PUBLICIDADE
Topo

Rio de Janeiro

Menos tapa-sexo e mais marquinha: os trajes das musas e rainhas da Sapucaí

Rainha Viviane Araújo brilhou à frente da bateria do Salgueiro com uma fantasia de rainha-faraó - Marco Antônio Teixeira/UOL
Rainha Viviane Araújo brilhou à frente da bateria do Salgueiro com uma fantasia de rainha-faraó Imagem: Marco Antônio Teixeira/UOL

Liane Rosa

Colaboração para o UOL, no Rio

13/02/2018 14h47

Érika Bronze, a mentora do bronzeamento de fita, deve estar orgulhosa. Com os tapa-sexos em baixa, a "tendência" do Carnaval das musas e rainhas foi a marquinha de biquíni. Sabrina Sato, Raíssa Oliveira (Beija Flor), Evelyn Bastos (Mangueira), Fernanda Souza (União da Ilha), Viviane Araújo e sua arqui-rival Gracyanne Barbosa exibiram as suas.

Sempre à frente, Vivi veio com uma ousada marquinha desenhada, que aparecia por trás do comportado sutiã de paetês gigantes. A rainha do Salgueiro lidera a enquete do UOL de musa que mais brilhou na Sapucaí.

No quesito parte debaixo, o Sambódromo viu brilhar neste ano o triquíni, nomenclatura para a traseira com um triangulozinho finalizando o fio-dental. Sutilezas tão pequenas quanto os tapas-sexos, em desuso atualmente. Nove entre dez, investiram no triquíni: Viviane, Sabrina, Bianca Monteiro...

Na baixa do tapa-sexo, Juju Salimeni, Andrea Martins e Rosi Barreto foram as poucas adeptas.

Juju Salimeni desfilou de tapa-sexo: "Não sei o tamanho do meu" - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Juju Salimeni desfilou de tapa-sexo: "Não sei o tamanho do meu"
Imagem: Reprodução/Instagram
“Não sei o tamanho do meu, acho ele até grande demais, mas é confortável, não machuca." E se ele cair? A modelo também tem a resposta. "Sou da opinião que só cai com quem quer que caia. A cola usada deixa impossível de cair", disse Juju, cujo traje incluiu apenas proteção para os mamilos, popularizados dentro e fora do Sambódromo. Cleo Pires que o diga.

Andrea Martins, que tinha como objetivo usar o "menor tapa-sexo" da avenida, diz ter certeza que a micropeça não cai: “Não tem perigo. Fica sempre no lugar. Neste ano, escolhi um de látex, menor, de 2,5cm. Permite uma aderência maior ao corpo”. Para cobrir o resto, ela usa pintura. “Sou musa das pinturas. Tenho confiança no meu corpo então por que não fazer?”

Outra pelada da vez foi Rose Barreto. Destaque da Ilha do Governador e integrante da escola há dois anos, a carnavalesca que há 17 desfila na avenida informa que se sente muito bem com a pouca roupa: “O tapa-sexo é a melhor coisa, em nada incomoda. Garanto que é muito confortável". Para exibir o corpo e não fazer feio no dia, ela garante que se dedica à malhação. “Para manter este corpo, muito treinamento sério.”