PUBLICIDADE
Topo

Rio de Janeiro

Após "bater na trave" por 5 anos, compositores celebram samba da Beija-Flor

Soninha Capeta, eterna rainha de bateria da Beija Flor, Diogo e Bacaninha, compositores da escola - Carolina Farias/UOL
Soninha Capeta, eterna rainha de bateria da Beija Flor, Diogo e Bacaninha, compositores da escola Imagem: Carolina Farias/UOL

Carolina Farias

Colaboração para o UOL, no Rio

14/02/2018 19h01

Por cinco anos a dupla de compositores Diogo Oliveira, 26, e Bacaninha Beija-Flor bateram na trave na disputa pelo samba enredo da escola de Nilópolis. Esse ano foi diferente. Eles venceram a disputa e ainda arremataram o título para a escola de Nilópolis.

"Sempre ficamos como vice. Esse ano fomos abençoados a com a vitória do samba e o título. O samba ainda foi último quesito, de desempate e ainda tirar 40 (nota) e decidir", disse Diogo, emocionado com a vitória.

Bacaninha que canta o samba também no carro de som declarou que "desfalcou" a escola no meio do desfile. "Não consegui mais cantar do meio para frente. Chorava muito. Todos compositores de Carnaval queriam ver o que eu vi. O samba parar e a Sapucaí continuar cantando", disse Bacaninha, que também é cantor e irmão da Rainha Rayssa.

Diogo afirmou que não foi difícil pensar na letra do samba que ficou na boca do povo.

"Foi fácil, só juntamos tudo o que está acontecendo no país", afirmou.