PUBLICIDADE

Topo

eSport


Marvel vs. Capcom 2 volta para o EVO, e os fãs comemoram

Hulk x Zangief, quem leva a melhor? - Divulgação
Hulk x Zangief, quem leva a melhor?
Imagem: Divulgação

Jefferson Kayo

Colaboração para o START

06/02/2020 20h00

Marvel vs. Capcom 2 está de volta. Em comemoração aos 20 anos de lançamento, o game de luta terá um torneio especial durante a edição 2020 do Evolution Champioship, o EVO, principal e mais prestigiado evento de jogos de luta do mundo.

O anúncio deixou os fãs e a comunidade de jogos de luta (FGC) em polvorosa. O game que juntava heróis da Marvel (muito antes de os filmes de Vingadores fazerem sucesso) contra Ryu, Ken e personagens de Mega Man e Resident Evil foi muito importante para a cena de jogos de luta que temos hoje. Explicaremos aqui o porquê.

"I wanna take you for a ride"

O retorno de MVC2 não é um retorno qualquer. O EVO 2020 vai ser palco para um campeonato dos campeões (2ourmanet of Champions, no oficial), um torneio de convidados reunindo oito dos maiores jogadores de MVC2. Quatro deles já estão garantidos como os campeões originais (Du Doc, Yipes, Justin Wong e Sandford Kelly). Os quatro restantes serão escolhidos no futuro, só não se sabe ainda como.

Nas redes sociais, os fãs (e os memes) estavam incontroláveis:

Um jogo quebrado

O primeiro torneio de MVC2 aconteceu em 2000, antes mesmo de o EVO ser o EVO. Antigamente, ele era chamado de Battle by the Bay, e a edição específica foi o B4. Com exceção de Super Street Fighter II Turbo, MVC2 foi um dos games com mais participações dentro da competição.

Na época, muita gente torceu o nariz para o game. O primeiro Marvel vs. Capcom: Clash of Super Heroes reinava absoluto. Não à toa, foram anos de preparação e aprimoramento do estilo de jogo que começou em 1994 com X-Men: Children of Atom e Marvel Super Heroes, passando pela era dos crossovers com X-Men vs. Street Fighter e Marvel vs. Street Fighter, culminando em Marvel vs. Capcom. Combos aéreos, sistema de tag, assists, especiais tudo funcionava redondinho.

Aí com MVC2, a primeira impressão era a de que o jogo tinha "piorado". A principal razão disso era a escolha da Capcom de alterar o layout de botões do game, escondendo os ataques médios junto dos ataques fracos. Assim teríamos quatro botões de ataque e dois botões destinados à troca de personagens e ao novo sistema de assistência do game.

Jogadores podiam pedir assistência de outro boneco durante as partidas - Reprodução
Jogadores podiam pedir assistência de outro boneco durante as partidas
Imagem: Reprodução

No entanto, todo o restante das suas qualidades obliterou qualquer crítica. A troca de sistemas fez bem ao game, que abandonou a famosa CPS-II (placa de fliperama que hospedou clássicos da empresa como Darkstalkers, Dungeons & Dragons, Super Street Fighter II, a série Street Fighter Alpha, entre outros), e passou a adotar o sistema NAOMI, da Sega.

Isso rendeu ao jogo cenários tridimensionais que se misturavam aos sprites dos bonecos tradicionais, feito inédito dentro dos jogos de luta até então. Os 56 personagens também impressionavam, ainda mais comparados aos 15 (sem contar os secretos) da versão anterior.

Eram mais de 50 bonecos para escolher - Reprodução
Eram mais de 50 bonecos para escolher
Imagem: Reprodução

O aumento para três personagens jogáveis ao mesmo tempo deixou tudo mais dinâmico. O sistema de assist foi atualizado e era possível escolher entre três variações de ataque. Eram tantas escolhas dentro do game que a ideia de que o jogo tinha sido "nerfado" aos poucos desaparecia da mente do jogador.

O retorno de personagens clássicos dos primeiros jogos da parceria Marvel e Capcom agradou tanto quanto os novos personagens inseridos no game. Spiral, Iceman, Silver Samurai, Doom, Thanos, Anakaris, B.B. Hood, Jill Valentine, Hayato, o elenco era absurdo de bom.

