PUBLICIDADE
Topo

Por que Johnny Depp sugere que filha de Amber Heard é de Elon Musk?

Amber Heard publica foto com filha, que nasceu de barriga de aluguel - Reprodução/Instagram
Amber Heard publica foto com filha, que nasceu de barriga de aluguel Imagem: Reprodução/Instagram

De Splash, em São Paulo

06/05/2022 04h00

Desde que o ator Johnny Depp, 58, e sua ex-mulher Amber Heard, 35, resolveram se enfrentar no tribunal, detalhes chocantes e sombrios da vida das celebridades estão sendo revelados. Além de muitas cenas de violência e abuso de drogas, o caso jogou luz até na paternidade da filha da atriz.

Há rumores de que Depp planejaria aproveitar a ação para saber da atriz se Oonagh Paige Heard, que nasceu em 8 de abril de 2021, é filha de Elon Musk, o empresário da Tesla e da SpaceX.

O nome do bilionário já foi citado algumas vezes na Corte.

Heard e Musk tiveram um breve relacionamento logo após a separação da atriz, de maio a agosto de 2016.

O ex-agente de Depp foi chamado para mostrar emails de Heard desabafando sobre sua relação com o bilionário, dizendo que não o amou.

O próprio ator trouxe evidências de que a ex, com quem foi casado de 2015 a 2017, o traiu com Musk. Ela sempre negou a traição.

amber - Reprodução/Instagram @amberheard - Reprodução/Instagram @amberheard
Amber Heard posta foto com sua filha no colo enquanto trabalha
Imagem: Reprodução/Instagram @amberheard

A defesa do ator tenta, com isso, insinuar que a criança pode ser filha do homem mais rico do mundo, e com isso colocar em jogo a credibilidade da atriz.

Heard anunciou o nascimento da sua filha, em julho de 2021, e na época disse: "Há quatro anos, decidi que queria ter uma criança. Eu queria fazer isso em meus próprios termos".

"Agora aprecio o quão radical é para nós, como mulheres, pensar sobre uma das partes mais fundamentais de nossos destinos dessa maneira. Espero que cheguemos a um ponto em que seja normalizado não querer uma aliança para ter um berço", finalizou.

Ela nunca revelou quem seria o pai do bebê, mas confirmou que usou uma barriga de aluguel.

O julgamento

Depp e Heard voltaram ao tribunal no dia 11 de abril por acusações mútuas de difamação, depois que ela publicou em 2019, no jornal The Washington Post, um artigo em que se descreve como uma "figura pública que representa a violência doméstica".

A atriz não cita Depp, mas o ator a processou por difamação. Ele pede US$ 50 milhões em danos por insinuações de que ele era um agressor.

Um primeiro julgamento aconteceu em 2020, em Londres, e Depp perdeu. Agora a disputa acontece nos Estados Unidos, no condado de Fairfax, nos arredores de Washington (Virgínia), onde o Washington Post é impresso.

O que cada lado alega

Em 2016, Heard entrou com uma ordem de restrição contra Depp e alegou abusos. Ela afirmou em audiência que, no dia em que completou 30 anos, foi agredida pelo ator. "Acordar no meu 30º aniversário coberta por vidro, fiquei de coração partido."

O casamento dos dois terminou um mês depois dessa agressão: no dia 23 de maio de 2016. Em 2017, o divórcio foi finalizado.

O ator nega as acusações e afirma que também foi agredido por Heard. No processo, os advogados de Depp fizeram um esforço para apresentar Heard como a violenta do casal e uma "mentirosa compulsiva" que havia inventado um caso contra o ator durante anos para impulsionar sua carreira.

Depp acusou a atriz de buscar "publicidade positiva para si mesma" antes do lançamento do filme "Aquaman" (2018), do qual ela foi protagonista. Em seguida, processou o tabloide britânico The Sun por retratá-lo como um "espancador de mulheres".

Neste primeiro julgamento, foram revelados detalhes do relacionamento do casal, e o veredito foi de que o ator cometeu violência doméstica contra Amber em 12 ocasiões. Ele reconheceu o abuso de drogas e álcool e disse que em seus anos de casamento com Heard "não estava em condições" de machucá-la.

Por conta das revelações, Depp deixou seu papel como capitão Jack Sparrow na franquia "Piratas do Caribe" e obrigado a abandonar a franquia "Animais Fantásticos", baseada no livro de J.K. Rowling, autora de Harry Potter. Ele foi substituído por Mads Mikkelsen. Há anos, o ator vem alegando que sofre 'boicote" por Hollywood. (Com agências internacionais)