PUBLICIDADE
Topo

'The Crown': ministro britânico exige que série ganhe rótulo de 'ficção'

Diana (Emma Corrin) e Charles (Josh O"Connor) posam juntos em "The Crown" - Des Willie/Netflix
Diana (Emma Corrin) e Charles (Josh O'Connor) posam juntos em "The Crown" Imagem: Des Willie/Netflix

De Splash, em São Paulo

30/11/2020 09h17

Se depender do ministério da cultura do Reino Unido, todos os episódios de "The Crown" virão com um aviso indicando que as cenas mostrando a intimidade da família real britânica são puramente ficção.

Oliver Dowden, que chefia o ministério, disse ao "Mail on Sunday" que é fã da produção da Netflix, mas que gostaria de ver um rótulo mais claro de ficção no catálogo:

Eu temo que toda uma geração de espectadores, que não estavam vivos quando essas coisas aconteceram, confundirá ficção com fato. Esta é uma peça de ficção lindamente produzida, mas deveria ser claro desde o começo que é só isso: ficção."
Oliver Dowden ao Mail on Sunday

Dowden disse que vai escrever uma carta diretamente para a Netflix com sua recomendação. Ao The Hollywood Reporter, o serviço de streaming respondeu apenas que sempre deixou claro que "The Crown" era uma obra de ficção, meramente baseada em eventos reais.

As reclamações sobre as "liberdades criativas" tomadas pela série de Peter Morgan aumentaram com a quarta temporada, especialmente pelo retrato do casamento entre o príncipe Charles (Josh O'Connor) e a princesa Diana (Emma Corrin).

Um ex-secretário da família real chamado Dickie Arbiter disse à BBC, por exemplo, que cenas em que Charles e Diana são vistos entrando em conflito por causa de uma viagem solo dela à Nova York (EUA) nunca ocorreram.

A série está levando o conceito da 'licença dramática' ao limite. É uma história feita para prejudicar o príncipe Charles, mas também não é muito gentil com Diana. Eles fazem com que Charles e Camilla pareçam ser os vilões da história."
Dickie Arbiter à BBC

Que treta, hein?