Topo

Expectativa no Orgulho Gay de Belfast para legalização do casamento LGBT

Parada LGBT Belfast pede aprovação do casamento homossexual na Irlanda do Norte - Niall Carson/PA Images/Getty Images
Parada LGBT Belfast pede aprovação do casamento homossexual na Irlanda do Norte Imagem: Niall Carson/PA Images/Getty Images

Da AFP, em Belfest

03/08/2019 15h45

Milhares de pessoas foram às ruas de Belfast neste sábado (3) para a parada do Orgulho Gay, com a expectativa de aprovação do casamento homossexual na Irlanda do Norte, única região do Reino Unido onde isto ainda não aconteceu.

Um blindado da polícia como as cores do arco-íris e bandeiras coloridas deram o ar festivo ao desfile, que aconteceu ao som do hit "It's Raining Men". O prefeito de Belfast, John Finucane, publicou no Twitter que a parada deste ano seria "o maior, mais ambicioso e apaixonante festival do Orgulho Gay já visto.

No mês passado, os deputados britânicos do Parlmento de Westminster, em Londres, mostraram sua vontade de avançar rumo à aprovação do casamento gay, com o voto de emendas a favor do mesmo na Irlanda do Norte, bem como a favor do aborto.

Em circunstâncias normais, o parlamento norte-irlandês seria responsável por legislar sobre estas questões, mas a região está sem Executivo local desde janeiro de 2017, motivo pelo qual Londres se ocupa de sua administração. Os votos, no entanto, só serão efetivos se nenhum governo local for formado em 21 de outubro na Irlanda do Norte.

"Todos devem ter os mesmos direitos, de forma que esperamos que isto aconteça. Faremos uma grande festa", comentou a participante Mary Francis White, 53, cujo filho, gay, é conselheiro municipal em Belfast.

O diretor da Anistia Internacional para a Irlanda do Norte, Patrick Corrigan, classificou a mudança política de "um grande avanço nos direitos humanos".

Os organizadores da passeata esperam um público maior do que o evento de 2018, quando 55 mil pessoas participaram. Se a lei entrar em vigor em outubro, os primeiros casamentos poderão começar a ser oficializados em janeiro de 2020.

Mais Diversidade