PUBLICIDADE
Topo

Thiago Gonçalves

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Neil deGrasse Tyson provoca: 'eclipse lunar é realmente tão bonito?'

Eclipse da Lua - Peter Ward (Barden Ridge Observatory)
Eclipse da Lua Imagem: Peter Ward (Barden Ridge Observatory)
Conteúdo exclusivo para assinantes
Thiago Signorini Gonçalves

Thiago Signorini Gonçalves é doutor em astrofísica pelo Instituto de Tecnologia da Califórnia, professor do Observatório do Valongo, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), e coordenador de comunicação da Sociedade Astronômica Brasileira. Utilizando os maiores telescópios da Terra e do espaço, estuda a formação e evolução de galáxias, desde o Big Bang até os dias atuais. Apaixonado por ciência, tenta levar os encantos do Universo ao público como divulgador científico.

19/05/2022 04h00

Essa foi a pergunta — polêmica! — levantada pelo famoso astrônomo Neil deGrasse Tyson após o eclipse lunar da madrugada de segunda-feira (16). Segundo ele, esse tipo de eclipse é "tão mundano que se ninguém avisasse sobre o que está acontecendo com a Lua, você provavelmente nem notaria". Palavras fortes.

O cientista e comunicador norte-americano está correto em um aspecto: eclipses lunares não são tão raros. Acontecem a cada dois ou três anos, e podem ser observados, a princípio, por qualquer pessoa na metade do planeta virada para a Lua no momento.

O eclipse solar, por outro lado, é muito mais difícil de ser observado; por ser um corpo muito menor, a sombra gerada pela Lua na superfície da Terra é diminuta. É uma questão de estar no lugar certo na hora certa.

Nada disso quer dizer que o evento seja mundano, no entanto. Ver a "Lua de Sangue", com a coloração avermelhada causada pela atmosfera terrestre que modifica o pouco de luz solar que consegue atingir a Lua durante o eclipse, é um belo espectáculo, mesmo para quem já viu vários eclipses.

Mais importante ainda, na minha opinião, é a oportunidade que isso representa para a divulgação científica.

Gerar interesse pela ciência é sempre um desafio, e os eclipses são um excelente chamariz. Mesmo que os eclipses não sejam raros, não seria uma boa ideia aproveitar a ocasião para falar sobre os astros, sobre o sistema solar, sobre telescópios? Se a astronomia está em todos os jornais, vamos tirar vantagem disso!

Divulgação da treta

Pessoalmente, acredito que o próprio Neil deGrasse Tyson saiba disso. No entanto, ele também se aproveita de outro fenômeno bastante comum: a viralização da polêmica, ou a chamada "treta".

Estudos científicos já mostraram que notícias e postagens que geram uma forte reação emocional (sejam notícias verdadeiras ou não) são aquelas que são compartilhadas mais eficientemente, e mais rapidamente. Não é à toa que recebi várias vezes o tuíte desvalorizando o eclipse, mesmo de pessoas que discordam do conteúdo.

Se queremos valorizar a ciência de verdade, devemos ser cuidadosos com o conteúdo que compartilhamos nas redes, separando os trolls e os influencers caçadores de cliques de quem realmente tem interesse em engajar o público com a pesquisa e as grandes descobertas. E ignorar quem não contribui para um diálogo positivo.

Dessa forma, vamos olhar para cima e apreciar o espetáculo, sim. Que afinal de contas é belíssimo, mesmo para esse astrônomo aqui que já viu vários eclipses ao longo da vida.