PUBLICIDADE
Topo

Mora nos Clássicos

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Encontro do Sambódromo deixa Anhembi; SP Turis cobra R$ 500 mil de aluguel

Rodrigo Mora

O blog Mora nos Clássicos contará as grandes histórias sobre as pessoas e os carros do universo antigomobilista. Nesse percurso, visitará museus, eventos e encontros de automóveis antigos - com um pouco de sorte, dirigirá alguns deles também.

Colunista do UOL

20/03/2021 07h00

(SÃO PAULO) - Um dos encontros de veículos clássicos mais tradicionais de São Paulo, o AutoShow Collection deixará o Sambódromo do Anhembi após um ano de recesso, imposto pela pandemia de Covid-19.

"Tínhamos feito o calendário com os clubes. Estavam na agenda a Noite do Opala, Noite do Fusca, Noite da Autolatina, Noite do Jeep, entre outros. Mas nem conseguimos estrear", lamenta Eduardo Ribeiro, diretor da Matel Produções, organizadora do evento.

Realizado desde 2002 no emblemático cartão postal da cidade, o evento seguirá para o vizinho Expo Center Norte quando (e se) a capital alcançar a fase verde do combate à pandemia. Por ora, não há previsão de retorno.

Lá no Expo Center Norte se realiza desde outubro o Feirão AutoShow, também da Matel, dedicado a compra e venda de veículos.

Clássicos Anhembi  - Divulgação  - Divulgação
Encontro da linha Opala no Sambódromo, durante AutoShow Collection
Imagem: Divulgação

Contudo, a mudança de endereço não apenas abandona uma marca registrada do evento, como também é acompanhada de um imbróglio jurídico entre a Matel e a SPTuris, administradora do Anhembi - a primeira reclama que a segunda quebrou o contrato de uso do espaço, que expiraria apenas em abril de 2022, e que cobrou indevidamente seis meses de aluguel.

"A SP TURIS só veio a responder a notificação de rescisão do Contrato no dia 22 de setembro de 2020, totalmente fora do prazo previsto na cláusula 10.1 (doc. 18), fingindo-se de morta em relação aos fatos expostos pela MATEL e insistindo na esdrúxula cobrança dos alugueres correspondentes aos meses de paralisação impostos pela pandemia do novo coronavírus (abril, maio, junho, julho, agosto e setembro), no delirante valor de R$ 576.220,22", diz a petição inicial à que esta coluna teve acesso.

A empresa oficial de turismo e eventos da cidade retruca:

"Em razão da pandemia da Covid-19, o último evento foi realizado em março de 2020. Ocorre que, enquanto ainda se negociava a adequação (tanto comercial quanto operacional) da feira à realidade pandêmica, a SPTuris foi surpreendida, em outubro de 2020, por notícias veiculadas pela imprensa de que a Matel transferiria a feira para outro local e, na mesma oportunidade, ajuizou demanda judicial objetivando a rescisão contratual. A SPTuris lamenta a forma a adotada, pois são 42 anos de relação com a organizadora Matel, e a melhor solução seria uma saída consensual. A SPTuris também discute judicialmente os prejuízos causados pela inesperada saída, assim como os débitos pendentes".

E a Matel devolve:

"Temos dez notificações extrajudiciais pedindo para renegociar os aluguéis. Em agosto ficou acertado que pagaríamos o valor mínimo do aluguel, só faltava um ok da SP Turis. Mas, nada de resposta", contesta Ribeiro.

Enquanto Matel e SP Turis brigam na Justiça, a GL Events ensaia a assinatura de contrato que lhe concederá o uso do Anhembi. O que a nova detentora do espaço fará ali é desconhecido.

Clássicos no Anhembi novamente? A ver.