PUBLICIDADE

Topo

Blog da Sophie Deram

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Comer junto com colegas influencia nossas escolhas alimentares, diz estudo

iStock
Imagem: iStock
Conteúdo exclusivo para assinantes
Sophie Deram

Sophie Deram é uma nutricionista franco-brasileira, autora do best-seller ?O Peso das Dietas?, palestrante, pesquisadora e doutora pela Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo) no departamento de endocrinologia. Defende a importância do prazer de comer para a saúde e a ideia de comer melhor e não menos. Sophie não acredita nas dietas restritivas e no ?terrorismo nutricional?. Desenvolve programas online para transformar a relação das pessoas com comida e ensina profissionais de saúde sobre nutrição que alia ciência e consciência.Leia mais no site da Sophie Deram: https://www.sophiederam.com/br/

Colunista do UOL

26/05/2021 04h00

Não adianta pensar que você decide totalmente sobre o que come. Muitas das escolhas alimentares acontecem sem que percebamos e sofrem influências biológicas, econômicas, comportamentais, culturais e sociais.

Quanto a estas últimas, as questões sociais, pouca atenção tem sido dada nas pesquisas científicas. No entanto, um estudo do Hospital Geral de Massachusetts (EUA), publicado recentemente na revista Nature Human Behavior, indica que nossas escolhas alimentares são muito semelhantes às dos nossos colegas de trabalho, de modo que as pessoas com quem comemos podem ser tão importantes quanto os alimentos que consumimos.

Os círculos sociais influenciam as escolhas? Ou pessoas com estilos de vida semelhantes tendem a comer juntas?

As pesquisas anteriores sobre a influência social das escolhas alimentares, em geral, são experimentos que acontecem em ambientes altamente controlados. Já esta pesquisa analisou dados de 6.000 funcionários do Hospital Geral de Massachusetts com diferentes faixas etárias e níveis socioeconômicos e que compravam refeições juntos no local de trabalho durante os anos de 2015 e 2016.

O objetivo foi investigar a influência social dos colegas de trabalho nas escolhas alimentares saudáveis. Para isso, os alimentos vendidos nos sete refeitórios do hospital foram classificados a partir de uma rotulagem de "semáforos" em saudáveis (verdes), menos saudáveis (amarelos) e não saudáveis (vermelhos).

Essa rotulagem contribuiu para os pesquisadores observarem semelhanças e diferenças nas escolhas alimentares das pessoas. Além disso, os funcionários do hospital usavam cartões de identificação para realizar compras nos refeitórios, tornando possível a coleta de dados sobre compras específicas de alimentos, horários e local.

Como a intenção era entender a influência social das escolhas alimentares, os pesquisadores deduziram os círculos sociais dos participantes ao examinar o intervalo de tempo em que duas pessoas compravam comida, com que frequência essas duas pessoas comiam ao mesmo tempo e se elas visitavam lanchonetes diferentes juntas.

Isso porque eles consideraram que duas pessoas que realizam compras com pouco tempo de diferença (2 minutos, por exemplo), têm maior probabilidade de se conhecerem do que aquelas que compram com intervalos de tempo maiores.

Os pesquisadores queriam determinar se as relações sociais influenciam as escolhas e o comportamento alimentares, ou se, na verdade, as pessoas com estilos de vida e gostos semelhantes tendem a se tornar amigas e comerem juntas.

Tendo como base os dados de 3.771.714 encontros entre duplas de funcionários, os resultados sugeriram que as pessoas que iam juntas ao refeitório tendiam a fazer escolhas alimentares parecidas. Ou seja, participantes que compravam alimentos considerados não saudáveis pareciam influenciar seus colegas de trabalho a escolherem o mesmo tipo de alimento, o que também valeu para os alimentos saudáveis.

Por que as pessoas com quem comemos juntas influenciam nossas escolhas?

Com isso, os pesquisadores concluíram que somos levados a espelhar as escolhas alimentares de outras pessoas do círculo social. Mas por que isso acontece?

Uma possível explicação é a pressão dos colegas. As pessoas podem mudar seu comportamento alimentar e fazer determinadas escolhas para estreitar laços com alguém e se sentirem aceitas. Os pesquisadores também acreditam ser possível que os colegas de trabalho exerçam alguma pressão sobre os outros para que comam alimentos classificados como saudáveis ou os deixe à vontade para fazerem escolhas consideradas não saudáveis.

O estudo também aponta que esses resultados podem contribuir para compreender a presença do excesso de peso em círculos sociais, pois pesquisas anteriores mostram que a obesidade e as doenças crônicas podem se disseminar entre pessoas socialmente conectadas pela imitação de certos comportamentos.

Os pesquisadores sugerem, ainda, ações de saúde pública, como a oferta, nos estabelecimentos que fornecem comida, de dois alimentos saudáveis pelo preço de um. Ou induzir pessoas influentes a modelar escolhas alimentares mais saudáveis em um círculo social.

Devo me afastar de círculos sociais que não comem "saudável"?

Não podemos escolher nossos colegas de trabalho e nem sempre é possível determinar com quem comemos. Além disso, afastar-se de alguém que não faz boas escolhas alimentares não parece uma atitude muito apropriada, nem amigável.

Em vez disso, podemos focar na nossa própria alimentação, comer melhor, buscar uma relação de paz com a comida e com o corpo e, quem saber, influenciar as pessoas ao nosso redor a terem atitudes semelhantes, sem neuras nem terrorismo nutricional.

Para isso, separei três dicas para colocar em prática enquanto você come junto com seus colegas de trabalho ou familiares e amigos.

1. Comer mais comida caseira e fresca

Planeje suas compras; quando for ao mercado compre mais alimentos in natura; adote o hábito de cozinhar mais e coma com prazer.

Cozinhar demanda planejamento, mas de uma vez só você pode fazer comida para a semana e mantê-la congelada. Assim, terá comida caseira sempre disponível. Já pensou que levar uma marmita para o trabalho pode influenciar os seus colegas?

Mas também não se preocupe demais. Mesmo que não dê para cozinhar, é possível fazer boas escolhas alimentares em locais que fornecem comida caseira, como os restaurantes por quilo.

2. Comer com atenção plena

Juntos ou sozinhos, deveríamos ter o hábito de comer com atenção plena. Isso quer dizer estar presente no momento das refeições, conscientes das necessidades do nosso corpo e atentos aos alimentos, fazendo uso de todos os sentidos: visão, paladar, olfato, tato e audição. Comemos com os olhos, sentimos os sabores, texturas, odores e até mesmo os sons que a comida faz na nossa boca.

Realizar as refeições em ambientes adequados, limpos e tranquilos também pode contribuir bastante para comer com atenção plena, para o bem-estar e para a saúde. Evite fazer outras coisas enquanto come. Que tal desligar a televisão e deixar o celular de lado?

3. Aproveitar a companhia dos colegas, amigos e familiares

Minha sugestão final é que você aproveite a companhia das pessoas, sejam colegas de trabalho, amigos ou familiares, para conversar e interagir.

Lembre-se que não é adequado fiscalizar o prato alheio e evite fazer julgamentos sobre o que você próprio está comendo. Nesse momento, deixe a culpa de lado!

Por fim, ao final da refeição, envolva as outras pessoas nas tarefas domésticas, como lavar a louça, limpar e organizar o ambiente.

Bon appétit!

Sophie Deram

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL