PUBLICIDADE
Topo

Coisa de Meninos Nada

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Diesel: quais os melhores tipos para o seu carro e o que muda com aditivo

Thais Roland

Thais Roland é técnica em Manutenção Automotiva e apaixonada pela graxa. Com seu canal no YouTube 'Coisa de Meninos Nada', busca informar, orientar e dar suporte em relação a dúvidas e neuras sobre o mundo dos carros

Colunista do UOL

30/03/2021 04h00

Nossa série sobre combustíveis não estaria completa se não falássemos sobre o diesel. São várias as caminhonetes, utilitários e SUVs que usam esse tipo de combustível - e ele é repleto de dúvidas e mitos.

Acho legal começarmos essa conversa diferenciando o diesel do biodiesel. O primeiro tem origem no petróleo, enquanto o segundo é obtido através de óleos vegetais e gordura animal. Hoje, o diesel comercial brasileiro é uma mistura de diesel e biodiesel - a proporção do segundo na mistura é de 13%

O diesel mais comum encontrado nos postos, hoje, é o chamado S10, que tem ultra baixo nível de enxofre. Sua grande vantagem é a estabilidade no tanque de estocagem, mas a retirada do enxofre leva junto alguns outros componentes que resultam, principalmente, em baixa lubricidade e aumento da tendência ao crescimento de bactérias (que pode causar corrosão).

O biodiesel, por sua vez, é mais instável no tanque, o que propicia a formação de borra. Mas tem boa lubricidade, então, ter uma porcentagem de biodiesel no diesel comum ajuda a resolver esse problema de lubricidade do S10.

Talvez aqui seja importante ressaltar que o biodiesel não é o único culpado pela formação de borra, mas pode potencializar esse problema do combustível quando misturado ao diesel. Isso significa que é uma péssima ideia deixar o carro desligado por muito tempo. Em um mês com o combustível parado no tanque, pode ser que você já não consiga dar a partida nele.

Essa aula toda me foi dada pela Clara Simões, especialista em combustíveis da Innospec e ProD Aditivos, empresa que aditiva o diesel da rede Ipiranga no Brasil e da Shell no mundo todo. Conversei com ela justamente para entrarmos no mérito dos aditivos, e descobri que aqui, mais que em qualquer outro combustível, a aditivação faz uma super diferença.

Clara explica que os motores diesel evoluíram, mas o combustível nem tanto, e que são os aditivos que resolvem diversos problemas desse desequilíbrio.

O aditivo no diesel consegue reestabelecer o consumo de combustível em até 4% (depende da condição do seu veículo), reduzir a emissão de fuligem pelo motor e até aumentar a vida útil do óleo lubrificante, além de manter os bicos dos injetores e todo o sistema de combustível mais limpo, estendendo a vida útil do filtro de combustível. Isso significa uma vantagem no aumento dos prazos de manutenção.

Ela também comentou sobre a possibilidade de um aditivo melhorador de cetano, que melhora a queima e garante potência e menos emissão de fumaça nos veículos, transformando esse diesel em um produto premium e superior.

Clara me mostrou um estudo promovido pela Innospec que demonstrou a eficiência do diesel aditivado, em comparação com o comum ao longo de um ano, em que o diesel sem aditivo perdia a estabilidade a partir do quarto mês, enquanto os aditivos a garantiam ao longo de todo o período.

Para fechar, conversamos sobre o diesel S500, ou diesel vermelho, que ainda pode ser encontrado em alguns postos do interior. Tem gente que anda espalhando por aí que carro novo não pode usar esse combustível, que tem que ser o S10, mas não é uma regra.

O diesel S500 pode causar alguns problemas nos catalisadores de carros novos, porém... A não ser que o manual do seu carro explicite que você só pode usar diesel de baixo teor de enxofre, caso do S10, você pode abastecê-lo com o S500 se essa for sua única alternativa - e se prepare para ver mais fumaça saindo pelo escapamento.

Mais um motivo para eu ressaltar a importância da leitura do manual do proprietário.

Pronto! Agora você já sabe que pode escolher gasolina ou etanol para o seu carro flex e que precisa consultar o manual da sua caminhonete para descobrir se ela pode ou não usar diesel vermelho. Mas, principalmente, sabe que qualquer combustível será mais vantajoso para o seu carro se for aditivado.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL