do modelo. E o interior recebeu uma presunçosa forração em couro vermelho. Atualmente o carro pertence a um colecionador de São Paulo.

Já o "Dois" saiu da VW direto para a garagem de Pierre Alain de Smedt (1944 - 2019), ex-presidente da Autolatina e da Volkswagen do Brasil. Como o executivo seguiu para a Bélgica, onde nasceu, após deixar a empresa, é provável que o penúltimo Fusca esteja lá.

E o "Três" é da Volkswagen. Reside atualmente no acervo Garagem VW, que guarda raridades e exemplares históricos da fabricante.

Fusca conv acervo  - Divulgação - Divulgação
Fusca conversível, feito em 1996, repousa hoje no acervo de modelos históricos da Volkswagen
Imagem: Divulgação