Topo

Huawei escondeu parceria com Coreia do Norte, diz jornal

Alvo de nova polêmica, Huawei afirmou que "não tem presença comercial na Coreia do Norte" - Getty Images
Alvo de nova polêmica, Huawei afirmou que "não tem presença comercial na Coreia do Norte" Imagem: Getty Images

Bruno Madrid

Do UOL, em São Paulo

22/07/2019 11h43

A Huawei, empresa de tecnologia da China que é alvo de desconfiança e sanções dos EUA, mais uma vez ganhou holofotes na mídia internacional. Desta vez, por um suposto envolvimento secreto e duradouro com a Coreia do Norte, principal "adversária" dos norte-americanos.

Uma reportagem do jornal The Washington Post afirmou que a companhia ajudou o governo norte-coreano a construir (e manter) a rede sem fio comercial do país de Kim Jong-un. Como a Huawei já utilizou tecnologia dos EUA em seus componentes, há dúvidas se houve violação de controle de exportação no fornecimento de equipamentos.

Segundo o jornal, a Huawei e a estatal Panda International Information Technology, também da China, fizeram uma parceria por quase uma década e atuaram em projetos dentro da Coreia do Norte - não se sabe, ao certo, qual seria o papel específico da Huawei no acerto.

Alguns documentos desta parceria - como contratos, ordens de serviço e planilhas de mapeamento - foram obtidos pelo jornal por meio de um ex-funcionário da empresa chinesa, que não quis se identificar por temer retaliações.

Aliança, proibição e código

A Panda, que está desde 2014 na lista negra norte-americana por "supostamente fornecer tecnologia aos militares chineses e/ou para países sob sanções dos EUA", está no centro da questão.

Como a treta China x EUA pode afetar sua banda larga.

Guerra da internet móvel

Segundo o jornal, a Huawei, por meio da estatal, teria fornecido equipamento tecnológico à Coreia do Norte. John Hudson, um dos que assinam a reportagem do Washington Post, diz que "qualquer empresa que fornecesse itens da Panda para a Coreia do Norte contendo pelo menos 10% de conteúdo de origem norte-americana sem licença violaria a proibição de exportação".

No Twitter, Hudson revelou que "em planilhas internas, a Huawei usaria um codinome para a Coreia do Norte (A9), ocultando o local de vários projetos no país isolado".

Ele também citou que "em um fórum, um funcionário da Huawei relembrou como ele ajudou a lançar um projeto em 'A9' em 2008. Entre parênteses, o homem escreveu 'chaoxian' em letras romanas, que significa Coreia do Norte. Um aparente esforço para evitar mencionar o país nome usando caracteres chineses".

A Huawei, segundo o jornal, disse em comunicado que "não tem presença comercial na Coreia do Norte" e afirmou estar "totalmente comprometida em cumprir todas as leis e regulamentos aplicáveis".

O Departamento de Comércio dos EUA vem investigando supostos vínculos entre a Huawei e a Coreia do Norte há três anos, mas nunca havia feito uma relação entre a companhia e o país.

Mais Segurança