PUBLICIDADE

Topo

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

"Bromance" de Artur e Projota ignora mulher aliada ou inimiga forte no jogo

Projota e Arthur e a parceria afinada no BBB21 - Reprodução / Globoplay
Projota e Arthur e a parceria afinada no BBB21 Imagem: Reprodução / Globoplay
Natália Zuccala

Natália Zuccala

Natália Zuccala é psicanalista, escritora e autora do livro "Todo Mundo Quer Ver o Morto" (Ed. Patuá).

Colaboração para o Universa

16/03/2021 04h00

O instrutor de crossfit Artur Picolli tem sido assunto nas redes sociais desde o começo do BBB, mas especialmente depois de começar a se relacionar com a atriz Carla Diaz. Além desse vínculo amoroso, ele cultiva um elo bastante forte com seu amigo rapper, o Projota. Se a gente observar essas relações, vai perceber que as atitudes do crossfiteiro são exemplos típicos de masculinidade tóxica. Afinal, homem que é homem só confia em outro homem, não é mesmo?

O primeiro dos comportamentos de Artur que entram para a vitrine dos clichês é a falta de responsabilidade afetiva com sua parceira Carla. Apesar de não terem entre si estabelecido nenhum tipo de compromisso amoroso, o casal está junto na casa quase desde o início do reality e, a partir do momento que vivenciamos uma relação com alguém, por mais casual que seja, aquilo que dizemos e fazemos afeta o outro. Parece, no entanto, que muitos não sabem disso.

Quem nunca ouviu um relato sobre um sujeito que foge, quando o assunto é firmar compromisso? Que parece ter medo quando você o responsabiliza por algo? Que tem horror a assumir que está em uma relação?

Nós, mulheres, aprendemos desde cedo - e às vezes de maneira equivocada - a nos responsabilizarmos pelas reações que os outros têm diante de nosso comportamento. Aos homens, por outro lado, dificilmente se ensina o mesmo. Nesse universo, como podemos querer que Arthur comprometa-se com suas atitudes?

Carla Diaz: ela pediu a ele parceria no jogo e no amor. - TodaTeen - TodaTeen
Carla Diaz: ela pediu a Artur parceria no jogo e no amor.
Imagem: TodaTeen

A sociedade sem dúvida fornece poucos exemplos para que ele siga. Ao dizer, por exemplo, que vai para São Paulo ficar com as amigas da participante Viih Tube, Arthur só está fazendo o que qualquer homem clichê faria: tirar de seus ombros o peso da responsabilidade pelo relacionamento que ele está estabelecendo com Carla e ainda deixar evidente para o país inteiro que não tem com ela nenhum tipo de compromisso.

Alguém poderia dizer que o casal combinou estar junto somente dentro da casa e que eles não pretendem ter nada sério, é verdade. Mas a que ele deve essa demonstração de virilidade? Qual o sentido de reafirmar publicamente a falta de compromisso? Será que ele acha que alguém duvida de sua sexualidade e precisa reafirmá-la, dizendo que vai sair com várias mulheres?

Se sairmos do âmbito dos laços que ele estabelece com mulheres e analisarmos como ele se relaciona com alguns homens da casa, a lógica da masculinidade tóxica fica ainda mais evidente. Apesar de seu relacionamento com Carla, quando o assunto é o jogo, há duas figuras importantes em cena: Projota, a quem ele se alia completamente e procura proteger, e Fiuk, a quem ele tem como opositor. Dentro dessa estrutura, somente outro homem é digno de sua aliança e fidelidade, de um lado, e de sua inimizade e competição, do outro.

Há milhares de exemplos como esse por aí: é só observar quantos homens à nossa volta que só admiram pessoas do mesmo gênero, sejam eles artistas, médicos, filósofos, engenheiros... Assim como só rivalizam com outros homens também. E vejam: essa é uma estratégia excelente para manter o poder em mãos masculinas, pois as disputas estão sempre de um lado do campo. Nesse contexto, as mulheres são vistas como café com leite e o que fazemos não é levado nem a sério.

A heterossexualidade masculina é narcísica. Se, por um lado, as atitudes de Arthur são apenas um reflexo dessa lógica machista que parece influenciar seu comportamento, por outro, isso não tira as mulheres do reality de jogo. Pelo contrário, Carla Diaz continua demonstrando sua inteligência através de uma série de estratégias.

É importante dizer que, uma vez dentro de um ambiente vigiado 24h por dia, qualquer pessoa pode ter determinadas atitudes que não necessariamente correspondam ao seu comportamento fora. O que podemos analisar é o que Arthur faz e não quem ele é. Todos, mesmo os mais reflexivos, estamos sujeitos a agir segundo forças que não dominamos e ele não é exceção.

No programa, o crossfiteiro parece estar preocupado em performar um tipo de masculinidade bastante clichê, mas essa performance pode ser opressora inclusive para ele. Sim, chama-se tóxica porque ela é desagradável para os homens também.

Muitas de nós, mulheres, compreendemos viver em uma sociedade violenta e opressiva para nossos corpos. Mas quando os homens vão perceber que eles também estão deixando de exercer a sua subjetividade, por estarem presos a essas amarras de gênero?

Até quando vai ser coisa de mulher cuidar do outro, se responsabilizar pelas próprias relações, assumir compromisso? Até quando homem só vai poder confiar em outro homem?

O bromance que Arthur tem com Projota é fruto de uma estrutura machista dentro da qual eles dois são peças-chave, mas cuja engrenagem pode vir a engoli-los. Ele não olha para sua parceira afetiva nem como rival, opositora a altura, ou mesmo comparsa e sai perdendo. Será que não está na hora dos homens olharem para as mulheres à sua volta e se questionarem sobre os laços que estabelecem com elas?