PUBLICIDADE
Topo

Ibope: Desfalcado e sem novidades, SBT tem pior julho da história

Silvio Santos tem muitos problemas para resolver em sua TV - Reprodução/SBT
Silvio Santos tem muitos problemas para resolver em sua TV Imagem: Reprodução/SBT
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

10/08/2020 09h36

Nenhuma emissora aberta está sendo tão afetada pela pandemia de coronavírus e a quarentena como o SBT. Nem mesmo a pequenina RedeTV está sofrendo impacto semelhante.

Com uma grade de programação confusa, sem personalidade, com vários apresentadores idosos afastados, exibindo reprises de programas insípidos e com um jornalismo mambembe, a emissora de Osasco amarga em números a chamada lei de causa e efeito.

Os números da Kantar Ibope Media consolidados mostram que no mês passado, na Grande São Paulo, o SBT registrou o pior julho de sua história na região —a mais importante para a publicidade.

Apesar disso, graças à queda generalizada de audiência o SBT conseguiu se segurar no 2º lugar por alguns décimos, deixando a rival Record em terceiro.

Na comparação julho de 2019 com julho de 2020 é fato que todas as TVs abertas e mesmo os canais pagos perderam público.

No entanto, a queda do SBT é assombrosa pela proporção.

Na faixa horária entre 7h e 0h (o chamado horário comercial da TV, que concentra mais de 80% dos anúncios publicitários), o SBT perdeu cerca de 1 em cada 3 telespectadores.

Na faixa matinal, o jornalismo popularesco do "Primeiro Impacto" e a troca abrupta de público pelo "Bom dia & Cia" também tiveram resultado negativo semelhante: 30% a menos de audiência em São Paulo.

O mesmo ocorreu nas tardes do SBT: -31% em pontos de audiência.

No valioso horário nobre a queda foi um pouco menor, mas não menos preocupante: -27%.

O que chama atenção mesmo são as madrugadas da TV de Silvio Santos.

Se essa faixa era um instrumento que ela tinha para abrir distância da rival Record, que nesse horário tem programação religiosa, o SBT está vendo o jogo virar.

Na comparação de julho de 2019 com julho de 2020 o SBT perdeu nada menos que 41% em pontos de audiência mas madrugadas. Quase metade do público que assistia ao canal nesse horário desistiu.

A situação só não ficou pior porque a Record também perdeu audiência nessa faixa: -22%

Repetindo, todas as TVs abertas —sem exceção— perderam público nessa comparação.

Só que os números do SBT são os mais espantosos (negativamente falando).

Outro lado

Em nota enviada à coluna nesta segunda (10), o SBT reforçou que na média anual segue sendo a vice-líder isolada. Segue a nota:

"Mesmo com a flutuação periódica de audiência, na média anual, entre janeiro e julho de 2020, o SBT ocupa a segunda colocação na principal praça do Brasil.

Nesse período, ainda na média dia, o canal tem 5,2 pontos. A primeira colocada tem 13,2, a terceira 4,7 pontos de média e a quarta colocada tem 1,8 na média dos sete primeiros meses do ano.

A emissora permanece na segunda colocação consecutiva na Grande São Paulo desde abril de 2017, e acumula 5,9 pontos na média desses 40 meses. A terceira colocada está atrás, com 5,1 de média. Comunicação SBT."

Ricardo Feltrin no Twitter, Facebook, Instagram e site Ooops

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL