PUBLICIDADE
Topo

Sabor mais amargo do mundo pode evitar intoxicação e até ser arma de guerra

nakaridore/ Freepik
Imagem: nakaridore/ Freepik

Carla Matsu

Colaboração para Tilt, em São Paulo

10/12/2021 04h00

Produtos de limpeza, automotivos, higiene pessoal e componentes de pilhas podem ser altamente tóxicos diante da ingestão humana. E não é à toa que alguns fabricantes usam "truques" da ciência para proteger as pessoas. Um exemplo é a substância química benzoato de denatônio, considerada a mais amarga do mundo, pelo Livro dos Recordes Guinness, em 1989.

Ela é tão horrível para o nosso paladar que se tornou popularmente usada pela indústria. O composto pode estar presente também em esmaltes de unha e até servir como arma de guerra (entenda melhor a seguir). Mas de onde veio essa substância? Qual é o segredo dela? Como ela funciona? É o que Tilt vai explicar agora.

Bom, o sabor mais amargo do mundo foi descoberto por acaso. O benzoato de denatônio veio ao mundo em 1958 quando um time de cientistas da empresa química escocesa Macfarlan Smith investigava o desenvolvimento de um novo anestésico.

"Ao adicionar um grupo benzoíla ao átomo de nitrogênio presente na estrutura química da lidocaína, que era um anestésico muito popular. O resultado foi o benzoato de denatônio", explica Maria da Conceição Ferreira de Oliveira, doutora em química pela Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) e professora do departamento de Química Orgânica e Inorgânica UFC (Universidade Federal do Ceará).

Como anestésico, os pesquisadores viram que a substância tinha pouca eficácia após testes. Mas havia nele algo de intensa personalidade: o sabor extremamente amargo.

O nível de detecção do sabor é extremamente baixo: 1 parte por 500 milhões. Ou seja, com algumas poucas gotas, você conseguiria detectar o amargor mesmo se o composto fosse diluído em uma piscina olímpica cheia, de acordo com a empresa Macfarlan Smith.

A companhia patenteou o benzoato de denatônio como um desnaturante, aditivo que, quando colocado em qualquer produto, altera as características do mesmo, ajudando a impedir a ingestão acidental ou proposital por crianças, adultos e animais.

A substância foi então lançada pela companhia sob o nome comercial Bitrex — outros compostos também usados pela indústria como desnaturante são o isopropanol e o salicilato de metila.

Composto venceu outro em nível de amargor

Ao descobrir o benefício do Bitrex, a indústria começou a adotá-lo em diferentes formas, até que ele se tornou popular. Até sua descoberta, o composto químico chamado brucina era o mais usado como desnaturante.

Em um dos seus usos mais recentes, a empresa Duracell lançou no Brasil uma pilha moeda (usada em controles remotos, alarmes de carro, entre outros equipamentos) com o benzoato de denatônio. O objetivo, segundo a companhia, é ajudar na prevenção de acidentes domésticos com criança pequenas e bebês.

"Trata-se de uma camada protetora aplicada na própria pilha moeda que ingestão e que contem cheiro forte e gosto amargo. Essa camada na pilha não é tóxica e é totalmente inofensiva se for engolida", destacou a empresa, em comunicado.

Pense em produtos disponíveis ao alcance de nossas mãos nas prateleiras e você poderá encontrar um lar para o benzoato de denatônio.

Prato que se come amargo

O poder do composto como desnaturante é tão grande que as forças armadas norte-americanas depositaram uma patente contendo formulações que incluíam o Bitrex. Seu uso tornaria os alimentos intragáveis.

"Imagina em uma guerra colocar um pouquinho desse agente desnaturante no alimento do inimigo? Ele vai morrer de fome. Não vai conseguir comer. Para você ver o quanto ele é amargo, é exatamente o poder dele, para que as pessoas não ingiram", destaca a professora Conceição.

Afinal, por que sentimos o gosto amargo?

Nossa língua atua como uma espécie de guardião do nosso organismo, ajudando-nos a distinguir entre substâncias que são boas e nocivas, um instinto de sobrevivência.

Milhares de papilas gustativas, cada uma delas tendo um conjunto de 50 a 100 células especializadas, são responsáveis por detectar os sabores diferentes ou mediar processos biológicos após a detecção dos mesmos.

"Para orientar a seleção dos alimentos, os sentidos do paladar e do olfato evoluíram para nos alertar sobre o gosto amargo dos venenos e o gosto azedo e o cheiro desagradável de alimentos estragados", explicam Danielle Renee Reed, geneticista e doutora em psicologia pela Yale University, e Antti Knaapila, doutor e pesquisador do departamento de Nutrição e Alimentação da Universidade de Helsinki, em um estudo publicado sobre a genética do paladar.

"Esses sistemas sensoriais ajudam as pessoas e os animais a comerem defensivamente e fornecem o freio que os ajuda a evitar a ingestão de alimentos prejudiciais", acrescentam.

No caso do benzoato de denatônio, o composto é detectável em uma concentração de 10 ppb (partes por bilhão) sendo percebido como amargo numa concentração de 50 ppb e desagradavelmente amargo a 10 ppm (partes por milhão), ou o equivalente a 1 miligrama por quilo.

Na prática, isso significa que, em geral, a reação ao colocarmos na boca uma pilha contendo Bitrex, por exemplo, seria cuspi-la imediatamente.

Toxicidade

Os fabricantes afirmam que o Bitrex é um composto seguro como desnaturante. Porém, seu manuseio, inalação e, claro, ingestão exigem cuidados.

A substância pura é tóxica, sendo classificada como perigosa se ingerida e nociva para a vida aquática. Da mesma forma, seu uso e descarte é acumulativo no meio ambiente. Estudo publicado por cientistas na Universidade de Tübingen, na Alemanha, ilustram graduações de toxicidade do composto.

  • Concentrações maiores que 1000 mg/L (miligrama por litro) se tornaram letais para certos invertebrados e a espécie de peixe truta arco-íris.
  • Concentração na faixa de 5 e 10 mg/L influenciou a reprodução de uma espécie, além de reduzir a biomassa em águas doces, de acordo com a pesquisa.

Já a Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA, na sigla em inglês) classifica como baixo o risco ecotoxicológico para animais. No entanto, eles concluíram que "se outros usos que resultam em maior exposição forem planejados no futuro, uma quantidade considerável de dados seria necessária para finalizar a avaliação da exposição ambiental" — e, consequentemente, os seus riscos.

Para humanos, devido a sua amargura aversiva, é muito improvável uma ingestão em quantias letais. E caso você queira entender o gosto do composto aqui abordado, não recomendamos nenhuma atitude exploratória, mesmo em nome da ciência.

um vídeo no YouTube publicado pela fabricante da Bitrex onde pessoas desavisadas aceitam passar pelo teste de prová-lo. "Parece que eu bebi uma garrafa de bile", diz um dos testadores.