PUBLICIDADE
Topo

Rio de Janeiro

Tijuca supera pior momento com o deboche dos personagens de Falabella

As muitas Facetas de Miguel Falabella tomam a Sapucaí no desfile da Unidos da Tijuca - Júlio César Guimarães/UOL
As muitas Facetas de Miguel Falabella tomam a Sapucaí no desfile da Unidos da Tijuca Imagem: Júlio César Guimarães/UOL

Do UOL, no Rio

12/02/2018 23h04

A Unidos da Tijuca entrou na avenida tentando superar um dos piores momentos de sua história. O desabamento da parte superior de um dos carros alegóricos, durante o desfile de 2017, deixou mais de 20 feridos e comprometeu totalmente seu desfile.

A tradicional escola saiu daquele Carnaval com a imagem arranhada e o iminente rebaixamento para o Grupo de Acesso cancelado por conta do acidente.

Foi nesta inusitada situação que a escola entrou na avenida com certo deboche e reverência ao ator, diretor e dramaturgo Miguel Falabella.

A escola abriu o segundo dia de desfiles da Sapucaí espalhando cores e deboche, inspirado nos trabalhos do artista. O resultado foi um desfile que fez vibrar toda a arquibancada.

As baianas, por exemplo, vieram vestidas de noiva, adornadas com uma coroa de flores, em referência a série “As Noivas de Copacabana”, protagonizado por Falabella em 1992.

À frente da bateria, com os ritmistas vestidos de Caco Antibes, a atriz Marisa Orth reviveu seu papel de Magda, personagem do sitcom “Sai de Baixo”.

No carro “Máquina de Fazer Doido”, os seriados mais célebres foram relembrados, com a presença do elenco original. A cantora Mart'nália, que participou de “Pé na Cova”, era uma das mais animadas – ela também assina o enredo “Um coração urbano: Miguel, o arcanjo das artes, saúda o povo e pede passagem”.

Para que o homenageado pudesse ver todo o desfile, a escola deixou o carro que fecha o desfile embaixo do viaduto do sambódromo até o momento da entrada.

Emocionado, Falabella não conteve as lágrimas ao entrar na Sapucaí acompanhado de familiares e amigos, como as atrizes Arlete Salles, Stella Miranda, Aracy  Balabanian, Zezé Polessa e Cissa Guimarães.

“Me homenagear de certa forma é homenagear quem veio antes de mim, quem está comigo e quem vem depois”, disse, ao ser entrevistado após o desfile. “Quantos anos vividos aqui na Sapucaí! Minha alma está em festa”