PUBLICIDADE

Topo

Paola Machado

Selênio é essencial para o bom funcionamento da tireoide; veja benefícios

iStock
Imagem: iStock
Paola Machado

Paola Machado é formada em educação física, mestre em ciências da saúde (foco em fisiologia do exercício e imunologia) e doutora em ciências da saúde (foco em fisiopatologia da obesidade e fisiologia da nutrição) pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). Atualmente, atua como pesquisadora, desenvolvendo trabalhos científicos sobre exercícios, nutrição e saúde. CREF: 080213-G | SP

Colunista do UOL

09/12/2020 04h00

Você gosta de comer cereais, alho, brócolis, couve-flor, rim, fígado e castanhas brasileiras? Saiba que estes alimentos são bem nutritivos e possuem um nutriente importante: o selênio.

Conhecido como oligoelemento, ou seja, nutriente essencial embora seja necessário em pequenas quantidades, ele é facilmente encontrado nos alimentos e indispensável para a vida humana.

Este mineral exerce inúmeras funções imprescindíveis, auxiliando a regulação de processos reprodutivos, no metabolismo da tireoide, na síntese de DNA, protegendo as células em situações de estresse oxidativo e combatendo os processos inflamatórios.

Algumas proteínas metabólicas dependem do selênio para desempenhar suas funções, como no caso das deiodinases, bastante importantes para o funcionamento da nossa tireoide. Além disso, a alteração em sua forma de expressão associa-se com o desenvolvimento de câncer, doenças cardíacas, inflamação, distúrbios metabólicos e na redução na disponibilidade dos hormônios tireoidianos.

Vamos olhar atentamente para duas situações em que o nosso corpo precisa muito deste nutriente (embora tenhamos muitas outras): manutenção do funcionamento tireoidiano e nos processos inflamatórios, como na obesidade.

O adequado funcionamento da glândula tireoide tem relação direta com a manutenção do humor, controle do açúcar circulante, do colesterol total e frações, além do controle de peso corporal. Nesta glândula produzimos os hormônios tiroxina (T4) e triiodotiroxina (T3), a partir da percepção e controle do nosso cérebro (eixo hipotálamo, pituitária e tireoide). As deiodinases participam muito na produção de T4 e T3 e todo este processo depende do selênio para acontecer.

Outros mecanismos podem descrever a importância do selênio no metabolismo do indivíduo, falando agora especificamente da pessoa com obesidade e considerando que o fato de tornar-se obeso aumenta a chance de desenvolver uma condição de inflamação crônica de baixo grau e muitas vezes de difícil percepção. Esta inflamação é um poderoso gatilho para a produção excessiva das espécies reativas de oxigênio ou radicais livres, substâncias bastante prejudiciais à saúde humana.

Como resposta a produção de radicais livres, o corpo recruta elementos de combate e um deles é uma enzima glutationa peroxidase, também dependente de selênio, portanto, novamente precisaremos de bons níveis deste mineral disponíveis, situação que recebe influência direta do quanto consumimos e absorvemos.

No indivíduo com obesidade será necessário mais selênio para neutralizar este estresse e, portanto, talvez "sobre" menos dele para a tireoide prejudicando a sua função de forma discreta, porém importante. Ao preservarmos a função tireoidiana, conseguiremos promover efetividade no controle ou manutenção de peso corporal, entre outras ações já mencionadas anteriormente.

Outra questão muito importante a ser prevenida é o acúmulo de gordura na região central do corpo, já que esta tem o potencial de agravar o estresse oxidativo favorecido pelo aumento na produção de citocinas pró-inflamatórias. Em pessoas com obesidade, a atividade reduz de maneira importante independentemente da idade, de maneira proporcional a gravidade da obesidade.

Viu só? Todos os nutrientes são essenciais para o nosso corpo portanto, antes de fazer restrições, pense muito a respeito e consulte um profissional.

*Colaboração da nutricionista comportamental Samantha Rhein (Unifesp).

Referências:

- Furukawa, S.; Fujita, T.; Shimabukuro, M.; Iwaki, M.; Yamada, Y.; Nakajima, Y.; Nakayama, O.; Makishima, M.; Matsuda, M.; Shimomura, I. Increased oxidative stress in obesity and its impact on metabolic syndrome. J. Clin. Investig. 2004, 114, 1752-1761.

- Nunes, M.T. Hormônios tiroideanos: mecanismo de ação e importância biológica. Arq Bras Endocrinol Metab. 2003, 47:6: 639-643.

- Schweizer, U. Steegborn,C. New Insights Into The Structure and Mechanism of Iodothyronine Deiodinases. J Mol Endocrinol. 2015, 55(3): R37-52.

- Luongo, C; Dentice, M; Salvatore, D. Deiodinases, and their intricate role in thyroid hormone homeostasis. Nature Reviews Endocrinology. 2019, 15.