PUBLICIDADE

Topo

"Crackdown 3" foi adiado por modo campanha ainda estar incompleto

Em "Crackdown 3", jogadores poderão destruir cenários e contar com poder extra proveniente de um sistema de processamento na nuvem - Divulgação
Em "Crackdown 3", jogadores poderão destruir cenários e contar com poder extra proveniente de um sistema de processamento na nuvem Imagem: Divulgação

Do UOL, em São Paulo

18/07/2016 16h01

Inicialmente previsto para o final de 2016, "Crackdown 3" foi atrasado para 2017. Uma das razões para tal foi dada pelo chefe de marketing do Xbox, Aaron Greenberg, que afirmou que o atraso se deu porque a agenda de 2016 para o Xbox já estava recheada de bons jogos. O executivo, porém, acabou sendo desmentido por uma colega de trabalho.

Trata-se da chefe-geral do Xbox Studios, Shannon Loftis - que, à época da E3, havia dito que o Project Scorpio poderia, sim ter games exclusivos. Segundo ela, o trabalho em torno de "Crackdown 3" gira, no momento, em torno do desenvolvimento do modo campanha do jogo.

"Construir esses jogos de mundo aberto é, em partes iguais, desafiador e explosivo, porque você precisa desenvolver todos os sistemas que interagem entre si. E isso tem que ocorrer antes que você consiga experimentar qual a sensação causada pelo jogo, desenvolva suas missões e conte a história", disse.

Loftis acrescenta que essa é a campanha mais ambiciosa já criada pelo Microsoft Studios. "Dependendo de como você optar por destruir no ambiente, haverá grandes reações em toda a cidade. Gangues, por exemplo, poderão se unir para combater o jogador".

Com lançamento em 2017 para PC e Xbox One, "Crackdown 3" deverá ganhar um beta ainda neste ano.