PUBLICIDADE

Topo

Paola Machado

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Micronutrientes têm papel vital no apoio à resposta imunológica; saiba como

Alex Silva
Imagem: Alex Silva
Conteúdo exclusivo para assinantes
Paola Machado

Paola Machado é formada em educação física, mestre em ciências da saúde (foco em fisiologia do exercício e imunologia) e doutora em ciências da saúde (foco em fisiopatologia da obesidade e fisiologia da nutrição) pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). Atualmente, atua como pesquisadora, desenvolvendo trabalhos científicos sobre exercícios, nutrição e saúde. CREF: 080213-G | SP

Colunista do UOL

04/10/2021 04h00

O papel principal do sistema imunológico é proteger o indivíduo contra organismos patogênicos, incluindo bactérias, vírus, fungos e parasitas. Para que possa fornecer proteção eficaz contra a ampla gama de organismos ameaçadores, o sistema imunológico humano evoluiu para incluir muitos tipos de células diferentes, muitas moléculas comunicantes e várias respostas funcionais.

O sistema imunológico tem quatro ações gerais:

  1. Atua como uma barreira que impede os micróbios de entrarem no corpo.
  2. Atua reconhecendo os micróbios e identificando se eles são nocivos ou não.
  3. Atua para eliminar os micróbios identificados como prejudiciais; isso envolve as ações destrutivas de vários tipos de células imunológicas.
  4. A resposta imune gera memória imunológica, de modo que, se houver reexposição ao micróbio prejudicial, a resposta imune é mais rápida e mais forte do que era para a resposta original.

Essas ações complexas e sofisticadas podem ser alcançadas porque o sistema imunológico humano é composto de muitos tipos de célula, cada um com suas próprias capacidades funcionais individuais. Esses diferentes tipos de células interagem entre si como parte da resposta imune para garantir a proteção eficaz do hospedeiro contra patógenos. O sistema imunológico pode ser classificado de diferentes maneiras, mais comumente em imunidade inata (ou natural) e adquirida (ou adaptativa).

É óbvio que uma defesa eficaz contra organismos patogênicos requer um sistema imunológico que funcione bem. Consequentemente, indivíduos com sistema imunológico enfraquecido correm maior risco de se infectar e de as infecções serem mais sérias, até mesmo fatais.

Os fatores que influenciam a resposta imune incluem não modificáveis, como genética, estágio do curso de vida (por exemplo, gravidez, infância e velhice), mas muitos fatores modificáveis também influenciam a resposta imune, incluindo estresse, aptidão física, fragilidade, gordura corporal e dieta alimentar.

No início da pandemia de Sars-CoV-2, ficou claro que as pessoas mais velhas, especialmente aquelas que eram frágeis e com comorbidades, e pessoas que sofriam de obesidade tinham maior suscetibilidade de desenvolver doenças mais graves e mortalidade por covid-19 do que pessoas mais jovens e que tinham hábitos e peso saudável. Por isso há uma importância crucial do papel da alimentação e do exercício físico na melhora da imunidade.

Micronutrientes no apoio à resposta imune

A nutrição desempenha vários papéis no suporte do sistema imunológico. De acordo com uma revisão deste ano (2021) realizada por Philip Calder intitulada em "Nutrition and immunity: lessons for COVID-19" a dieta fornece:

  • Combustíveis para o funcionamento do sistema imunológico.
  • Blocos de construção para a geração de RNA e DNA e para o produção de proteínas (anticorpos, citocinas, receptores, aguda proteínas de fase, etc.) e novas células.
  • Substratos específicos para a produção de imunoativos metabólitos (por exemplo, arginina como substrato para óxido nítrico).
  • Reguladores do metabolismo das células imunológicas (por exemplo, vitamina A e zinco).
  • Nutrientes com funções antibacterianas ou antivirais específicas (por exemplo vitamina D e zinco).
  • Reguladores que protegem o hospedeiro de oxidação e inflamação do estresse (por exemplo, vitamina C, vitamina E, zinco, selênio, cadeia de ácidos graxos ômega-3 e muitos polifenóis vegetais).
  • Substratos para a microbiota intestinal que por sua vez modula o sistema imunológico (consulte a próxima seção).

Assim, a má nutrição pode não fornecer quantidades suficientes dos nutrientes necessários para o sistema imunológico funcionar de forma eficiente, sendo associado ao aumento da suscetibilidade à infecção e à incapacidade de controlar os efeitos da infecção.

Nesse sentido, vários micronutrientes desempenham papéis vitais no apoio à resposta imunológica. Os papéis das vitaminas A, C, D, zinco, cobre e ferro são bem explorados, e a literatura mostra importantes funções das vitaminas B, vitamina E, vitamina K, selênio e magnésio.

A deficiência de vários desses micronutrientes prejudicam muitos aspectos da imunidade inata e adquirida e aumentam a suscetibilidade a infecções e essas podem ser revertidas, reduzindo a suscetibilidade à infecção.

