PUBLICIDADE
Topo

Zezé Di Camargo declara apoio a Sérgio Reis: 'É um homem de bem'

Colaboração para Splash, em São Paulo

26/08/2021 09h47Atualizada em 27/08/2021 13h51

Zezé Di Camargo está curtindo Cancún, no México, com Graciele Lacerda e amigos, mas reservou um tempo do seu descanso para mandar um recado para Sérgio Reis.

"Serjão, você não está sozinho. O Brasil está com você. O que estão fazendo com você é de uma crueldade sem tamanho. Eu acho que as pessoas não entenderam ainda que a vontade do povo prevalece", iniciou o cantor em uma sequência de Stories, se referindo artistas como Maria Rita, Guilherme Arantes e Zé Ramalho, que cancelaram a participação no próximo álbum de Sérgio Reis.

Os cancelamentos foram em consequência da divulgação de um áudio em que Sérgio Reis convoca atos antidemocráticos em defesa do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Você é um homem de bem. Você é um homem que eu conheço há muitos anos e só fez o bem: para a música sertaneja, para as pessoas. Se realmente aconteceu isso de alguns artistas cancelarem a participação no seu DVD, eu me coloco aqui à disposição: eu quero participar, quero cantar uma música com você. Zezé di Camargo a Sérgio Reis

Zezé ainda cobrou os colegas sertanejos, pedindo que eles também acolham o cantor.

"Quando a música sertaneja era menosprezada, o Sérgio Reis deixou uma carreira vitoriosa na Jovem Guarda e virou cantor sertanejo. Desde então, investiu na indumentária do sertanejo e sempre está conosco", continuou.

Sérgio, minha solidariedade e meu carinho a você. Isso só faz reforçar mais ainda o que o Brasil precisa ouvir e precisa fazer. O povo do Brasil agradece. Quem é do bem, tá do seu lado.

Entenda o caso

Um áudio e um vídeo que circularam nas redes sociais levaram o cantor Sérgio Reis a integrar também o noticiário político. Nas gravações, o ex-deputado apareceu convocando uma greve nacional de caminhoneiros contra os 11 ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) — alvo constante do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), de quem Reis é aliado.

A promessa de paralisação dos caminhoneiros ganhou força nas redes sociais no domingo (15). Pelas mensagens postadas, os profissionais deverão cruzar os braços em 7 de Setembro, Dia da Independência, em um movimento que engrossaria outras manifestações públicas já programadas a favor do governo.

Lideranças dos caminhoneiros, no entanto, dizem que o cantor não os representa. Já o Ministério da Infraestrutura, nos bastidores, não leva a mobilização a sério.

Na última sexta-feira (20), a PF (Polícia Federal) cumpriu mandados de busca e apreensão em endereços ligados a Sérgio Reis.

Os mandados foram expedidos pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal). O objetivo, segundo a PF, é apurar se o cantor cometeu o crime de incitar a população a praticar "atos violentos e ameaçadores contra a Democracia, o Estado de Direito e suas Instituições, bem como contra os membros dos Poderes".