PUBLICIDADE
Topo

Ricardo Feltrin

"JN" lidera, mas perde ibope em SP; "Gênesis" cresce no horário

William Bonner e Renata Vasconcellos na bancada do "Jornal Nacional", da Globo                              - reprodução
William Bonner e Renata Vasconcellos na bancada do "Jornal Nacional", da Globo Imagem: reprodução
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

22/05/2021 00h09

Após um ano de pandemia, o cansaço do telespectador com noticiários já pode ser observado a partir da audiência do principal telejornal do país —o "Jornal Nacional"—, e justamente no principal mercado da publicidade: São Paulo.

Dados exclusivos de audiência obtidos pela coluna mostram que em março e abril do ano passado, no início da pandemia, o "JN" registrou em São Paulo médias de 33,9 pontos e 31,9 pontos de audiência, respectivamente.

Cada ponto nessa medição regional equivale a cerca de 76,5 mil domicílios sintonizados.

Um ano depois, no mesmo bimestre, o "JN" fechou março com 29,6 pontos e abril com 27,4. Em maio, a queda aparentemente continua: 26,6 pontos até o momento.

Na média anual a queda do "JN" já é de 12% (31,6 em 2020, e 27,8 pontos até agora).

Sim, o JN" continua líder absoluto de audiência, tanto no país como em São Paulo, mas pela primeira vez em muito tempo apresenta um viés de queda acentuado.

JN x JR e Gênesis

Além do possível enfado do telespectador (paulista e paulistano) com assuntos tão recorrentes (embora vitais) como a pandemia de coronavírus e uma crise política e econômica que parece não ter fim, há outras "forças" na concorrência contra o telejornal global.

A Record está colocando no mesmo horário do "JN" dois produtos distintos: o "Jornal da Record" e a novela "Gênesis". A estratégia está dando certo.

Os dois produtos estão registrando dois dígitos no ibope. O "JR" está dando 10 pontos de média; "Gênesis", 13 pontos. No horário anterior a "Gênesis" a Record registrava meros 8 pontos.

Com essas duas produções a emissora da Barra Funda teve um acréscimo de ibope de quase 46% (passou de 7,8 pontos para 11 pontos).

No mesmo horário, porém, para comparação, o SBT desabou de 9,1 pontos para 6,6 pontos.

Todos os dados desta coluna foram obtidos junto a fontes nas emissoras. A Kantar Ibope Media, que faz a medição, não pode, por questões contratuais, divulgar essas informações à imprensa.

Veja agora mês a mês, desde janeiro de 2020, a audiência média do "Jornal Nacional"

Dados do JN na Grande São Paulo
Em pontos de ibope e share (%)

2020

janeiro - 29,8 pontos e 44,5% de share
fevereiro - 30,5 e 43,7%
março - 33,9 e 45,8%
abril - 31,9 e 43,1%
maio - 31,9 e 44,4%
junho - 30,4 e 44,0%
julho - 30,3 e 43,7%
agosto - 31,6 e 44,2%
setembro - 31,1 e 43,8%
outubro - 29,2 e 42,0%
novembro - 28,9 e 40.9%
dezembro - 25,6 e 40,4%

Média de 2020 - 30,5 pontos e 43,4% de "share"

2021

janeiro - 26,6 e 39,2%
fevereiro - 28,3 e 40,5%
março - 29,6 e 41,6%
abril - 27,4 e 39,3%
maio* - 26,6 e 38,1%

*maio até dia 20

Média 2021 (maio até dia 20) - 27,8 pontos e 39,9% de "share"

** Fonte: Dados da Kantar Ibope Media, obtidos pela coluna de forma independente

Ricardo Feltrin no Twitter, Facebook, Instagram e site Ooops