PUBLICIDADE
Topo

Guilherme Rambo

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Lossless e espacial: novidades em áudio da Apple são para seus ouvidos?

Andrea Piacquadio/ Pexels
Imagem: Andrea Piacquadio/ Pexels
Guilherme Rambo

Guilherme Rambo é programador desde os 12 anos. Especialista em engenharia reversa, é conhecido mundialmente por revelar os segredos da Apple antes mesmo dos anúncios da empresa, além de programar para as plataformas da empresa.

21/05/2021 04h00

A semana começou com novidades no Apple Music, o serviço de streaming de músicas da Apple. A empresa divulgou que, a partir de junho, o serviço ganhará duas novidades: áudio lossless e áudio espacial. As novidades chegam sem nenhum custo adicional para os assinantes e farão parte de todos os planos do Apple Music. Como tudo que envolve o nome da Apple, o anúncio trouxe alguma controvérsia.

Antes de explicar o motivo dessa controvérsia, preciso explicar o que é o áudio lossless.

Lossless é um termo técnico que significa literalmente "sem perda". Para que seja possível transmitir uma música na internet, os serviços de streaming utilizam métodos de compressão lossy (com perda), como o MP3 ou o AAC. De forma bem resumida, esses formatos de compressão removem frequências (teoricamente) inaudíveis das músicas para reduzir o tamanho do arquivo.

Embora a proposta dessa compressão seja reduzir o tamanho do arquivo comprometendo a qualidade do áudio o mínimo possível, ocorre alguma perda nos detalhes do áudio, o que a gigantesca maioria das pessoas é incapaz de perceber.

Para a parcela mínima de audiófilos que notam — ou dizem notar — essa diferença, serviços de streaming têm oferecido opções de áudio sem perda, a Apple sendo a empresa mais recente a entrar nessa brincadeira.

Porém, para que seja possível tirar proveito desse streaming sem perda, é necessário equipamento especializado, capaz de transformar os bits digitais em sinais analógicos para os alto-falantes dos fones de ouvido, que também precisam ser de alta qualidade.

Voltando à controvérsia: nenhum fone de ouvido da Apple é capaz de fazer isso atualmente. Nem mesmo os caríssimos AirPods Max são capazes de reproduzir áudio lossless a ponto da diferença ser perceptível. Isso se dá porque o protocolo Bluetooth que eles utilizam tem seu próprio método de compressão, baseado no codec AAC, que é lossy (com perda).

Apple Music lossless - Apple - Apple
Áudio lossless disponível na Apple Music
Imagem: Apple

A questão é: você deve ser importar com isso?

A resposta é: não.

Se você não for um sommelier musical, capaz de perceber (ou que finge ser capaz de perceber) as "notas de amora e tom amadeirado" da música, a única coisa que conseguirá fazer escutando música lossless será gastar mais banda da sua internet e armazenamento do seu iPhone.

Mas não foi somente isso que a Apple anunciou, teve outra novidade muito mais interessante para meros mortais como nós.

Áudio espacial

A outra novidade anunciada pela Apple para o Music foi o áudio espacial. O recurso já está disponível nos AirPods Pro e AirPods Max, mas até o momento somente para conteúdo em vídeo (inclusive séries e filmes do TV+).

Funciona assim: sensores de movimento nos fones acompanham a rotação da cabeça do usuário e adaptam a direção dos sons para simular um ambiente tridimensional.

AirPods Max - Arquivo pessoal/ Guilherme Rambo - Arquivo pessoal/ Guilherme Rambo
AirPods Max
Imagem: Arquivo pessoal/ Guilherme Rambo

Para o Apple Music, a Apple anunciou que está trabalhando com diversos artistas e produtoras para trazer mixagens especiais das músicas feitas em Dolby Atmos, garantindo essa experiência mais imersiva na hora de ouvir as músicas.

O recurso chegará em "milhares de faixas" logo no lançamento, começando por artistas como Ariana Grande, Maroon 5, Kacey Musgraves, The Weeknd, entre outros.

O acesso ao recurso dependerá do usuário estar no iOS 14.6, que deve ser lançado nas próximas semanas, além, é claro, da assinatura do Apple Music (plano pessoal, familiar ou Apple One).

Em termos de hardware, qualquer fone da Apple ou Beats com chip W1 ou H1 (ou seja, quase todos) será capaz de tirar proveito do recurso, mas eu suspeito que o efeito será mais interessante nos AirPods Pro e AirPods Max que possuem hardware especializado para áudio espacial.

Na minha visão, o lossless foi adicionado apenas como um recurso para se manter alinhado à concorrência, visto que outros serviços já ofereciam a opção. O que fará a diferença mesmo para a maioria dos usuários será o áudio espacial.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL