PUBLICIDADE

Topo

Nina Lemos

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Atrizes exibem rugas e cabelo grisalho em Cannes: algo está mudando

Andie Macdowell, de 63 anos, desfilou no tapete vermelho de Cannes os cabelos grisalhos, crespos e longos. Estava linda e radiante.  - Getty Images
Andie Macdowell, de 63 anos, desfilou no tapete vermelho de Cannes os cabelos grisalhos, crespos e longos. Estava linda e radiante. Imagem: Getty Images
Conteúdo exclusivo para assinantes
Nina Lemos

Nina Lemos é jornalista e escritora e mora em Berlim. É feminista das antigas e uma das criadoras do 02 Neurônio, que lançou cinco livros e teve um site no UOL no começo de 2000. Foi colunista da Folha de S. Paulo, repórter especial da revista Tpm e blogueira do Estadão e do Yahoo. Escreveu também o romance "A Ditadura da Moda".

Colunista de Universa

08/07/2021 14h29

Há um tempo atrás (e nem foi no passado remoto) mulheres que passaram dos 50 "não podiam" ter cabelo comprido (!). Essa era uma dessas regras aprisionadoras repetidas por muitos cabeleireiros, revistas e manuais de estilo. Além disso, claro, os fios brancos tinham que ser milimetricamente pintados. Isso era tão óbvio que os tais manuais nem mencionavam tal "obrigação".

No caso das celebridades, aquelas mulheres que desfilam em tapetes vermelhos mundo afora, a armadura anti envelhecimento era ainda mais radical e exigente. Famosas tinham que sempre aparecer impecáveis, o que significa, para mulheres com mais de 50, ter todas as rugas escondidas. Mas, espera: ser "bem cuidada" e se apresentar bem é esconder quem a gente é. Além de não fazer sentido. Isso é violento. E, claro, que enquanto mulheres são chamadas de "acabadas", homens grisalhos e com uma barriguinha de chope sempre foram considerados "charmosos".

Pois alguma coisa está mudando. E não é só nas propagandas de xampu. Durante o Festival de Cannes, que acontece agora na França, atrizes lindas estão desfilando no tapete vermelho mostrando quem elas são, com a idade que têm.

A atriz Andie Macdowell, de 63 anos, por exemplo, desfilou no tapete vermelho na terça-feira, na estreia do filme "Anette", com os cabelos grisalhos, crespos e longos. Sua maquiagem era leve, sem sinal de produtos usados para esconder rugas. Andie estava linda e radiante. Parece pouco? Não é. Se uma mulher ousasse fazer isso em um tapete vermelho há alguns anos, seria chamada de acabada, louca e "descuidada".

Hoje, segundo a revista "Vogue", a tal "bíblia da moda", o grisalho é a cor da temporada no evento. Será que finalmente aceitar o envelhecimento vai virar tendência?

Se sim, a musa desses tempos é a atriz Helen Mirren, de 75 anos, que desfilou linda no festival com os cabelos totalmente brancos e um vestido amarelo. Outra que não se preocupou em retocar as raízes foi a atriz Jodie Foster, que exibiu raízes normais, daquelas que todas nós que (ainda) pintamos o cabelo temos em tempo de pandemia. Sim, muitas de nós passaram a seus fios brancos pela primeira vez agora, em casa em isolamento. E muitas gostaram do que viram. Caso de Andie, que contou que deixou seus cabelos naturais depois da quarentena.

No Brasil, muitas mulheres fizeram o mesmo, entre elas, famosas como Gloria Pires e Samara Felippo. Além de ficarem em paz com elas mesmas (dá trabalho tentar mostrar que a gente não envelhece) essas atrizes nos ajudam. Fica difícil envelhecer sem abalar a autoestima quando todos os exemplos que vemos de mulheres que passaram dos 50 são de beldades lindas, mas que parecem eternamente jovens, como Jennifer Lopez (linda, maravilhosa, mas quem com uma vida normal consegue ser assim''?).

Aos poucos, esse padrão das "sem idade", mas que parecem 30, parece mudar. Já nem era sem tempo.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL