PUBLICIDADE
Topo

Thiago Gonçalves

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Como descobrir se um planeta pode abrigar vida? Entenda a ciência de dados

Impressão artística do planeta L 98-59b, parte do sistema planetário analisado no estudo - M. Kornmesser/ ESO
Impressão artística do planeta L 98-59b, parte do sistema planetário analisado no estudo Imagem: M. Kornmesser/ ESO
Conteúdo exclusivo para assinantes
Thiago Signorini Gonçalves

Thiago Signorini Gonçalves é doutor em astrofísica pelo Instituto de Tecnologia da Califórnia, professor do Observatório do Valongo, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), e coordenador de comunicação da Sociedade Astronômica Brasileira. Utilizando os maiores telescópios da Terra e do espaço, estuda a formação e evolução de galáxias, desde o Big Bang até os dias atuais. Apaixonado por ciência, tenta levar os encantos do Universo ao público como divulgador científico.

12/08/2021 04h00

Na última semana, recebemos notícias do estudo sobre o sistema planetário L 98-59, a 35 anos-luz de distância de nós. A investigação detalhada sobre os planetas ao redor desta estrela abre portas para entendermos muito sobre a formação de sistemas como o nosso próprio Sistema Solar.

Por exemplo, ao analisar os dados, a equipe liderada por Olivier Demangeon, da Universidade do Porto, conseguiu inferir a presença de um planeta com menos da metade da massa de Vênus. Seria o planeta mais leve já descoberto através da técnica de velocidade radial, que mostra a presença de planetas observando o movimento de sua estrela hospedeira causado pela atração gravitacional do próprio planeta.

Muitas notícias, no entanto, destacaram um resultado secundário do trabalho, que concluiu que L 98-59d, outro planeta do mesmo sistema, teria uma composição de até 30% de água. Segundo María Rosa Zapatero Osorio, outra astrônoma autora do estudo, isso significa que ali poderia haver oceanos e uma atmosfera capaz de abrigar vida.

Embora seja verdade que o oceano pode existir, é importante frisar que essa conclusão é muito menos robusta. A composição de planetas é algo muito mais difícil de se medir, e a descoberta está mais sujeita aos modelos utilizados e a incertezas estatísticas.

Mais importante ainda é como ainda sabemos pouco sobre o processamento físico de materiais voláteis, como a água, em sistemas planetários.

Os próprios autores discutem o caso semelhante do sistema TRAPPIST-1, descoberto em 2017. Neste sistema, trabalhos indicam que a radiação recebida pela estrela poderia causar um efeito estufa tão forte que a água evaporaria, e o planeta perderia o equivalente a 20 oceanos terrestres para o espaço.

Ou seja, concluir que o planeta pode abrigar vida depende de muitas variáveis.

Ainda é cedo para tomar qualquer conclusão, e precisamos de muito mais dados para concluir de forma inequívoca a presença de oceanos em L 98-59d.

O problema aqui, a meu ver, é o atrativo de se falar em vida quando estamos noticiando a descoberta de exoplanetas.

Claro, a possibilidade de encontrarmos pequenos seres verdes com anteninhas tem um grande apelo popular. Da mesma forma, a perspectiva de não estarmos sozinhos no universo é uma eterna fonte de reflexões e conversas de bar, o que facilita muito a divulgação do trabalho na imprensa.

Ao mesmo tempo, corremos o risco de exagerar o destaque do resultado para além do rigor científico.

Até mesmo a discussão da chamada "zona habitável", ou seja, aquela distância da estrela onde não é nem muito quente nem muito frio e poderia haver oceanos líquidos, é muito discutida na comunidade científica.

Afinal, Marte está na zona habitável e não é exatamente um planeta agradável. Vênus está um pouco mais próximo ao Sol que a zona habitável, mas é um inferno de 460 graus graças ao violento efeito estufa causado por sua atmosfera. Dificilmente são exemplos de planetas habitáveis.

A próxima geração de telescópios, que estarão operacionais até o final da década, oferecerão muitos dados a respeito, e poderemos entender muito melhor sobre a existência de água e a composição da atmosfera de planetas fora do Sistema Solar.

Espero que esses dados nos permitam discutir a habitabilidade de planeta para além da especulação e o imaginário de contatos imediatos com extraterrestres.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL