PUBLICIDADE

Topo

Flashback


É dia de comemorar os 34 anos de The Legend of Zelda

O herói Link e sua égua Epona, dupla que protagoniza aventuras em The Legend of Zelda - Divulgação
O herói Link e sua égua Epona, dupla que protagoniza aventuras em The Legend of Zelda
Imagem: Divulgação

André V. C. Franco

Do GameHall

21/02/2020 04h00

Há 34 anos, precisamente no dia 21 de fevereiro de 1986, a Nintendo lançou Zeruda no Densetsu, ou The Legend of Zelda, para os íntimos. Criação de Shigeru Miyamoto e Takashi Tezuka, Zelda é um RPG de ação que não apenas foi uma referência em sua época, como se tornou uma das franquias mais importantes de todos os tempos.

Com mais de 19 jogos lançados entre derivados e títulos da linha principal, a série permanece com fôlego total graças ao sucessos recentes de Breath of the Wild e o remake de Link's Awakening. E como toda história de sucesso tem um começo, vamos contar algumas curiosidades dos primórdios de The Legend of Zelda.

The Legend of Mario e Super Zelda Bros.

Embora Super Mario Bros e The Legend of Zelda sejam, obviamente, jogos muito diferentes, ambos compartilham não apenas uma origem comum, como até mesmo algumas características de jogo, como o fato de ambos os protagonistas precisarem salvar uma princesa e derrotar um vilão bestial no final. Primeiramente, Zelda e Mario foram desenvolvidos juntos e pela mesma equipe, mas com Mario adotando um desenho linear, enquanto Zelda - cujo nome de desenvolvimento era apenas "Adventure" - tinha desenho não-linear, aberto.

Por conta de seu desenho mais simples e direto, Super Mario Bros acabou sendo lançado primeiro, enquanto Zelda foi desenvolvido para aproveitar as vantagens do Famicom Disk System, um acessório que permitia ao Famicom ler disquetes com jogos. Com isso, Zelda podia contar com uma campanha mais longa, e mais importante, o jogador podia salvar seu progresso no disquete, recurso que no cartucho exigia caras e inseguras baterias.

Essa origem comum foi referenciada em jogos posteriores de ambas as franquias. Em Link's Awakening, Link passa por curtos trechos em rolagem lateral e pode até saltar sobre Goombas, enquanto que um retrato de Mario pode ser visto no Castelo de Hyrule quando Link se encontra com Zelda pela primeira vez em Ocarina of Time. Super Mario 3D Land, por sua vez, tem uma fase que reproduz um calabouço típico dos jogos Zelda, com direito ao efeito sonoro de descoberta no final:

O vídeo abaixo compila boa parte dessas referências:

Link Pan e Zelda Fitzgerald

Link, o protagonista presente em todos os jogos da série, foi enormente inspirado por Peter Pan, como Shigeru Miyamoto explicou em uma entrevista para o site francês Gamekult em 2004:

"Na realidade, a sprite de Link foi desenhada pelo senhor (Takashi) Tezuka. À época, como você sabe, o NES era muito limitado, nós só tinhamos direito a três cores. Assim, nós queríamos um personagem reconhecível. O que eu queria, antes de tudo, é que ele usasse sua espada e seu escudo, e que fosse visível. Nós o desenhamos com grandes braços para que pudessemos ver na tela. Era preciso também criar um herói que a gente pudesse distinguir de seus braços, apesar de seu tamanho pequeno. Então a gente pensou em um chapéu longo e longas orelhas. Isso nos evocou um personagem elfico, então fomos nessa direção. Na época, quem falava de personagem com orelhas pontudas falava em Peter Pan, e como eu amo Disney, nós começamos a nos inspirar pelo desenho. Não completamente, evidentemente, isso não teria ficado legal? A partir daí, eu me dizia que o verde de Peter Pan servia perfeitamente. Ora, e como nós eramos limitados a três cores, e havia muitos ambientes de foresta no jogo, verde sobre verde, isso nos convia muito bem, portanto seguimos esse caminho."

Reprodução
Imagem: Reprodução

Na mesma entrevista, Miyamoto explicou a origem do nome de Link:

"Essa não é uma história muito conhecida, mas na época, quando começamos a concepção de The Legend of Zelda, nós imaginávamos que os fragmentos da Triforce seriam na verdade chips de computador! Zelda deveria ser sobre um jogo que passaria no passado e no futuro. E como o herói faria uma ligação entre um e outro, nós o chamamos de "Link", ligação em inglês. Mas no final, Link jamais foi ao futuro e permaneceu como um herói de jogo de fantasia."

A influência de Peter Pan não ficou restrita à aparência e nome de Link no jogo original. Shadow Link, a sombra maligna de Link e chefe final de Zelda II: The Adventure of Link (também sub-chefe em Ocarina of Time) foi diretamente inspirado pela cena do longa animado em que Peter Pan briga para capturar sua própria sombra. Para fechar a conta, os kokiris, crianças que nunca envelhecem, presentes pela primeira vez em Ocarina of Time, foram diretamente inspiradas pelos garotos perdidos, crianças que também não envelhecem, do universo Peter Pan.

A princesa Zelda, por sua vez, deve seu nome à célebre romancista Zelda Fitzgerald, por um lado. Por outro, ganhou seu nome também por um motivo bem mais prosaico: Miyamoto gostava da sonoridade do nome "Zelda".

