PUBLICIDADE
Topo

Me ajuda, como dar um 'chá de sumiço' na internet e redes sociais?

Mulher usando celular com notificações de diversas redes sociais - Suellen Lima/UOL
Mulher usando celular com notificações de diversas redes sociais Imagem: Suellen Lima/UOL

Adriano Ferreira

Colaboração para Tilt*, de Florianópolis

04/03/2022 04h00

Quem já cansou de ter a vida impactada por algoritmos ou da sensação de estar sendo vigiado demais no mundo online talvez já tenha pensado em sumir das buscas na internet. Se esse é o seu caso, é bom ir se preparando: isso não é um processo nada fácil e nem rápido.

Cada passo que damos na internet resulta em rastros que são guardados por diferentes sites como redes sociais, lojas virtuais, serviços de mensagem, buscadores e emails. E para eles, isso faz parte do modelo de negócio — algumas usando para o mal. Agora, se você anda querendo limpar essas pegadas na internet, Tilt ajuda.

Hoje em dia é muito difícil sumir de vez das redes, mas siga as sete dicas abaixo para ao menos diminuir a sua presença no mundo virtual.

1. Limpe históricos

Fazer uma limpeza no histórico de navegação de internet e pesquisas em buscadores é recomendada por especialistas. Para isso, é necessário ir nas configurações do navegador de internet e seguir os passos indicados.

Gustavo Salviano, diretor de tecnologia da empresa Locaweb, empresa de hospedagem de sites e computação em nuvem, acrescenta que é interessante navegar na internet optando pelo modo anônimo, onde o histórico de acessos não fica salvo.

2. Atualize os resultados de buscas do Google

Apesar de não ser possível controlar a maneira como o Google fornece os resultados das buscas, você pode atualizar as páginas que contêm os seus dados publicados, solicitando a remoção aos administradores.

De maneira automática, quando o proprietário da página retirar algum conteúdo, o Google removerá as informações já excluídas dos resultados devido a um processo de atualização — que já é padrão do buscador.

Se o que estiver disponível online tem teor prejudicial que envolva dados pessoais, imagens íntimas ou informações financeiras, utilizadas em doxing (consiste em revelar informações de identificação sobre uma pessoa), por exemplo, é possível solicitar a remoção da publicação através de um formulário.

"Faça buscas no Google, por exemplo, por seus dados pessoais para localizar e remover de sites em que em algum momento se cadastrou. Sem esquecer, também, de remover sua própria conta do Google", explica Salviano.

3. Exclua contas que não usa mais

Visite suas contas em redes sociais como o Twitter, MySpace ou Tumblr, por exemplo, e apague-as se você não as utiliza já há um tempo.

Elabore uma lista de sites nos quais você tem cadastros, desde emails até lojas virtuais, faça o login e encontre onde deletar a sua conta.

Caso encontre postagens em fóruns, use a tática de entrar em contato com o administrador da página para pedir a exclusão do seu post, se não puder deletá-lo.

Se o contato do responsável pela página não estiver claro, é possível fazer uma pesquisa pelo WHOIS com o domínio do site (aquele nome que começa com www), onde pode ter informações sobre a página que incluam o email de alguém responsável. Caso o site tenha sido arquivado pelo repositório WayBackMachine, existem chances de encontrar o contato também.

4. Faça uma faxina nas redes sociais

Apague os rastros deixados nas redes sociais ativas e emails que, provavelmente, possuem muitas informações antigas.

No Gmail, o comando "older_than" + o período desejado, como 6 meses ou 1 ano, será útil para exibir todas as mensagens desse tempo demarcado e então somente será necessário selecioná-las e excluí-las.

As suas fotos ou textos publicados nas redes sociais podem ser salvos antes da exclusão definitiva. As plataformas em geral oferecem o backup que você precisa conferir na configuração de cada uma.

O Google não indexa as postagens antigas do Facebook nos resultados de busca. Porém, para que ninguém veja algo seu na rede social, é importante que seja feita a remoção de cada publicação.

Para isso vá em "Configurações e privacidade", continue em "Registro de atividades" e então haverá diversas opções de conteúdo para excluir, desde suas postagens até as marcações que incluem você.

Se os procedimentos explicados parecem muito trabalhosos, existe a opção de simplesmente excluir na hora as suas contas em cada rede social sem "choro nem vela".

"Se não quiser sair de suas redes sociais, pelo menos deixe seu perfil como privado e sua rede apenas com pessoas que realmente conhece e confia", complementa Salviano.

5. Pegando pesado

Dependendo dos textos e das imagens para remoção de algum site, o procedimento pode levar tempo e por isso não ser tão prático. Em casos que envolvem difamação, intimidade exposta ou outro assunto que prejudique você, o recomendável é solicitar um apoio jurídico.

Os sites de remoção de conteúdo também são uma alternativa para ir mais rápido no seu objetivo. O Jumbo, por exemplo, é um serviço que alerta sobre violações de dados e posts em redes sociais depois em um tempo determinado.

O DeleteMe, que é pago, promete remover as suas informações das corretoras de dados— que são empresas especializadas em coletar e vender informações das pessoas.

No entanto, é bom lembrar que os apagadores de dados acabam tendo acesso aos seus dados, então verifique a política de privacidade deles antes de contratar.

6. Precauções para o futuro

Depois de tantas dicas, é importante definir como você irá usar os sites para permanecer, digamos, "invisível" no mundo virtual. É difícil, mas não custa investigar o que as plataformas digitais e empresas conseguem coletar de dados sobre você.

Tente entender quais informações que aplicativos, como WhatsApp, Instagram, Google, Amazon e Spotify, coletam das contas. É um bom exercício.

"Existem plataformas de email interessantes, em que você pode criar um email com duração temporária, ou que não exigem informações cadastrais para serem criados, podendo ser informados em cadastros que você não precisa utilizar posteriormente, ou que só vai usar durante o processo de compra", diz Salviano.

7. Use VPN

Para navegar na internet de um modo ainda mais privado, uma alternativa é o uso da VPN, segundo Marcelo Chiavassa, professor de direito digital e civil da Universidade Presbiteriana Mackenzie Campinas.

"[São] as redes virtuais privadas, de preferência, pagas, já que as gratuitas acabam sendo alvo de ataques de vírus, e navegadores que se preocupam com questões de privacidade", explica.

*Com informações do Wired