PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Bactéria do intestino é um dos gatilhos das doenças autoimunes

Vacina contra um tipo específico de bactéria do intestino diminuiu a resposta autoimune em camundongos - iStock
Vacina contra um tipo específico de bactéria do intestino diminuiu a resposta autoimune em camundongos Imagem: iStock

Do VivaBem

08/04/2018 14h50

As doenças autoimunes, caracterizadas pela formação de anticorpos que agem contra os próprios tecidos do organismo, chegam silenciosamente e, em pouco tempo, mudam drasticamente a vida da pessoa, que passa a fabricar substâncias nocivas para seu próprio organismo. E o anticorpo, que é um mecanismo de defesa, passa a ser um mecanismo de autoagressão. 

Há motivos, no entanto, para os portadores de doenças do tipo, como o lúpus, se animarem. Um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, descobriu uma das causas que provoca o aparecimento da doença, assim como sugeriram novas promessas de tratamentos.

Leia também:

A pesquisa publicada pela revista Science mostrou que as reações autoimunes estão intimamente relacionadas a uma tipo de bactéria do intestino, a Enterococcus gallinarum. De acordo com os cientistas, uma resposta autoimune pode ser deflagrada quando a bactéria migra, espontaneamente, do intestino para outros órgãos do corpo, como o baço, fígado e os gânglios linfáticos.

Pontinhos alaranjados são a presença da bactéria Enterococcus gallinarum no fígado dos animais  - Divulgação/Yale - Divulgação/Yale
Pontinhos alaranjados são a presença da bactéria Enterococcus gallinarum no fígado dos animais
Imagem: Divulgação/Yale
Durante o estudo, os pesquisadores modificaram ratos geneticamente para serem mais suscetíveis a doenças autoimunes. Eles, então, analisaram as bactérias do intestino dos animais para identificar aquelas que mais causaram inflamação ou estavam envolvidas na produção de anticorpos conhecidos por promover respostas autoimunes. A responsável foi a E. gallinarum.

Os resultados foram confirmados quando os especialistas compararam células hepáticas em cultura de pessoas saudáveis ??com a de pessoas com uma doença autoimune. E encontraram vestígios de E. gallinarum no último grupo.

Cientistas conseguiram controlar as respostas autoimunes nos ratos

Além de identificaram a bactéria do intestino que causava este tipo de inflamação, os pesquisadores de Yale ainda encontraram um método efetivo de diminuir os sintomas da doença. A equipe descobriu que poderia suprimir a autoimunidade em camundongos com antibiótico ou com uma vacina específica destinada à bactéria E. gallinarum. Com ambas as abordagens, os pesquisadores conseguiram suprimir o crescimento da bactéria nos tecidos do corpo e atenuar seus efeitos no sistema imunológico.

“A vacina contra o E. gallinarum [administrada por meio de injeção no músculo] foi uma abordagem diferente, já que as vacinas contra outras bactérias que investigamos não impediram a mortalidade da bactéria nem a autoimunidade”, observou Martin Kriegel, principal autor do estudo.

De acordo com ele, os resultados têm relevância para o tratamento do lúpus sistêmico e da hepatite autoimune. "O tratamento com um antibiótico e outras abordagens, como a vacinação, são formas promissoras de melhorar a vida de pacientes com doença autoimune", complementou Kriegel.

Saúde