PUBLICIDADE
Topo

Coreia do Sul pode criar exceção para membros do BTS atrasarem alistamento

A banda de K-pop BTS visita o "Today" Show no Rockefeller Plaza - Cindy Ord/WireImage
A banda de K-pop BTS visita o "Today" Show no Rockefeller Plaza Imagem: Cindy Ord/WireImage

Da EFE, em Seul

13/10/2020 13h45

O governo da Coreia do Sul está buscando um sistema que permita criar uma exceção para que artistas, como do grupo BTS, possa atrasar o cumprimento do serviço militar, que é obrigatório para todos os homens no país.

A informação foi confirmada nesta terça-feira pelo diretor de Administração Militar de Pessoal, Mo Jong-hwa, durante uma sessão no Parlamento local.

"O assunto está sendo discutido entre todos os órgãos públicos envolvidos", disse o dirigente, que antecipou que será requerido o que chamou de "consenso nacional", para avançar com o tema.

Mo explicou que o objetivo da Administração Militar de Pessoal é encaminhar uma proposta para o Parlamento ainda neste mês, para que seja permitido que artistas possam atrasar o serviço militar, caso haja recomendação do Ministério da Cultura.

No país, é obrigatório que os homens de até 30 anos se apresentem para um período de 18 a 21 meses às forças militares. Foi o caso, por exemplo, do atacante Son Heung-Min, do Tottenham, que teve que se apresentar, embora com período reduzido.

O jogador de futebol acabou sendo liberado do serviço integral, após conquistar o título dos Jogos Asiáticos, torneio de pouco prestígio internacional, que disputou, justamente, por ser uma das condições para não precisar passar quase dois anos entre os militares.

Recentemente, o parlamentar Noh Woong-rae, do Partido Democrata, que faz parte da base do governo, defendeu que artistas com os integrantes do BTS deveriam estar sujeitos a exceções, para favorecer o "interesse nacional".

Neste fim de semana, o grupo de pop fez uma série de shows online, que foi visto por mais de 100 milhões de usuários.