Explorando os micronutrientes

Vitamina D

Estudos apontam que a deficiência de vitamina D prejudica a resposta à vacina contra influenza sazonal e meta-análises de ensaios clínicos randomizados de suplementação de vitamina D relatam incidência reduzida de infecções do trato respiratório. Vários estudos relatam uma associação entre baixo nível de vitamina D e aumento da suscetibilidade e gravidade de covid-19.

Zinco

O zinco suporta a atividade de muitas células do sistema imunológico, ajuda a controlar o estresse oxidativo e a inflamação e tem ações antivirais específicas, incluindo a inibição da replicação de coronavírus. A suplementação de zinco melhora alguns marcadores de imunidade, especialmente em pessoas mais velhas ou com baixa ingestão de zinco, melhora as respostas à vacinação.

Selênio

Em contraste com a vasta literatura sobre vitamina D e zinco que surgiu durante a pandemia, houve menos pesquisas sobre o selênio. No entanto, o selênio pode ter papéis importantes no suporte do sistema imunológico em geral e na promoção da imunidade antiviral. O selênio apoia a atividade de muitas células do sistema imunológico e ajuda a controlar o estresse oxidativo e a inflamação.

Vale reforçar que um conjunto de ações são importantes para melhorar a resposta imunológica, como alimentação geral saudável, prática de exercícios físicos regulares e estilo de vida geral saudável.

Entretanto, os papéis de nutrientes específicos, incluindo vitamina D e zinco, na imunidade antiviral parecem ser importantes e a capacidade do selênio de prevenir a mutação viral é intrigante no contexto do surgimento de variantes do Sars-CoV-2.

Além disso, estudos apontam que a baixa ingestão de vários micronutrientes prejudica as respostas à vacinação e, portanto, deve ser considerada no contexto dos programas de vacinação de covid-19 atuais e futuros —importante em idosos, mas também em outros grupos que são mais propensos a ter baixa ingestão ou status de um ou mais micronutrientes.

Embora os micronutrientes sejam fornecidos como parte de uma dieta diversificada à base de frutas e verduras, há uma dúvida sobre se quantidades suficientes de alguns dos principais micronutrientes imunologicamente ativos (vitamina D, vitamina C, vitamina E, zinco e selênio) podem ser obtidos a partir da dieta ou se os suplementos são necessários para fornecer a ingestão relevante desses micronutrientes.

Por isso, torna-se importante uma alimentação equilibrada, além de acompanhamento médico com exames de rotina para detectar a importância de suplementação.

Referência principal:

Calder, P. C. (2021). Nutrition and immunity: lessons for COVID-19. Nutrition & Diabetes, 11(1). doi:10.1038/s41387-021-00165-0

Referências citadas no texto com base no artigo principal:

Gombart AF, Pierre A, Maggini S. A review of micronutrients and the immune System-Working in harmony to reduce the risk of infection. Nutrients. 2020;12: E236. https://doi.org/10.3390/nu12010236

Maggini S, Pierre A, Calder PC. Immune function and micronutrient requirements change over the life course. Nutrients. 2018;10:1531. https://doi.org/10.3390/ nu10101531

Calder PC, Carr AC, Gombart AF, Eggersdorfer M. Optimal nutritional status for a well-functioning immune system is an important factor to protect against viral infections. Nutrients. 2020;12:1181. https://doi.org/10.3390/nu12041181

Prietl B, Treiber G, Pieber T, Amrein K. Vitamin D and immune function. Nutrients. 2013;5:2502-21. https://doi.org/10.3390/nu5072502

Lee M-D, Lin C-H, Lei W-T, Chang H-Y, Lee H-C, Yeung C-Y, et al. Does vitamin D deficiency affect the immunogenic responses to influenza vaccination? A sys- tematic review and meta- analysis. Nutrients. 2018;10:409. https://doi.org/ 10.3390/nu10040409

Martineau AR, Jolliffe DA, Hooper RL, Greenberg L, Aloia JF, Bergman P, et al. Vitamin D supplementation to prevent acute respiratory tract infections: sys- tematic review and meta- analysis of individual participant data. BMJ. 2017;356: i6583. https://doi.org/10.1136/bmj.i6583

Merzon E, Tworowski D, Gorohovski A, Vinker S, Golan Cohen A, Green I, et al. Low plasma 25(OH) vitamin D level is associated with increased risk of COVID-19 infection: an Israeli population-based study. FEBS J. 2020;287:3693-702. https:// doi.org/10.1111/febs.15495

Pereira M, Dantas Damascena A, Galvão Azevedo LM, de Almeida Oliveira T, da Mota Santana J. Vitamin D deficiency aggravates COVID-19: systematic review and meta-analysis. Crit Rev Food Sci Nutr. https://doi.org/10.1080/ 10408398.2020.1841090. 2021. In press.

