PUBLICIDADE

Topo

Nina Lemos

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

BBB é aula prática de como agem os "héteros mimados"

Nina Lemos

Nina Lemos é jornalista e escritora e mora em Berlim. É feminista das antigas e uma das criadoras do 02 Neurônio, que lançou cinco livros e teve um site no UOL no começo de 2000. Foi colunista da Folha de S. Paulo, repórter especial da revista Tpm e blogueira do Estadão e do Yahoo. Escreveu também o romance "A Ditadura da Moda".

Colunista de Universa

01/03/2021 15h18

Existe um mito de que alguns homens héteros são muito mimados e acham que precisam ser tratados a pão de ló. Esses sujeitos, em geral donos de uma grande autoestima, acreditam que todo mundo precisa agradá-los.

Até dá para entender, afinal, eles devem ter sido tratados como reizinhos a vida toda. Só que eles cresceram e deu nisso: apesar de fazerem de machos, sempre prontos para a briga, eles magoam com facilidade e em alguns momentos se comportam como bebês.

Pois quem acompanha o BBB neste ano está tendo uma aula prática de como esses sujeitos, os héteros mimados e frágeis, se comportam. É só dar uma olhadinha nos participantes que foram escolhidos para representar os "homens machos" do reality para ver como esses caras funcionam.

Hoje, dois dos campeões de "mimimi" estão juntos no paredão, o rapper Projota e o crossfiteiro Arthur. E andam "atacadíssimos" — mas, claro, nunca irão assumir que dão ataques. Isso porque uma das características desse comportamento desses homens é se achar superforte enquanto age como uma criança de 5 anos. É isso que faz a situação mais ridícula.

Alguns desses comportamentos que podem ser vistos no programa e que provam o quanto eles são mimados:

Dar chiliques

Na última semana, o crossfiteiro Arthur andou pela casa tendo vários ataques de raiva. Em muitos momentos ele ficou agressivo e disse coisas como: "Eu queria muito ser a pessoa que eu era dois anos atrás. Tinha saído na primeira semana, porque teria matado alguém na pancada".

Ele também ofendeu outros participantes e deu show de preconceito. Se referiu ao fazendeiro Caio, que sofreu uma fratura no pé no programa, como "o perneta". O curioso: o sujeito que anda pela casa dando soquinho no ar de raiva é o mesmo que acusa outro participante de ser "escandaloso".

Sim, além de ser atacado, Arthur é preconceituoso e já disse várias vezes que Gilberto, participante gay assumido, seria louco e escandaloso. Como se ele próprio fosse um exemplo de calma.

Querer ser paparicado

Esses caras devem estar acostumados a ter muita gente em volta falando que eles são demais e os tratando como crianças.

Só isso explica que Arthur, o mesmo que disse querer "matar um", se diga magoado pelo fato de, por exemplo, não receber abraço de solidariedade dos outros participantes quando foi indicado para o paredão. Detalhe: ele queria ser paparicado pelo mesmos caras que desejou "matar".

No fim de semana, o rapper Projota chegou a chorar se sentindo abandonado durante o castigo do monstro. No programa, dois participantes são indicados por um adversário para um castigo: usar roupas ridículas e desconfortáveis e dançar sempre que uma musiquinha toca na casa.

No monstro de Projota, ele teve que se fantasiar como um brócolis. Uma situação chata, mas que faz parte do programa e é encarada até com um pouco de humor por alguns participantes.

Mas Projota chorou se sentindo abandonado. "É muita humilhação, e tem 15 pessoas aqui e ninguém está nem aí comigo. Estou me sentindo um lixo", disse, chorando.

Ou seja, ele queria que os outros participantes passassem a noite acordados com ele nesse momento de dificuldade

Fazer drama e mimimi

Sabe gente que vive reclamando de tudo e se sentindo injustiçado? Pois é.

O sertanejo Rodolffo já reclamou que a produção do programa não toca as músicas que ele canta. Fiuk chegou a falar que não sabia que iria "passar fome" no programa ao ser proibido de entrar na casa quando estava com fome porque a produção ainda não havia liberado. Projota apresentou o mesmo temor. Além de drama, um desrespeito com quem já passou fome de verdade.

Falando em Projota, ele também teve um momento de revolta por ter tido que esperar em uma fila (vestido de brócolis) para fazer uma atividade. "Ninguém me deixou furar a fila", disse, revoltado, se sentindo tremendamente injustiçado.

Não saber perder

Meninos mimados têm problemas em perder e, se for necessário, gritam: "a bola é minha". Pois no "BBB" os homens também mostram esse comportamento. Ao perder uma competição pela liderança, Arthur quase chorou enquanto gritava que "odiava perder".

Se todos os homens são assim? Claro que não. Mas os caras que foram parar no "BBB" estão aumentando o mito de que muitos, principalmente esses que se acham muito machos e "tops", são. Fazer o quê?

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL