PUBLICIDADE
Topo

Mora nos Clássicos

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Por que os 50 anos do Audi 80 são importantes para o mercado brasileiro

Conteúdo exclusivo para assinantes
Rodrigo Mora

O blog Mora nos Clássicos contará as grandes histórias sobre as pessoas e os carros do universo antigomobilista. Nesse percurso, visitará museus, eventos e encontros de automóveis antigos - com um pouco de sorte, dirigirá alguns deles também.

Colunista do UOL

18/06/2022 04h00

(SÃO PAULO) - Desde 23 de março de 1953, quando a Volkswagen estreou no Brasil, sua identidade ficou marcada por modelos de tração traseira e motor idem, refrigerado a ar. Parecia que aquela seria uma eterna característica da marca. Como um restaurante que só faz massas, ou outro especialista em carnes nobres, a Volkswagen era a marca dos carros a ar.

Assim como na Europa, era urgente para a Volkswagen do Brasil ter um carro mais moderno. Então, em sincronismo incomum na dinâmica da indústria nacional naqueles tempos, o Passat estreou por aqui pouco mais de um ano após o lançamento na Alemanha, em setembro de 1974.

Audi 80 LS 1972 - Divulgação  - Divulgação
Audi 80 LS 1972
Imagem: Divulgação

O impacto foi ainda maior pelo fato de a VW já ser a principal fabricante por aqui. Um carro de concepção moderna apresentado pela maior empresa brasileira não mexeria pouco com o mercado - virando objeto de desejo da classe média e até mesmo dos mais abastados, sempre acostumados com modelos mais luxuosos.

Audi 80 GTE - Divulgação  - Divulgação
Audi 80 GTE
Imagem: Divulgação

Seu desenho leva a assinatura do italiano Giorgetto Giugiaro, que captou como ninguém o espírito da Volkswagen naquele início dos anos 1970 - é dele também os traços das primeiras gerações de Golf, Jetta e Scirocco.

Audi 80 LS - Divulgação  - Divulgação
Audi 80 LS
Imagem: Divulgação

A estreia ocorreu apenas na versão duas portas, nas configurações L e LS, ambas equipadas com motor 1.5 de 65 cv. Havia freios a disco nas rodas dianteiras, suspensão McPherson na frente e de eixo semirrígido na traseira. Tratava-se de uma revolução para o consumidor habituado com os Volkswagens da época.

Audi 80 raio x - Divulgação  - Divulgação
Raio-X do Audi 80
Imagem: Divulgação

Tudo isso para dizer que o Audi 80, da costela de quem o Passat saiu, completa 50 anos. Dividido entre as gerações B1, B2, B3 e B4, a partir de 1994 o codinome não referiria mais ao 80, e sim ao A4.

Somando todas as fases, da B1 à B9 (a quinta geração do A4), são mais de 12,5 milhões de unidades vendidas.

Audi 80 GTE - Divulgação  - Divulgação
Audi 80 GTE
Imagem: Divulgação