Topo

Gianecchini já saiu com homens, mas não se considera gay: é possível?

Reynaldo Gianecchini, 46, assumiu que já teve relacionamento com homens, mas que não precisa "sair do armário". "Desejo independe do gênero" - Reprodução/Instagram
Reynaldo Gianecchini, 46, assumiu que já teve relacionamento com homens, mas que não precisa "sair do armário". "Desejo independe do gênero" Imagem: Reprodução/Instagram

Natália Eiras

De Universa

29/09/2019 10h55

Resumo da notícia

  • Reynaldo Gianecchini assumiu, em entrevista para a revista Ela, publicada neste domingo (29), que já teve relacionamentos com pessoas do mesmo gênero
  • Ele disse reconhecer dentro de si o homem, a mulher, o gay, o hétero, o bissexual, a criança e o velho. "Sexualidade é muito ampla"
  • O psicólogo especializado em gênero e sexualidade Breno Rosostolato afirma que pansexuais se permitem a experimentar emoções e sexualidade com pessoas
  • Ele diz que, acima de qualquer rotulação de sexualidade, é comum que o apaixonamento independa do gênero ou sexo biológico.

Reynaldo Gianecchini assumiu, em entrevista para a revista Ela, publicada neste domingo (29), que já teve relacionamentos com pessoas do mesmo gênero. "Tive, sim, romances com homens e acho que esse é o momento certo de dizer", falou o artista, que está no ar na novela "A Dona do Pedaço". "O desejo para mim não passa pelo gênero nem pela idade."

Ex de Marilia Gabriela, o ator de 46 anos falou, ainda, sobre os comentários que existiam em relação à sua sexualidade. "Me cobram muito: 'quando você vai sair do armário?'. Primeiro, quero falar para essas pessoas: antes de você achar interessante a sexualidade dos outros, dá uma olhadinha na sua. Talvez ela tenha mais nuances do que você pensa", falou Gianecchini. "Reconheço em todas as partes dentro de mim: o homem, a mulher, o gay, o hétero, o bissexual, a criança e o velho. Como dentro de todo mundo. A sexualidade é muito ampla e as pessoas são levianas. Querem te encaixar em uma gaveta, e eu não consigo, porque a sexualidade é o canal da vida e a minha sexualidade não cabe em um gaveta", complementou.

Gianecchini não é o único a falar sobre como a sexualidade pode independer de gênero. A atriz Débora Nascimento e a cantora Ludmilla se assumiram como pessoas bissexuais, ou seja, que se envolvem tanto com homens como com mulheres. Bella Thorne e Janelle Monae já falaram que são pansexuais, que, segundo o psicólogo especializado em gênero e sexualidade Breno Rosostolato, é uma orientação cuja "atração sexual e romântica independe do sexo e identidade de gênero dos parceiros." De acordo com o especialista, pansexuais "se permitem a experimentar suas emoções e sexualidade com pessoas em geral."

Pansexuais são um exemplo de pessoas que vivem suas relações amorosas e sexuais sem precisar "entrar em gavetas". Porém, acima de qualquer rotulação de sexualidade, é comum que o apaixonamento independa do gênero ou sexo biológico. "Para algumas pessoas, a paixão se dá por características relacionadas ao indivíduo mesmo. É o jeito de falar, de tratar, o envolvimento... Existe uma série de fatores que, para muita gente, leva a apaixonar-se e a encantar-se pelo outro."

#Jairo: transei com outro homem só uma vez, mas não gostei. Sou gay?

VivaBem

No entanto, apesar de ser algo frequente na sexualidade humana, nem sempre nos deixamos levar pelos nossos encantamentos com medo do que o outro pode pensar. "A questão é quão dispostas estão as pessoas a se debruçar, se aprofundar em seus apaixonamentos, porque todo mundo se depara com padrões e censuras. Por exemplo, um homem pode começar a se envolver com outro homem, mas ele esbarra na heteronormatividade. Tem que ver se ele estará disposto a viver essa emoção sob o julgamento da sociedade."

Gianecchini admitiu que demorou a falar sobre sexualidade com medo da opressão que poderia sofrer. "Isso esbarra sempre no tamanho do preconceito no Brasil. Mas agora é importante reafirmar a liberdade, por mim e por quem enfrenta essa repressão", o artista afirmou.

Diversidade