PUBLICIDADE

Topo

Paola Machado

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Estou resfriado: tudo bem fazer exercícios ou é melhor descansar?

iStock
Imagem: iStock
Conteúdo exclusivo para assinantes
Paola Machado

Paola Machado é formada em educação física, mestre em ciências da saúde (foco em fisiologia do exercício e imunologia) e doutora em ciências da saúde (foco em fisiopatologia da obesidade e fisiologia da nutrição) pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). Atualmente, atua como pesquisadora, desenvolvendo trabalhos científicos sobre exercícios, nutrição e saúde. CREF: 080213-G | SP

Colunista de VivaBem

20/05/2022 04h00

Com a chegada do frio é comum muitas pessoas ficarem resfriadas. E como fica o treino quando fica doente?

Antes de qualquer coisa, é importante procurar um médico para saber se o que você tem é só um resfriado, covid-19 ou uma gripe. Após isso, mesmo que não esteja infectado pelo coronavírus, tenha em mente que doenças respiratórias podem ser facilmente transmitidas, especialmente em locais fechados. Então, se você estiver tossindo, espirrando ou com coriza, por exemplo, seja consciente e pense nas outras pessoas, não vá para a academia e faça exercícios em um local aberto.

Agora vamos a questão se é melhor treinar ou repousar... Quando estamos resfriados, é comum nos sentirmos cansados, com fadiga. Isso ocorre pois o organismo está usando energia extra para combater o vírus. Isso pode suprimir a energia para o exercício. Então, saiba que você vai precisar treinar leve. Mantenha expectativas realistas para seu desempenho —não se cobra mais do que o seu organismo pode oferecer neste momento.

As recomendações do Colégio Americano de Medicina Esportiva (ACSM) são que pessoas com sinais e sintomas "do pescoço para cima" e regressivos podem ser liberadas para a prática de exercícios físicos de curta duração e de intensidade leve —pois atividades longas ou intensas afetam temporariamente a imunidade.

Você pode treinar se tiver esses sintomas

- Dor de ouvido leve Tudo bem se exercitar de forma leve ou moderada. Porém, o acúmulo de fluido atrás da orelha pode afetar seu equilíbrio e é adequado que evite atividades que introduzam mais fluido no ouvido, como nadar.

- Nariz entupido (congestão nasal) O desempenho no exercício depende e um bom aporte de oxigênio. Com o nariz entupido, essa tarefa fica mais difícil. Por isso, observe seu nível de esforço e reduza o ritmo caso tenha dificuldade em respirar e fique muito ofegante —vale lembrar que a percepção de esforço fica comprometida quando estamos resfriados.

Dor de garganta É um incômodo, mas geralmente não impede que você pratique exercício de forma leve. O importante é manter-se hidratado e ingerir líquidos com frequência, para ajudar a aliviar a dor de garganta.

ATENÇÃO: se alguns desses sintomas forem mais "chatinhos" e não estão diminuindo, não vá treinar e fique de repouso pois, além de seu desempenho ser totalmente afetado e você colocar outras pessoas em risco, seu organismo precisa de energia e repouso para se recuperar.

Não vá treinar se tiver estes sintomas

- Febre De acordo com o CDC, a maioria dos resfriados leves não causa febre. Entretanto, quando seu organismo está combatendo o vírus, pode desencadear um quadro febril bem baixa. Portanto, a sua temperatura do corpo estará mais alta do que o normal e irá aumentar ainda mais com o exercício, o que não é uma boa ideia. Por isso, espere sempre a febre passar para voltar a treinar.

- Tosse úmida Ela significa que estamos produzindo muco. Exercitar-se com uma tosse úmida dificultará seu treino, reduzirá seu desempenho e poderá sobrecarregar ainda mais seus pulmões e coração, podendo aumentar o risco de complicações cardiovasculares.

- Problemas estomacais Em geral, quando você tem sintomas de resfriado que ocorrem abaixo do pescoço, como congestão no peito, dor no peito ou sintomas estomacais, é melhor repousar e procurar um médico para realizar o tratamento adequado. Assim, só volte ao exercício quando se sentir melhor.

Como já expliquei, o exercício muito intenso e/ou de longa duração pode aumentar as demandas energéticas do corpo e até deprimir/suprimir temporariamente o sistema imunológico. Por esse motivo, o treinamento excessivo ou exercícios repetidos ao longo do dia não são uma boa estratégia quando você está resfriado, mesmo que o quadro seja leve.

Quando estiver resfriado e sem sintomas que o impeçam de treinar, concentre-se em fazer exercícios leves, apenas para não perder tudo aquilo que já conquistou no seu treinamento, mas que não piorem seus sintomas. Você pode realizar, por exemplo, exercícios aeróbicos de baixo impacto (bike ou caminhada) e musculação leve.

Como resfriados e congestão nos ouvidos e nariz podem afetar seu equilíbrio, tome cuidado ao realizar exercícios que exijam equilíbrio ou posições de cabeça para baixo, como ioga.

O mais importante é que você saiba dos seus limites e sempre procure orientação médica. E, se o seu resfriado estiver com sintomas fortes e persistentes, que o afastem do treino, foque na recuperação da saúde, mantenha a boa hidratação e uso medicamentos recomendados por seu médico.

Referências:

  • Simpson RJ, Campbell JP, Gleeson M, Krüger K, Nieman DC, Pyne DB, Turner JE, Walsh NP. Can exercise affect immune function to increase susceptibility to infection? Exerc Immunol Rev. 2020;26:8-22. PMID: 32139352.
  • Lee, Hyun Kun et al. "The effect of exercise on prevention of the common cold: a meta-analysis of randomized controlled trial studies." Korean journal of family medicine vol. 35,3 (2014): 119-26. doi:10.4082/kjfm.2014.35.3.119
  • Navarro, Chelsea S. MS, ATC, LAT, CES1; Casa, Douglas J. PhD, ATC, FNAK, FACSM, FNATA2; Belval, Luke N. MS, ATC2; Nye, Nathaniel S. MD, CAQSM1 Exertional Heat Stroke, Current Sports Medicine Reports: 9/10 2017 - Volume 16 - Issue 5 - p 304-305 doi: 10.1249/JSR.0000000000000403
  • Nieman DC; FACSM The Common Cold Is Less Common Among the Fit, ACSM's Health & Fitness Journal: November/December 2017 - Volume 21 - Issue 6 - p 45-47 doi: 10.1249/FIT.0000000000000338
  • Nieman DC; Wentz LM. The compelling link between physical activity and the body's defense system. Journal of Sport and Health Science Volume 8, Issue 3, May 2019, Pages 201-217.
  • Peake JM; Neubauer O; Walsh NP; et al. Recovery of the immune system after exercise. Journal of Applied Physiology. Volume 122 Issue 5. May 2017. Pages 1077-1087.
  • Walsh NP; Oliver SJ. Exercise, immune function and respiratory infection: An update on the influence of training and environmental stress. Journal of the Australian and New Zealand Society for Immunology. Volume94, Issue2 February 2016. Pages 132-139.
  • NASM. WORKING OUT WITH A COLD: DEBUNKING THE MYTHS. Disponível em: https://blog.nasm.org/fitness/working-cold-debunking-myths
  • CDC. Cold Versus Flu. Disponível em: https://www.cdc.gov/flu/symptoms/coldflu.htm