PUBLICIDADE
Topo

Carnaval no Rio: Relatório aponta 80% de vacinados para festa segura

Foliões no desfile do Cordão do Bola Preta, um dos blocos mais tradicionais do Rio, em 2020 - Fotoarena/Estadão Conteúdo
Foliões no desfile do Cordão do Bola Preta, um dos blocos mais tradicionais do Rio, em 2020 Imagem: Fotoarena/Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

10/10/2021 20h07

Um relatório escrito por especialistas sugere uma série de indicadores como métrica para a realização do Carnaval de 2022 na cidade do Rio de Janeiro De acordo com o texto, a festa só poderá acontecer de forma segura caso 80% da população esteja completamente vacinada, ou seja, com as duas doses ou dose única das vacinas contra a covid-19.

Atualmente, segundo dados do boletim epidemiológico da última sexta-feira (8), somente 57,6% da população total do município está completamente protegida. No estado, são cerca de 43%. A análise explica, também, que não é simples estimar quando esse percentual será alcançado, principalmente por conta das incertezas sobre a entrega de vacinas.

Assinado por pesquisadores da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) e da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), o texto levanta outros pontos de atenção justamente na semana em que a prefeitura da cidade anunciou a possibilidade de as festas de Réveillon e Carnaval acontecerem sem a obrigação do uso de máscara ou do distanciamento social.

O relatório do pneumologista Hermano Castro e do epidemiologista Roberto Medronho, foi feito enviado à Secretaria Municipal de Saúde após a audiência pública "Vai ter Carnaval em 2022?", realizada na Câmara. O presidente da Comissão, Tarcísio Motta (PSOL) pediu que o mesmo seja encaminhado aos membros do Comitê Científico da prefeitura para avaliação.

Os outros quatro critérios levantados como essenciais para garantir a segurança sanitária da cidade antes, durante e depois do período carnavalesco são:

  1. Atendimento na rede municipal de saúde: média móvel semanal menor que 110 casos de Síndrome Gripal e Síndrome Respiratória Aguda Grave (1,63 casos por 100.000 habitantes);
  2. Tempo de espera e quantidade de casos de síndrome respiratória aguda grave (SRAG) na fila para internação no município: fila de espera de três pessoas por dia, com um tempo de espera que não deve ultrapassar de uma hora;
  3. Porcentagem de testes diagnósticos positivos no município: testes positivos (RT-PCR ou Ag) durante os últimos 7 dias menor do que 5%; e
  4. Taxa de contágio da cidade do Rio de Janeiro: valor de R < 1 (ideal 0,5) por um período de pelo menos 7 dias;

Debate com a população

Além dos indicadores de atenção, os especialistas também sugeriram que seja realizado um amplo debate com a população. Para eles, é essencial discutir os dilemas éticos de realizar a festa, além de entender qual o risco as pessoas estão dispostas a assumir pelo evento.

O relatório também reconhece os benefícios de realização do Carnaval, tanto para a economia, quanto para a saúde mental da população que "por vários meses manteve-se confinada".

"Essa discussão transcende em muito os dados quantitativos oferecidos pelos indicadores. Ela é essencialmente ética", argumentam. E completam: "Por outro lado, há grande incerteza sobre os riscos inerentes ao evento. Por isso, é fundamental uma discussão franca com toda a sociedade para que os riscos e benefícios da decisão da realização do carnaval sejam assumidos por todos."