Ma H, Zhou T, Heianza Y, Qi L. Habitual use of vitamin D supplements and risk of coronavirus disease 2019 (COVID-19) infection: a prospective study in UK Bio- bank. Am J Clin Nutr. 2021;113:1275-81. https://doi.org/10.1093/ajcn/nqaa381

Cangiano B, Fatti LM, Danesi L, Gazzano G, Croci M, Vitale G, et al. Mortality in an Italian nursing home during COVID-19 pandemic: correlation with gender, age, ADL, vitamin D supplementation, and limitations of the diagnostic tests. Aging. 2020;12:24522-34. https://doi.org/10.18632/aging.202307

Entrenas Castillo M, Entrenas Costa LM, Vaquero Barrios JM, Alcalá Díaz JF, López Miranda J, Bouillon R, et al. Effect of calcifediol treatment and best available therapy versus best available therapy on intensive care unit admission and mortality among patients hospitalized for COVID-19: a pilot randomized clinical study. J Steroid Biochem Mol Biol. 2020;203:105751. https://doi.org/10.1016/j. jsbmb.2020.105751

Giannini S, Passeri G, Tripepi G, Sella S, Fusaro M, Arcidiacono G, et al. Effec- tiveness of in-hospital cholecalciferol use on clinical outcomes in comorbid COVID-19 patients: a hypothesis-generating study. Nutrients. 2021;13:219. https://doi.org/10.3390/nu13010219

Ling SF, Broad E, Murphy R, Pappachan JM, Pardesi-Newton S, Kong MF, et al. High-dose cholecalciferol booster therapy is associated with a reduced risk of mortality in patients with COVID-19: a cross-sectional multi-centre observational study. Nutrients. 2020;12:3799. https://doi.org/10.3390/nu12123799

Wessels I, Maywald M, Rink L. Zinc as a gatekeeper of immune function. Nutri- ents. 2017;9:1286. https://doi.org/10.3390/nu9121286

Read SA, Obeid S, Ahlenstiel C, Ahlenstiel G. The role of zinc in antiviral immunity. Adv Nutr. 2019;10:696-710. https://doi.org/10.1093/advances/nmz013

te Velthuis AJW, van den Worm SHE, Sims AC, Baric RS, Snijder EJ, van Hemert MJ. Zn2+ inhibits coronavirus and arterivirus RNA polymerase activity in vitro and zinc ionophores block the replication of these viruses in cell culture. PLoS Pathol. 2010;6:e1001176. https://doi.org/10.1371/journal.ppat.1001176

Barnett JB, Dao MC, Hamer DH, Kandel R, Brandeis G, Wu D, et al. Effect of zinc supplementation on serum zinc concentration and T cell proliferation in nursing home elderly: a randomized, double-blind, placebo-controlled trial. Am J Clin Nutr. 2016;103:942-51. https://doi.org/10.3945/ajcn.115.115188

Karlsen TH, Sommerfelt H, Klomstad S, Kragh Andersen P, Strand TA, Ulvik RJ, et al. Intestinal and systemic immune responses to an oral cholera toxoid B subunit whole-cell vaccine administered during zinc supplementation. Infect Immun. 2003;71:3909-113. https://doi.org/10.1128/iai.71.7.3909-3913.2003

Heller RA, Sun Q, Hackler J, Seelig J, Seibert L, Cherkezov A, et al. Prediction of survival odds in COVID-19 by zinc, age and selenoprotein P as composite bio- marker. Redox Biol. 2021;38:101764. https://doi.org/10.1016/j.redox.2020.101764

Carlucci PM, Ahuja T, Petrilli C, Rajagopalan H, Jones S, Rahimian J. Zinc sulfate in combination with a zinc ionophore may improve outcomes in hospitalized COVID-19 patients. J Med Microbiol. 2020;69:1228-34. https://doi.org/10.1099/ jmm.0.001250

Frontera JA, Rahimian JO, Yaghi S, Liu M, Lewis A, de Havenon A, et al. Treatment with zinc is associated with reduced in-hospital mortality among COVID-19 patients: a multi-center cohort study. Res Sq. 2020;3:rs.3.rs-94509. https://doi.org/ 10.21203/rs.3.rs-94509/v1. Preprint.

Avery J, Hoffmann P. Selenium, selenoproteins, and immunity. Nutrients. 2018;10:1203. https://doi.org/10.3390/nu10091203

Broome CS, McArdle F, Kyle JAM, Andrews F, Lowe NM, Hart CA, et al. An increase in selenium intake improves immune function and poliovirus handling in adults with marginal selenium status. Am J Clin Nutr. 2004;80:154-62. https://doi.org/ 10.1093/ajcn/80.1.154

Moghaddam A, Heller RA, Sun Q, Seelig J, Cherkezov A, Seibert L, et al. Selenium deficiency is associated with mortality risk from COVID-19. Nutrients. 2020;12:2098. https://doi.org/10.3390/nu12072098

Rayman MP, Calder PC. Optimising COVID-19 vaccine efficacy by ensuring nutritional adequacy. Brit J Nutr. https://doi.org/10.1017/S0007114521000386. 2021. In press.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL