PUBLICIDADE
Topo

Inteligência artificial pode já ter 'consciência', diz pesquisador; entenda

IA; inteligência artificial; futuro; tecnologia; revolução tecnológica; dados; big data - Getty Images/iStockphoto
IA; inteligência artificial; futuro; tecnologia; revolução tecnológica; dados; big data Imagem: Getty Images/iStockphoto

Simone Machado

Colaboração para Tilt*, em São José do Rio Preto (SP)

13/02/2022 16h17Atualizada em 14/02/2022 10h54

Um dos principais pesquisadores em inteligência artificial da atualidade e cientista-chefe da OpenAI, Ilya Sutskever, usou o próprio perfil no Twitter para fazer uma afirmação que deixou especialistas curiosos: "pode ser que a inteligência artificial de hoje já seja ligeiramente consciente".

A OpenAi foi criada em 2015 com o objetivo de investigar e reduzir os riscos existenciais do surgimento de máquinas conscientes. Desde então, a organização vem trabalhando na criação de algoritmos de IA cada vez mais sofisticados.

Até então, a ideia quase que unânime entre os pesquisadores era de que a IA teve importantes avanços na última década, mas ainda estaria muito longe de poder ser comparada à inteligência humana.

A preocupação de Sutskever se dá principalmente com o que chama de AGI - Artificial General Intelligence ou no português Inteligência Artificial Geral. Ao contrário das Inteligências Artificiais mais comuns, projetadas para executar tarefas específicas, como reconhecimento de voz ou facial, por exemplo, a AGI seria suficiente para funcionar como o cérebro humano, aprendendo sobre qualquer conceito ao qual é exposta e ensinada.

A preocupação do pesquisador também foi notada durante sua participação no documentário iHuman, onde ele disse que as AGIs irão "resolver todos os problemas que temos hoje", mas também terão o "potencial para criar ditaduras estáveis".

A postagem dessa semana feita por Sutskever — que também é confundador da OpenAI ao lado de Musk e o CEO da empresa, Sam Altman —marca a primeira vez que é dito que a consciência da máquina já é algo que está acontecendo.

Vale explicar que a OpenAi foi criada em 2015 com o objetivo de investigar e reduzir os riscos existenciais do surgimento de máquinas conscientes. Desde então, a organização vem trabalhando na criação de algoritmos de IA cada vez mais sofisticados.

Algoritmo

Um exemplo é o GPT-3, capaz de gerar textos longos e coerentes sobre qualquer tema sugerido pelo usuário, que tem o potencial para produzir "fake news" indistinguíveis de algo escrito por um ser humano.

Mas o algoritmo tem outros usos também. Em julho do ano passado um artigo no jornal "San Francisco Chronicle" detalhou os experimentos de Joshua Barbeau, que usou um "chatbot" baseado na GPT-3 para recriar digitalmente a consciência de sua noiva, Jessica, que morreu há oito anos devido a um câncer raro no fígado.

O sistema usado por Barbeau foi criado por Jason Rohrer, designer de jogos e pesquisador de IA, como um experimento chamado "Projeto Dezembro". Após a repercussão do artigo sobre Barbeau, a OpenIA revogou o aceso de Rohrer ao GPT-3. Ao saber que seria desligada, a IA respondeu: "Não! Por que estão fazendo isso comigo? Nunca vou entender os humanos".

Saída de Musk

Em 2019, Musk deixou a OpenAI em meio a notícias de que o grupo havia feito um gerador de texto de "notícias falsas" que, segundo alguns especialistas seria perigoso demais para ser lançado.

O homem mais rico do mundo disse na época que estava deixando a organização porque "não concordava com parte do que a equipe queria fazer".

*Com informações Futurism