O jogo das massas

O que ninguém esperava era que a comunidade de jogadores abraçaria e adotaria MVC2 como o game de uma geração. A vida de muitas pessoas mudou definitivamente após o seu encontro com o crossover definitivo da Capcom.

Um jogo cheio de combos infinitos e combinações que fariam qualquer um arrancar os cabelos ou bater no amigo ao lado no fliperama. Sem a possibilidade de atualizações, pois estamos falando de fliperamas no início dos anos 2000, era preciso aprender a conviver com aquilo e se adaptar em vez de banir personagens (banir nunca é a solução).

O tal do "hype", aquele negócio que faz as pessoas se levantarem das suas cadeiras, que faz você ficar sem respirar, que te coloca para gritar a plenos pulmões, era forte com este filho.

Marvel vs. Capcom 2 não era só um desses jogos de luta de nicho dentro do nicho. A comunidade em peso permaneceu ativa no game até o seu último suspiro, em 2010 (em 2011 seria lançado MVC3). Até hoje seu estilo frenético, preciso e malabarístico serve de referência para os lançamentos do mercado, sejam continuações ou jogos inéditos (olá, Dragon Ball FighterZ).

Marvel vs Capcom 2 (2000)

Os quatro maiores de Mahvel

E apesar da disputa acirrada nos torneios, em 10 anos de competições apenas quatro jogadores foram consagrados campeões de Marvel vs. Capcom 2.

São esses quatro que foram convidados agora para o torneio comemorativo no EVO 2020: Du Doc, Yipes, Sandford Kelly e Justin Wong. Esses quatro são figuras lendárias dentro da cena de MVC2, mesmo que alguns deles tenham deixado de lado um pouco os torneios por conta das cobranças da vida adulta.

Du Doc se tornou uma lenda dentro do cenário competitivo da época, pois foi o primeiro campeão de Marvel vs. Capcom 2 no EVO (e depois ganhou de novo em 2005).

Michael Mendonza, o Yipes, é o o cara que sempre sabe o que dizer na frente de um microfone, é responsável pelas narrações mais insanas de MVC2, criando jargões ("is Mahvel Baybee!") e apelidos que são utilizados até os dias de hoje. Ele foi campeão no EVO 2007.

Yipes se tornou narrador e comentarista nos torneios de jogos de luta - Reprodução
Yipes se tornou narrador e comentarista nos torneios de jogos de luta
Imagem: Reprodução

Sanford Kelly, o mais novo dentre os campeões de MVC2 no EVO, venceu seu primeiro torneio em 2009. Kelly é famoso por seus surtos de raiva, como quando jogou um controle arcade no chão durante um streaming e meio que não está nem aí para isso.

Já Justin Wong é, sem dúvidas, o maior competidor da história de Marvel vs. Capcom 2. Ele venceu sete vezes o EVO, provando que aquele era o seu jogo, o seu mundo.

Justin Wong é o maior nome do cenário competitivo de Marvel vs. Capcom  - Reprodução
Justin Wong é o maior nome do cenário competitivo de Marvel vs. Capcom
Imagem: Reprodução

Wong também protagonizou um dos momentos mais icônicos do EVO, e não estou falando do EVO Moment #37, mas sim do clássico "Never Give Up", uma lição que todos os jogadores da FGC levam a sério desde então.

A partida em questão era a final do EVO 2007, a qual Justin Wong realizou um feito quase impossível: virar uma partida de MVC2 com apenas um personagem. Engraçado com as coisas são dentro desse universo, pois da mesma forma que Daigo não venceu o torneio em que realizou o EVO Moment #37, Justin também não venceu o campeonato de MVC2 naquele ano.

O embate dessas lendas e toda a celebração da história e legado de Marvel vs. Capcom 2 nos veremos no EVO 2020, que acontece entre os dias 31 de julho e 2 de agosto em Las Vegas, nos Estados Unidos.

SIGA O START NAS REDES SOCIAIS

Twitter: https://twitter.com/start_uol
Instagram: https://www.instagram.com/start_uol/
Facebook: https://www.facebook.com/startuol/
TikTok: http://vm.tiktok.com/Rqwe2g/
Twitch: https://www.twitch.tv/start_uol

eSport