Topo
REPORTAGEM

Camisa-de-vênus virou camisinha, mas por que o preservativo tem esse nome?

Bem antes de ser produzida com látex sintético, a camisinha era feita de linho, pele de animais ou outros materiais Imagem: iStock
exclusivo para assinantes
Tiago Jokura

24/01/2022 04h00

Por que a camisinha tem esse nome? - Pergunta de Daniel Dias, São Paulo (SP) - quer enviar uma pergunta também? Clique aqui.

Questionamento um tanto precoce, infante paulistano, mas vamos lá.

Para nos revestir de conhecimento sobre porque chamamos o preservativo masculino de camisinha convidei o linguista e filólogo Thomas Finbow, do Departamento de Linguística da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP (FFLCH-USP).

A camisinha nossa de cada dia é um diminutivo da expressão camisa-de-vênus, que, de acordo com Finbow, têm suas origens lá na Idade Média.

Começando de trás para frente: por que a tal camisa é "de Vênus" e não "de Marte" ou de outra divindade qualquer? Finbow comenta que trata-se de uma evidente associação com a deusa romana do amor.

"Além disso, as doenças ou infecções sexualmente transmitidas (DST/IST), cuja prevenção era o principal objetivo da criação dos preservativos, eram chamadas de 'doenças venéreas', ou seja, que vinham 'de Vênus'", diz.

A ideia era de que tais enfermidades eram castigos enviados pela deusa aos humanos.

E onde entra a "camisa" nessa história? "É provável que 'camisa', do latim camisia, se refira à função do preservativo de cobrir ou 'vestir' o pênis e ao fato de que, antigamente, havia preservativos feitos de linho, que era o mesmo tecido das camisas", afirma Finbow.

Ainda de acordo com o filólogo, na década de 1560, o médico italiano Gabrielle Fallopio (sim, o mesmo que nomeia as trompas ou tubas uterinas) deixou registrada a primeira descrição do preservativo de linho.

"Fallopio afirma ter testado a capa de linho em 1.100 homens e nenhum deles teria contraído sífilis, a principal preocupação dos usuários à época", completa.

Além do linho (e de qualquer associação com camisas, portanto), a humanidade testou vários materiais como barreira para evitar não somente doenças como também a gravidez. Desde a Antiguidade, diversas culturas fizeram uso de variados materiais, como papel de seda, tripas, bexiga, cascos, chifres e peles de animais etc.

Com a invenção da vulcanização, em meados do século 19, pelo americano Charles Goodyear, a borracha passou a ser mais elástica e moldável e roubou a cena. Mas o reinado da borracha só durou até os anos 1920.

O modelo de fabricação que vigora até hoje, mergulhando cilindros de vidro em uma solução de látex, criado pelo polonês-alemão Julius Fromm, resultava em um preservativo mais fino e mais elástico do que a borracha —e sem emenda ou costura!

Não à toa, o látex acabou tornando-se a principal matéria-prima na confecção das camisinhas até hoje.

O cenário, contudo, está ficando mais diverso: materiais alternativos ao látex, como o poliuretano e o poliisopreno (látex sintético) ganham espaço ao atender pessoas alérgicas ao látex e prometendo mais sensibilidade —já que conduzem melhor o calor.

Pronto, depois de mais uma dúvida devidamente desnudada, esta coluna recomenda: vista camisinha!

Tem alguma pergunta? Deixe nos comentários ou mande para nós pelo WhatsApp.

Comunicar erro

Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Camisa-de-vênus virou camisinha, mas por que o preservativo tem esse nome? - UOL

Obs: Link e título da página são enviados automaticamente ao UOL


Pergunta pro Jokura