PUBLICIDADE
Topo

Ricardo Feltrin

Exclusivo: Band já duplicou faturamento da F1 na temporada 2022

O holandês Max Verstappen, agora campeão do mundo - Red Bull
O holandês Max Verstappen, agora campeão do mundo Imagem: Red Bull
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

12/01/2022 04h05

Os corredores (e o departamento comercial) da Band estão em festa com a Fórmula 1.

A coluna apurou que para a temporada de 2022 a emissora já dobrou o número de anunciantes e o faturamento em relação ao ano passado.

A estimativa do mercado é que no ano passado a Fórmula 1 da Band movimentou mais de R$ 50 milhões. Este ano, já dobrou.

A temporada de F1 começa no dia 20 de março com o GP do Bahrein e termina em 20 de novembro em Abu Dhabi -uma semana antes será o GP do Brasil, em São Paulo (13 de novembro).

O sucesso comercial da F1 este ano tem relação direta com 2021, quando a modalidade trouxe resultados históricos para a emissora.

Na vitória emocionante de Max Verstappen em Abu Dhabi, por exemplo, a Band chegou em alguns momentos a encostar no "Esporte Espetacular", da Globo.

E tem mais

A Band não comenta jamais dados comerciais, mas as boas notícias não param no automobilismo: os primeiros indicadores apontam que o faturamento da emissora -como um todo- em janeiro já disparou na comparação com o mesmo mês no ano passado.

Parte do motivo também atende pelo nome de Fausto Silva, claro.

Como esta coluna analisou, a contratação da ex-estrela da Globo, a própria Fórmula 1 e outras atrações já mudaram o patamar comercial da TV da família Saad.

Por "mudar de patamar", entenda-se: hoje custa mais anunciar na Band que no ano passado.

Em compensação o que o mercado chama, no jargão, de "entrega" (de resultados) aos anunciantes também dobrou —e em alguns casos triplicou.

Ricardo Feltrin no Twitter, Facebook, Instagram e site Ooops