PUBLICIDADE

Topo

eSport


FalleN quer MiBR recomeçando do zero e mundial no Rio como prioridade

Aos 28 anos, Gabriel "FalleN" Toledo é capitão da MiBR, principal time brasileiro de Counter-Strike - Divulgação/BLAST
Aos 28 anos, Gabriel "FalleN" Toledo é capitão da MiBR, principal time brasileiro de Counter-Strike
Imagem: Divulgação/BLAST

Gabriel Oliveira

Colaboração para o START

12/01/2020 04h00

Resumo da notícia

  • FalleN é considerado embaixador de Counter-Strike no Brasil; é "parça" de Neymar e já recebeu telefonema do presidente Jair Bolsonaro
  • Depois do sucesso na SK Gaming, ele e seus companheiros tentam levar a MiBR de volta a um lugar de destaque no circuito mundial
  • Conhecido como "O Verdadeiro", ele é sincero na entrevista: analisa o Governo Bolsonaro e comenta polêmicas do cenário de Counter-Strike

Ele é "parça" de Neymar, "embaixador" de Counter-Strike: Global Offensive (CS:GO) no Brasil e já recebeu ligação do presidente Jair Bolsonaro para falar sobre impostos e games. Mas, acima de tudo, Gabriel "FalleN" Toledo é capitão da equipe brasileira Made in Brazil (MiBR), uma das maiores do mundo. E uma de suas missões agora é ajudar o time a se recuperar do ano ruim de 2019 e voltar ao topo.

Antes de embarcar para a temporada 2020 no exterior, FalleN passou por São Paulo e conversou com o START sobre os planos da equipe. O primeiro torneio aconteceu dias depois da nossa conversa: na quinta-feira (9), a MiBR chegou até a final da qualificatória para a IEM Katowice, mas perdeu para a norte-americana Cloud9 por 3 a 1 na série melhor-de-cinco. Apesar do resultado, FalleN e a torcida ficaram empolgados com o desempenho, que pode indicar um bom recomeço para o time.

Uma das formações da MiBR em 2019, ainda com o uniforme verde-e-amarelo - Divulgação/MIBR
Uma das formações da MiBR em 2019, ainda com o uniforme verde-e-amarelo
Imagem: Divulgação/MIBR

Reconstrução da MiBR

Em 2019 a MiBR teve campanhas insatisfatórias e enfrentou polêmicas e mudanças no elenco. Agora, os brasileiros querem se reerguer para chegar voando ao campeonato mundial que será realizado no Rio de Janeiro, em maio. Para 2020, o clube contratou o argentino Ignacio "meyern" Meyer, jovem promessa de 17 anos, em substituição a Lucas "Lucas1" Teles, que havia entrado menos de seis meses antes de ser dispensado.

Trata-se de uma estratégia diferente das adotadas nas mudanças de elenco anteriores, visto que as contratações eram sempre de pro-players já estabelecidos no mercado. Agora, com um novato ainda em ascensão, a MiBR tem a oportunidade de se reinventar para voltar ao topo do mundo, posição que os jogadores do time chegaram a ocupar nas temporadas de 2016 e 2017.

"Eu acho que precisamos recomeçar e parar de implantar pessoas numa coisa existente. Temos de realmente começar do zero. Reformular planos de jogo, a maneira de jogar. Um novo começo e, a partir daí, ir melhorando a cada campeonato e aprendendo com as coisas que forem acontecendo para tentarmos criar uma solidez na equipe para as performances serem mais constantes", projeta FalleN, em entrevista ao START em São Paulo.

Ele destaca que a expectativa por bons resultados sempre existe, mas pondera que a consistência desta nova equipe, reconstruída do zero com praticamente as mesmas peças de 2019, pode demorar a vir. Por isso, segundo FalleN, é preciso que o time tenha paciência. "Não podemos cair no erro de, indo mal em uma ou duas competições, [pensar que] temos de trocar alguém. Grandes equipes precisam de tempo para se formar e temos de acreditar no nosso pessoal. Temos de dar tempo para este time e cobrar postura interna e comprometimento. Vamos para 2020 com gás renovado, estou esperançoso e bastante animado".

Grandes equipes precisam de tempo para se formar e temos de acreditar no nosso pessoal. Temos de dar tempo para este time e cobrar postura interna e comprometimento

Fallen comemora jogada ao lado de TACO e do técnico Zews - Divulgação/MIBR
Fallen comemora jogada ao lado de TACO e do técnico Zews
Imagem: Divulgação/MIBR

A preocupação com as trocas no elenco tem razão de existir. Foram seis alterações entre dezembro de 2018 e dezembro de 2019. Uma delas após a saída do astro Marcelo "coldzera" David, que, desmotivado, deixou a line-up antes de importantes competições internacionais, no meio da temporada passada. A insatisfação dele e a reação dos ex-companheiros, exaltando a felicidade da equipe, provocaram polêmica.