Quase remakes

Reprodução
Imagem: Reprodução

Embora o The Legend of Zelda original nunca tenha recebido um tratamento de remake, como o recente Link's Awakening de Nintendo Switch, ou como as edições 3DS de Ocarina of Time e Majora's Mask, o jogo tem uma história curiosa a esse respeito. Em 1994, a Nintendo lançou no Japão o Satella View, um periférico que permitia ao SNES receber uma série de conteúdos via satélite. Pagando uma mensalidade, os jogadores tinham a um serviço que incluía jogos exclusivos, e um deles foi justamente BS Zeruda no Densetsu, ou simplesmente BS Zelda. Visualmente similar ao original, e com mecânica de jogo quase igual, essa versão foi dividida em quatro partes, transmitidas em horários pré-marcados, como se fossem um programa de televisão. Durante essas transmissões, a voz de um narrador era acionada para guiar o jogador durante a partida. Segundo o site Zelda Fandom, essas transmissões ocorreram originalmente de 09 a 30 de agosto de 1995.

Zelda/Gamepedia
Imagem: Zelda/Gamepedia

Quatro anos depois, em 1999, The Legend of Zelda original quase foi refeito novamente. A Capcom, via Yoshiki Okamoto, desenvolvedor e produtor de Street Fighter, propôs refazer o primeiro Zelda para Game Boy. A ideia seria utilizar esse remake para pegar a manha dos jogos Zelda e depois partir para novos títulos. A Nintendo, por sua vez, topou a parceria, mas propôs partir direto para jogos novos. Assim nasceu o "project triforce", que seriam três jogos inéditos interligados por um sistema comum de password. Devido à dificuldade técnica para implementar tal sistema, o projeto foi reduzido para dois jogos, The Legend of Zelda: Oracle of Seasons e The Legend of Zelda: Oracle of Ages, ambos lançados para GameBoy Color em 2001.

Didyouknowgaming
Imagem: Didyouknowgaming

Curiosamente, Oracle of Seasons acabou herdando algumas semelhanças com o Zelda original, a começar pelo primeiro calabouço do jogo (Gnarled Root Dungeon), cujo layout é similar ao primeiro calabouço do original de NES. Além disso, ambos compartilham o mesmo chefe, o monstro Aquamentus, e até mesmo a entrada exterior é a mesma, com uma árvore morta indicando a entrada para o calabouço. Ainda sobre chefes, Dodongo, Ghoma, Digdogger e Gleeok, todos chefes do jogo original, reaparecem em Oracle of Seasons.

Meu nome não é Zelda!

Reprodução
Imagem: Reprodução

Quem é fã da série certamente conhece alguém que já perguntou se aquele garoto de gorro verde se chama Zelda (da mesma forma que ainda tem gente que chama todos os pokémon de Pikachu), assim como os entusiastas do cosplay certamente já ouviram comentários dos tipo "legal essa fantasia de Zelda" enquanto trajados de Link. Parte dessa confusão (responsável por sua vez por inúmeras piadas e memes) se deve ao fato de que a arte da caixa e do adesivo do cartucho de The Legend of Zelda não exibirem o nome de Link em nenhum lugar.

Reprodução
Imagem: Reprodução

Como nem todo mundo se dava ao trabalho de ler o manual (onde o nome Link está registrado como o herói da aventura), e o jogo exigia que o jogador inscrevesse um nome em um dos slots de save para começar a campanha principal, a confusão começava aí. Isso porque ao escrever "ZELDA", o jogador incauto iniciava o jogo no modo "second quest", uma versão mais difícil e com itens trocados de lugar, da campanha de jogo.

Ainda sobre isso, The Legend of Zelda: Link's Awakening apresenta um easter egg com o nome da princesa-título: ao escrever "ZELDA"(com todas as letras em maiúscula), a tela de save toca uma versão alternativa do tema de Zelda.

A tradição vem todo ano

Nos 34 anos que marcam a trajetória de The Legend of Zelda até hoje, o que fica é o registro de uma franquia que atravessou gerações, soube se reinventar com o tempo, conquistou inúmeros jogadores e influenciou gerações de game designers. Dos primitivos grafismos 8-bits até o moderno mundo aberto de Breath of the Wild, a lenda da princesa Zelda continua a encantar com suas aventuras épicas, cheias de desafios e sortilégios.

Tradição essa que começou com um disquete amarelo intitulado "A Lenda de Zelda", posteriormente trazido ao ocidente em um imponente cartucho dourado. O resto é história. A lenda ainda continuará por muitas e muitas gerações.

Os principais games da série Zelda

  • The Legend of Zelda (1986)
  • The Adventure of Link (1987)
  • A Link to the Past (1991)
  • Link's Awakening (1993)
  • Ocarina of Time (1998)
  • Majora's Mask (2000)
  • Oracle of Seasons e Oracle of Ages (2001)
  • Four Swords (2002)
  • The Wind Waker (2002)
  • Four Swords Adventures (2004)
  • The Minish Cap (2004)
  • Twilight Princess (2006)
  • Phantom Hourglass (2007)
  • Spirit Tracks (2009)
  • Ocarina of Time 3D (2011)
  • Skyward Sword (2011)
  • A Link Between Worlds (2011)
  • Tri Force Heroes (2015)
  • Breath of the Wild (2017)
  • Link's Awakening (2019)

SIGA O START NAS REDES SOCIAIS

Twitter: https://twitter.com/start_uol
Instagram: https://www.instagram.com/start_uol/
Facebook: https://www.facebook.com/startuol/
TikTok: http://vm.tiktok.com/Rqwe2g/
Twitch: https://www.twitch.tv/start_uol

Flashback