PUBLICIDADE

Topo

Quem é Gisberta, brasileira ícone LGBT em Portugal que dará nome à rua

Gisberta Salce foi assassinada aos 45 anos, na cidade do Porto - Coletivo Panteras Rosas/ Reprodução
Gisberta Salce foi assassinada aos 45 anos, na cidade do Porto Imagem: Coletivo Panteras Rosas/ Reprodução

Mariana Gonzalez

De Universa, em São Paulo

21/05/2022 04h00

É provável que você nunca tenha ouvido falar na brasileira Gisberta Salce —mas, em Portugal, seu nome aparece em manifestações, músicas, peças de teatro e um centro de referência à população LGBTQIA+. Agora, ela também dará nome a uma rua da cidade do Porto, onde viveu por 15 anos, e ganhará um filme contando sua história, produzido pela produtora brasileira Glaz Entretenimento, que já trabalhou com Netflix e HBO.

Seu nome se tornou conhecido em 2006, quando, aos 45 anos, foi assassinada por um grupo de 14 adolescentes. O ataque foi motivado por transfobia. Gisberta era uma mulher trans, soropositiva, imigrante brasileira em situação irregular e que vivia nas ruas, dormindo em um prédio abandonado.

Em resposta ao crime e à forma como Gisberta era tratada pela mídia —chamada de "homem com mamas" e tendo seu nome de batismo, no masculino, repetido várias vezes— o movimento LGBTQIA+ português se organizou para promover a primeira Marcha do Orgulho LGBT da cidade do Porto, em 2006; até então, eventos do tipo só aconteciam em Lisboa.

Prova de que seu nome ecoa até hoje como ícone da luta por reconhecimento e igualdade de direitos é que, na terça-feira (17), no Dia Internacional da Luta contra a LGBTfobia, foi homenageada com uma bandeira do arco-íris hasteada no prédio em que foi morta.

Pessoas homenageiam Gisberta na rua em que ela vivia e foi morta, no Porto - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Pessoas homenageiam Gisberta na rua em que ela vivia e foi morta, no Porto
Imagem: Reprodução/Instagram

Em março, o nome de Gisberta Salce foi aprovado por sete votos a seis pela comissão de toponímia da Câmara Municipal do Porto para virar nome de uma rua da cidade. Agora, ela entra em uma lista, uma espécie de banco de nomes que futuramente podem ser atribuídos às ruas do Porto, não necessariamente na em que ela vivia e foi morta.

A questão dividiu os parlamentares: segundo a imprensa local, quem era contra afirmava que Gisberta "nada fez pela cidade do Porto", enquanto os favoráveis à homenagem defendem que, embora ela não tenha necessariamente contribuído para o lugar em vida, sua morte mobilizou pessoas LGBTQIA+ e levou a reconhecimento de direitos importantes para os portugueses.

Gisberta Salce - Coletivo Panteras Rosas/ Reprodução - Coletivo Panteras Rosas/ Reprodução
Imagem: Coletivo Panteras Rosas/ Reprodução

Gisberta era Ivete, Daniela Mercury e Marilyn Monroe

Uma reportagem do jornal português Observador conta que Gisberta deixou o Brasil aos 18 anos por medo da violência contra travestis e pessoas trans no país —atualmente, o que mais mata pessoas LGBTQIA+ em todo o mundo. No final dos anos 1980, era realizada em São Paulo, onde Gis vivia, a Operação Tarântula, uma força-tarefa da Polícia Civil do Estado para prender transexuais e travestis.

Ela deixou São Paulo em direção a Paris e conheceu algumas cidades europeias até se estabelecer no Porto. Por lá, trabalhou como babá e se apresentou em boates dublando cantoras brasileiras, como Ivete Sangalo e Daniela Mercury. Também gostava e performar Marilyn Monroe, com a música "Diamonds Are a Girl's Best Friend".

Mas, em seus últimos anos, vivia nas ruas e se prostituía —sua vida começou a desandar com a morte próxima de seus dois cães, que eram como filhos para ela: Leonardo e Carolina.

Ela teria desenvolvido depressão e passado a consumir drogas, se tornou dependente de crack, até que precisou recorrer à prostituição para sustentar o vício. Com o tempo, contraiu HIV.

"Os espetáculos eram muito pontuais, ela não conseguia viver só daquilo. Ela fazia serviço de acompanhante", contou o amigo Roberto Figueirinha, à época, ao jornal Observador.

Gisberta Salce - Coletivo Panteras Rosas/ Reprodução - Coletivo Panteras Rosas/ Reprodução
Imagem: Coletivo Panteras Rosas/ Reprodução

Camisola, delineador e dois batons

Um dos agressores que causaram a morte de Gisberta é um garoto de quem ela havia sido babá anos antes. Consta na imprensa portuguesa que, durante três dias, ele e outros 13 adolescentes de 12 a 16 anos se revezaram para espancar Gisberta com chutes, socos, pedradas e pauladas.

No final, quando estava debilitada e ferida, eles jogaram seu corpo, ainda com vida, no fundo de um poço, com cerca de 10m de água.

O crime foi descoberto no mesmo dia porque um dos garotos teria confessado à professora, que chamou a polícia.

Quando encontrou o corpo de Gisberta, a polícia recolheu diversos objetos dela que estavam no local: entre eles um cobertor amarelo, uma camisola azul, um pente, dois batons, um delineador, alguns preservativos e uma receita médica.

Nenhum dos agressores passou mais de um ano na prisão —eles não foram considerados assassinos porque, segundo argumentou o juiz, ela morreu em razão do afogamento no fundo do poço, e não em decorrência das agressões.

Gisberta foi vitimada duas vezes: além das agressões e da morte em razão de transfobia, não teve seu nome respeitado pela imprensa. Tanto veículos brasileiros quanto portugueses que noticiaram o crime na época se referem a ela como "brasileiro em Portugal" ou por seu nome de registro, que não correspondia à sua identidade de gênero.

Pessoas homenageiam Gisberta na rua em que ela vivia e foi morta, no Porto - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Pessoas homenageiam Gisberta na rua em que ela vivia e foi morta, no Porto
Imagem: Reprodução/Instagram

Palavra 'transfobia' entrou no vocabulário português

Segundo o Gerador, uma plataforma portuguesa de jornalismo, cultura e educação, a morte de Gisberta, no começo dos anos 2000, fomentou o debate e "fez uma geração de jornalistas questionar como tratar o assunto e ir para as ruas ouvir pessoas, sobretudo mulheres trans, que pouca oportunidade tinham para fazer a sua voz ser ouvida".

Também "catapultou o surgimento de coletivos e colocou a palavra 'transfobia' no léxico nacional".

Em sua homenagem, o músico português Pedro Abrunhosa escreveu a canção "Balada de Gisberta", gravada por Maria Bethânia no álbum "Amor Festa Devoção".

Ela também inspirou o poema "Indulgência Plenária", de Alberto Pimenta, o curta-metragem "A Gis", de Thiago Carvalhaes, a peça de teatro "Gisberta", de Eduardo Gaspar e Luis Lobianco, e o romance "Pão de Açúcar", de Afonso Reis Cabral —o último que será adaptado para um filme, ainda sem data de lançamento.