"Cada caso é um caso", diz FalleN sobre as constantes mudanças. Ele admite, contudo, que as trocas podem prejudicar o desempenho do time, embora isso seja imprevisível no momento em que a substituição ocorre. Em 2016, exemplifica o capitão, ao trazer Lincoln "fnx" Lau e Epitácio "TACO" Pessoa, o time decolou e iniciou uma sequência de conquistas. "Quando você muda, não sabe qual será o resultado. É fácil falar que uma troca foi errada depois que analisa por um tempo, não conquistou nada e não teve uma melhora significativa. Mas, no momento em que as alterações são realizadas, é porque acreditamos que vão fazer mais sentido a curto, médio e longo prazos".

FalleN conta que Lucas1, contratado no fim de junho e colocado na reserva no início de dezembro de 2019, saiu por razões técnicas e pelo desejo do time de apostar em um novo talento.

Um "hermanito" entre nós

Aos 17 anos, o argentino "meyern" é a aposta da MiBR para renovar a equipe - Divulgação
Aos 17 anos, o argentino "meyern" é a aposta da MiBR para renovar a equipe
Imagem: Divulgação

O clube buscou jogadores brasileiros emergentes, mas acabou optando pelo argentino meyern, que se destacou pela Isurus Gaming e pela Sharks Esports. Ele tem menos de três anos de carreira.

"Temos de prestar bastante atenção para, ao mesmo tempo que queremos passar nossos conhecimentos, não podarmos demais o jeito que o meyern gosta de jogar. Deu para ver que o meyern é superhabilidoso e tem coisas que ele faz no jogo que precisamos procurar manter. Ele tem tudo para aprender muito com quem está na equipe e também ensinar", analisa FalleN.

Apesar das mudanças constantes de elenco, o capitão da MiBR e Fernando "fer" Alvarenga estão na equipe desde o início da formação, em 2015.

FalleN sustenta que um dos dois só sairia por desempenho muito ruim ou descumprimento de normas internas, o que ainda não é o caso.

Fer e Fallen fizeram história na SK Gaming e agora formam a espinha dorsal da MiBR - Divulgação/HLTV
Fer e Fallen fizeram história na SK Gaming e agora formam a espinha dorsal da MiBR
Imagem: Divulgação/HLTV

"Este time foi montado por nós desde o começo. Para eu ou fer sairmos da equipe, só se realmente nossos desempenhos tiverem muito abaixo ou se não estivermos indo bem nas diretrizes internas de performance e comprometimento, e acredito que isso não esteja faltando, porque senão não estaríamos aqui até hoje. Não se pode julgar pelos resultados que a gente vem tendo. Eu acho que temos muito para queimar, e 2020 pode ser um ano de provação para nós dois", comenta o capitão.

Major no Brasil é prioridade

Torcida da MiBR em um raro torneio com o time no Brasil: a BLAST Pro Series, que aconteceu em São Paulo em 2019 - Divulgação/BLAST
Torcida da MiBR em um raro torneio com o time no Brasil: a BLAST Pro Series, que aconteceu em São Paulo em 2019
Imagem: Divulgação/BLAST

Uma das motivações desta temporada é o campeonato mundial, o chamado major, que acontecerá pela primeira vez no Brasil. A ESL One Rio 2020 será disputada na "Cidade Maravilhosa", de 11 a 24 de maio. A competição é definida por FalleN como prioridade máxima para a MiBR em 2020.

"Significa tudo para nós vencer uma competição no Brasil", crava o cyber-atleta, lembrando que o time falhou em ser campeão de outros torneios internacionais realizados no nosso país. "É um título que estou buscando há bastante tempo. Desde o começo do CS:GO, tive três oportunidades de jogar aqui e não consegui vencer. Seria para mim o top da carreira. Sendo um major no Brasil, melhor ainda. É o foco número 1 do time para este ano".

Desde o começo do CS:GO, tive três oportunidades de jogar aqui e não consegui vencer. Seria para mim o top da carreira
FalleN comenta a chance de disputar um Major no Brasil

FalleN promete dedicação em "desenvolver e melhorar a equipe para que no major possamos ter uma boa performance e, quem sabe, vencer". "Nunca temos certeza da vitória, só podemos ter certeza do trabalho bem feito. Vamos voltar a dar 100% de foco para chegarmos da melhor maneira possível para este campeonato".

O capitão acredita, aliás, que o apoio do público brasileiro pode ser decisivo no caminho rumo ao título em casa. "Dá para ganhar. A torcida brasileira vai fazer a diferença e nós temos que fazer a nossa parte".

Fallen com o "parça" Neymar em 2016, quando ainda estava na SK Gaming -
Fallen com o "parça" Neymar em 2016, quando ainda estava na SK Gaming

Polêmica em premiação nacional

Eleito por especialistas o melhor pro-player de CS:GO do País em 2019 no Prêmio Esports Brasil, FalleN admite que não teria dado a premiação para si próprio. Kaique "KSCERATO" Cerato e Yuri "Yuurih" Gomes, ambos da FURIA Esports, que chegou a superar a MiBR no ranking internacional de equipes do site especializado HLTV.org, eram os outros finalistas.

