PUBLICIDADE
Topo

Ricardo Feltrin

Assista: Globo faz demissão inédita em seu alto escalão

Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

01/12/2020 12h24

Ao menos desde 2018 a Globo vem fazendo um enorme plano de enxugamento de cargos e salários. O objetivo é se adequar aos novos tempos.

Milhares de funcionários já foram demitidos em todas as áreas, no maior "passaralho" da história da emissora.

São trabalhadores da dramaturgia, jornalistas, pessoal de produção e demais setores do grupo.

Os cortes e reformulações devem continuar ao menos até 2022. Algumas fontes dizem que pode, inclusive, ir até 2024.

Não se resume à TV. Portais como Gshow, G1, o jornal "O Globo", a gravadora Som Livre (que já está à venda) e o Sistema Globo de Rádio também estão na mira.

Mas, a maior prova de que a Globo está fazendo cortes verticais (de cima a abaixo), e não se limitando apenas ao elenco ou aos baixos escalões, aconteceu este ano. Especificamente nos últimos meses e na semana passada.

É sobre isso que o colunista Ricardo Feltrin fala esta semana em seu espaço no canal do UOL no YouTube.

Cortes verticais (ninguém escapa)

Apenas este ano a Globo já demitiu mais diretores do que em todos os anos desde sua fundação, 55 anos atrás.

Algumas saídas já eram previstas havia anos, como a de Carlos Henrique Schroeder (anunciada na semana passada).

Outras, como Silvio de Abreu (dramaturgia), Marcius Melhem (humor), Sergio Valente (comunicação) e Mônica Albuquerque (Acompanhamento Artístico), pegaram e estão pegando o mercado e a imprensa de surpresa.

Claro, todos já têm ou terão substitutos, mas uma coisa é certa: os salários dos novos nomeados será bem menor que o dos demitidos.

Tudo isso faz parte do projeto "Uma Só Globo", que o Grupo vem fazendo em parceria com a empresa especializada Accenture.

O objetivo é "otimizar processos", eliminar cargos e gastos e se preparar para a nova realidade, que inclui o streaming e algo que nem estava previsto: o mundo das produções pós-pandemia.

Detalhe: os cortes ainda estão longe de acabar.

Ricardo Feltrin no Twitter, Facebook, Instagram e site Ooops

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL