Topo

Diversidade


Ícaro Silva e Jesuíta Barbosa falam de sexualidade: "Que digam, sou viado"

Ícaro Silva na premiere mundial de O Rei Leão, da Disney - Jesse Grant/Getty Images for Disney
Ícaro Silva na premiere mundial de O Rei Leão, da Disney Imagem: Jesse Grant/Getty Images for Disney

Colaboração para Universa

24/09/2019 13h40

Ícaro Silva e Jesuíta Barbosa falaram sobre sexualidade no Conversa com Bial de ontem. Os atores contaram como lidam com o interesse com o que fazem entre quatro paredes.

"Tem um retorno da mídia de querer saber da sua sexualidade, o que você faz. Tenho impressão que a gente sempre tem que falar disso socialmente. Quais são os problemas que nós temos na sociedade? E, sobre sexualidade, temos essa cultura que é sexista, que oprime a mulher, o feminino", analisou Jesuíta.

Jesuíta Barbosa, em "Verão 90", no momento Silvio Santos - João Cotta/TV Globo
Jesuíta Barbosa, em "Verão 90", no momento Silvio Santos
Imagem: João Cotta/TV Globo

Ícaro concordou: "Quando você fala que gosta de homem, te diminuem, porque você está se aproximando do que é feminino. Tem esse sexismo escroto que precisa ser falado".

Enquanto isso, Jesuíta apontou caminhos que procura seguir para fugir dessa armadilha: "Eu não posso enquanto homem estar em função disso. Eu acho que eu preciso, enquanto artista também, reafirmar o poder feminino"

"Não preciso ficar falando que sou homem. A gente tem que estar em função da mulher, respeitá-la, e respeitar também a comunidade LGBT e todas as diferenças. O teatro dá a gente essa capacidade de entender a diversidade cultural e sexual, a gente tem que sair dessas caixas que se colocam", disse.

Ícaro ainda complementou: "E a partir disso ser livre, sexualmente e afetivamente livre. Se for para o bem da nação, que digam, sou viado. No meu caso, bicha preta.

"Fica muito perigoso quando a vida pessoal dos artistas ganha o primeiro plano", frisou. "Quando a gente se envolve com arte, começa a perceber suas funções sociais. E a minha vida pessoal, com quem eu estou dormindo, não tem a ver com o que eu quero mudar em relação ao público".

Mais Diversidade