Na última temporada, a MIBR não chegou a nenhuma final, não conquistando títulos, portanto, e somou diversas eliminações precoces.

Eu não teria dado o prêmio para mim mesmo, porque já joguei muito melhor em outros anos
FalleN, sobre o Prêmio eSports Brasil 2019

"Eu não teria dado o prêmio para mim mesmo, porque já joguei muito melhor em outros anos", explica FalleN. "Eu acho que teria dado para o Yuurih. Os dois [da FURIA] jogaram muito bem. É difícil dizer, porque há opiniões para todos os lados. Eles jogaram em nível de competição um pouco mais abaixo, isso influencia também, mas fizeram um bom ano e foram os destaques".

No dia do prêmio, KSCERATO publicou várias mensagens no Twitter deixando claro que não concordava com a entrega da honraria a FalleN. "Sinto muito mas seu critério não é digno de reconhecimento", escreveu o astro da FURIA, referindo-se ao corpo de jurados do evento e recebendo críticas e elogios da comunidade.

Questionado sobre as declarações de KSCERATO, FalleN respondeu que não tinha muito a dizer sobre o assunto. "Eu, se fosse premiar, levaria outras coisas em consideração. Cabe a cada um julgar".

O capitão faz elogios a KSCERATO e à performance da FURIA na última temporada e não esconde que a MiBR tinha interesse na contratação do jogador. O clube chegou a fazer propostas por membros da organização rival, mas as negociações não avançaram.

Seria KSCERATO, portanto, sonho de consumo da MiBR? "Difícil dizer", reflete FalleN. "Eles estão vivendo um bom momento lá. Ele é um dos melhores jogadores que o Brasil mostrou no cenário internacional. Então, qualquer equipe que o tiver estaria muito bem".

Fallen começou jogando profissionalmente pela Keyd, em 2015, e brilhou com a SK Gaming entre 2016 e 2018 - Divulgação/HLTV
Fallen começou jogando profissionalmente pela Keyd, em 2015, e brilhou com a SK Gaming entre 2016 e 2018
Imagem: Divulgação/HLTV

Avaliação do Governo Bolsonaro

Bem articulado e empreendedor, FalleN também não deixa de discutir política publicamente. Em publicações no Instagram, já se manifestou sobre a reforma da Previdência. Em julho passado, conversou por telefone com o presidente Jair Bolsonaro, recebendo a promessa de redução de impostos na área de jogos eletrônicos.

No mês seguinte, decreto do Governo Federal diminuiu as alíquotas de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) de consoles e acessórios. O incentivo ficou, portanto, restrito à importação de determinados equipamentos, sem alívio tributário para a indústria nacional, por exemplo.

Na entrevista ao START, FalleN disse que o presidente cumpriu o que prometeu no telefonema e contou que depois nunca mais conversou com Bolsonaro. "Ocorreu basicamente o que ele tinha falado, que iria ter uma redução gradual dos impostos no que se refere à importação de games, esse tipo de coisa, e não tive mais nenhum contato sobre outros assuntos".

Na sequência, o capitão fez uma análise do primeiro ano de Bolsonaro na Presidência, destacando que acredita ter havido progresso no País, mas que se decepcionou com o que chamou de "coisas obscuras".

Às vezes achamos que as coisas vão ser de um jeito e acabam sendo de outro. Eu acho que o Bolsonaro perdeu oportunidades de fazer o que tinha prometido em algumas áreas

"Gostei bastante dos ministros [Sergio] Moro [de Justiça e Segurança Pública] e Tarcísio [Gomes de Freitas, da Infraestrutura]. Parecem realizar um bom trabalho. O que eu não gostei é que tem coisas rolando nos bastidores, principalmente referentes ao filho do presidente, às vezes achamos que as coisas vão ser de um jeito e acabam sendo de outro. Eu acho que o Bolsonaro perdeu oportunidades de fazer o que tinha prometido em algumas áreas", analisa FalleN.

Ainda assim, o profissional de CS:GO vê o ano de 2019 como positivo para o Brasil. "Nem todos vão cumprir a fio tudo o que dizem. Fica uma decepção em umas áreas, mas bastante contentamento por outras. No geral, eu acho que o Brasil deu uma guinada boa em 2019. Vamos ver como será em 2020".

Fallen e o time da MiBR dão autógrafos em encontro com a torcida em São Paulo - Gabriel Oliveira/UOL
Fallen e o time da MiBR dão autógrafos em encontro com a torcida em São Paulo
Imagem: Gabriel Oliveira/UOL

SIGA O START NAS REDES SOCIAIS

Twitter: https://twitter.com/start_uol
Instagram: https://www.instagram.com/start_uol/
Facebook: https://www.facebook.com/startuol/
TikTok: http://vm.tiktok.com/Rqwe2g/
Twitch: https://www.twitch.tv/start_uol

eSport