Topo

eSport


GuiFera: Campeão de PES, focado nas vitórias e fã de Ronaldinho Gaúcho

GuiFera (centro) levanta o troféu do mundial de PES no modo cooperativo - Divulgação
GuiFera (centro) levanta o troféu do mundial de PES no modo cooperativo Imagem: Divulgação

Tiago Alcântara

Colaboração para o START

10/08/2019 04h00

Trabalhe com o que você ama e, em pouco tempo, você nunca vai amar mais nada. O jogador profissional de "Pro Evolution Soccer" Guilherme "GuiFera" Fonseca não chega a tanto, mas confessa que não consegue deixar de lado a competitividade. Quando pergunto se ele ainda joga um PES só para curtir, a resposta é direta: "Difícil, eu jogo sempre os torneios online valendo premiação, então a diversão fica em segundo plano".

Primeiro brasileiro a vencer um campeonato mundial de PES na categoria individual, no torneio de 2017, o brasileiro voltou há poucas semanas de Londres com mais um mundial na bagagem. Desta vez, o título na categoria cooperativa da PES League. Capitão do time, "GuiFera" subiu ao pódio ao lado de Wanderley "Alemão" Gomes e Ralph Monteiro representando o time da eLigaSul Stars.

Na final os brasileiros bateram o Wani, representante asiático, por 2 a 0. O troféu, no entanto, não veio sem um pouco de confusão.

Título no cooperativo, polêmica no individual

Uma postagem do italiano Ettore "Ettorito" Giannuzzi, vice-campeão na modalidade individual este ano, chamou a atenção de vários seguidores do circuito competitivo. Era uma mensagem com ofensas aos brasileiros. O texto tinha termos como "porcos brasileiros" e "povo de m...", todos direcionados para GuiFera e vários outros jogadores brasileiros que estavam na torcida pelo adversário de Ettorito nas finais.

O brasileiro explica que as animosidades começaram antes, na fase de grupos do modo cooperativo. "A minha equipe empatou contra a equipe dos japoneses e, consequentemente, o time do Ettorito foi eliminado. Aí, o pai dele e os companheiros de equipe já começaram a vaiar nossa equipe e insultar o povo brasileiro", comenta o jogador da eLigaSul Stars. Já no dia seguinte, durante as disputas individuais da PES League, GuiFera se lembra do rival comemorando sua eliminação e a de outro brasileiro, Henrique "HenryquinhO" Mesquita.

A tensão era visível na partida de GuiFera contra Ettorito nas eliminatórias do modo 1v1.

O clima ficou pior depois que os brasileiros escolheram torcer pelo adversário do italiano na final. Depois de ser derrotado, Ettorito fez a tal postagem. "Achei uma atitude ridícula de um mau perdedor e um crime de racismo", dispara GuiFera.

Apesar do acontecido, o brasileiro diz que não existe nenhuma rivalidade exagerada com os jogadores profissionais de outros países. "Eu, particularmente, acredito que não [existe rivalidade], mas alguns europeus que menosprezam o povo sul-americano", explica.

Antes de rodar o mundo e conviver com adversários marrentos, GuiFera precisou mostrar que era melhor do que um rival muito mais próximo: o próprio pai. "Meu pai sempre gostou [de simuladores de futebol], quando nasci já tinha um videogame em casa que era o PlayStation. Eu não era o melhor em casa [risos], perdia sempre para o meu pai de pequeno e chorava", conta o hoje jogador profissional.

Eu não era o melhor em casa [risos], perdia sempre para o meu pai e chorava.
GuiFera, sobre jogar contra o pai na infância

GuiFera durante as finais da PES League 2019  - Divulgação
GuiFera durante as finais da PES League 2019
Imagem: Divulgação

Que tiro foi esse?

O que quem não acompanha o jovem pode não saber é que, antes, GuiFera resolvia seus problemas com chumbo grosso. Ou, quase isso, já que era fã de "Counter-Strike". "Até jogava bem o Counter Strike 1.6, mas tive que parar para dedicar ao PES", conta o jogador profissional, que até hoje acompanha o cenário competitivo do jogo de tiro.

Foi justamente nessa modalidade de eSports que Fonseca encontrou um de seus ídolos: Gabriel Toledo de Alcântara Sguário. Ou, para quem entende do riscado, o FalleN. Não é para menos, um dos nomes mais influentes dos esportes digitais do país, o jogador profissional de "CS: Global Offensive"foi capaz de manter a humildade, segundo Fonseca.

FalleN é um cara muito humilde, mesmo com todas suas conquistas, conheci ele pessoalmente e sempre o acompanhei.
GuiFera, pro-player de PES

E nos gramados reais, tem alguém que o pro-player admira? A resposta também vem de bate pronto: "Recentemente, conheci o Ronaldinho Gaúcho, ele é embaixador da liga da qual eu faço parte, a eLigaSul. Foi uma experiência incrível".

Com um ídolo como o "bruxo" do lado, não tem como faltar inspiração nas partidas, não é mesmo?

Mais eSport