Topo

Tudo sobre Diabetes

Sintomas e tratamentos da doença


Tudo sobre Diabetes

Antidepressivos reduzem risco de morte em pessoas com diabetes e depressão

Por melhorar a coagulação do sangue, os antidepressivos evitam problemas relacionados ao diabetes como infarto e AVC - iStock
Por melhorar a coagulação do sangue, os antidepressivos evitam problemas relacionados ao diabetes como infarto e AVC Imagem: iStock

Do UOL VivaBem

14/07/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Pessoas com diabetes têm maior risco de desenvolver depressão, mas nem todas tratam a doença mental quando a desenvolvem
  • Um estudo observou que o uso de antidepressivos por diabéticos reduz o risco de morte por consequências da alteração metabólica
  • Isso acontece pois esses medicamentos melhoram a coagulação do sangue e a inflamação no organismo, que podem gerar infarto e AVC

O uso de antidepressivos ainda gera discussões no tratamento de doenças mentais. No entanto, uma análise realizada por cientistas do Taiwan comprovou que em pacientes com diabetes e depressão esse tipo de remédio pode reduzir o risco de morte provocada por consequências da alteração metabólica.

De acordo com o estudo, ter diabetes pode aumentar de duas a três vezes as chances de uma pessoa desenvolver depressão. Mas apenas 25% a 50% delas recebem o tratamento necessário para essas condições, tendo altos índices de mortalidade.

Desta maneira, Vincent Chin-Hung Chen, da Universidade de Chang Gung, no Taiwan, iniciou uma investigação para entender o funcionamento do antidepressivo no organismo de um diabético. O resultado foi positivo.

Ao analisarem os pacientes, observou-se que o consumo de altas doses de antidepressivo foi relacionado a 35% da redução de mortalidade quando comparado aos que tomam menores doses.

Como foi feito o estudo

  • Os cientistas de Twain usaram a base de dados nacionais do país. Desde 2000, foram diagnosticados 53.412 casos de pessoas com diabetes e depressão. Esses casos foram acompanhados até 2013, para a avaliação de suas taxas de mortalidade.
  • Entre as pessoas estudadas, 50.532 faziam o uso de antidepressivos, sendo divididas em três grupos: as que tomavam pequenas, médias e altas doses diárias do medicamento.
  • Quando chegaram aos resultados finais, os cientistas se depararam com números surpreendentes: uma taxa de 1.926,7 mortes a cada 100,000 pessoas/ano entre os que tomavam doses menores e 1.113,7 entre os que tomavam doses maiores.
  • Também foi observado que o grupo de maior risco é composto por homens de classe social baixa, moradores da área rural e com uma depressão severa.

Quais medicamentos tiveram efeito positivo?

Após a análise populacional, o grupo passou a olhar mais de perto as diferentes categorias dos medicamentos. Antidepressivos inibidores da recaptação de serotonina, norepinefrina-dopamina e norepinefrina-derotonina tiveram bons resultados, assim como mirtazapina, tricíclicos e trazodona.

Por outro lado, os inibidores reversíveis de monoamina oxidase tipo A (IRMAs) podem aumentar duas vezes as chances de óbito --entre os pacientes que tomavam altas doses dessa substância, aconteceram 50% mais mortes do que os demais.

Como o antidepressivo ajuda no diabetes?

É claro que para tudo há uma explicação. O estudo sugere que antidepressivos são responsáveis por melhorar a coagulação do sangue e diferentes tipos de inflamações.

De acordo com a Associação Americana do Coração, especializada em cuidados cardíacos, 80% das mortes de diabéticos são relacionadas a complicações de coagulação, como infarto e AVC.

Por que a descoberta é importante?

A OMS (Organização Mundial da Saúde) aponta o diabetes como uma das principais causas de morte do mundo. Além disso, a depressão é classificada como o transtorno mental mais incapacitante, tendo crescido 18% nos últimos dez anos, ainda segundo a OMS.

Claro que o estudo conta com algumas limitações e novas pesquisas devem ser feitas: foram comparadas, por exemplo, apenas pessoas residentes em Taiwan e que tomavam altas ou baixas doses de antidepressivos, não contando com pacientes que sequer faziam uso dessas substâncias.

SIGA O UOL VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
Facebook - Instagram - YouTube

Tudo sobre Diabetes